2019: AFTER THE FALL OF NEW YORK (1983)

P7nzHoz

O primeiro filme que assisto em 2019 é, obviamente, o fantástico 2019: AFTER THE FALL OF NEW YORK, um dos meus clássicos favoritos do ciclo “pós-apocalíptico” italiano dos anos 80, junto com FUGA DO BRONX e OS GUERREIROS DO BRONX, ambos de Enzo G. Castellari. Produções desesperadas em tentar lucrar ao máximo e aproveitar o sucesso internacional de FUGA DE NOVA YORK, de John Carpenter, e MAD MAX 2, de George Miller, entre outras coisas, mas que rendiam um manancial de pérolas absurdamente divertidas (em alguns casos). Eram os anos 80, enquanto o mundo caminhava para o fim da guerra fria, havia uma certa paranóia em relação a uma Terceira Guerra Mundial que acabou refletida e imaginada em filmes pós-apocalípticos como o do Carpenter e Miller. E é nessa tentativa de ganhar um trocado em cima do sucesso desses filmes, criando suas próprias versões, criando praticamente um gênero, que o ciclo italiano ficou marcado.

bscap0140

vlcsnap-2016-10-11-12h17m11s582

No entanto, alguns desses filmes possuem tanta personalidade, que acabam também influenciando futuras produções. E acho que 2019: AFTER THE FALL OF NEW YORK pode se orgulhar de ter esse feito, uma vez que trata-se de uma versão italiana descarada de FUGA DE NOVA YORK, mas claramente inspirou a história de FILHOS DA ESPERANÇA, de 2006, do hoje consagrado diretor mexicano Alfonso Cuarón, com a busca do herói para encontrar e proteger a última mulher fértil num futuro distópico (com direito à um personagem que exibe proeminentemente “Guernica” de Picasso em sua parede)…

guernica-children-of-men

Cena do filme FILHOS DA ESPERANÇA, de Alfonso Cuarón…

guernica

…E uma cena de 2019: AFTER THE FALL OF NEW YORK. Coincidência? Acho que não.

A trama de 2019: AFTER THE FALL OF NEW YORK se passa vinte anos após o holocausto nuclear que praticamente devastou com o planeta. Os sobreviventes sofreram mutações e se tornaram inférteis. Há quinze anos não nasce um indivíduo nessa realidade. O guerreiro nômade Parsifal (Michael Sopkiw) é sequestrado a mando do presidente da Pan-Americana, uma confederação rebelde que luta contra os Eurac, que se intitularam vencedores da guerra. É explicado a Parsifal que estão planejando lançar uma espaçonave para realocar alguns indivíduos para Alpha Centauri, um conjunto de planetas com atmosfera habitável e é oferecido a ele um lugar na nave se aceitar a missão. A coisa consiste em adentrar as ruínas de NY para resgatar a única mulher fértil que restou. “Entrar em Nova York é fácil. Sair que é impossível“, diz o presidente interpretado pelo grande Edmund Purdon, numa sequência que remete logo de cara ao primeiro encontro de Lee Van Cleef e Kurt Russell no filme de Carpenter.

vlcsnap-2018-04-13-18h51m26s208

Parsifal concorda, relutante, e vai acompanhado de dois outros membros rebeldes: Bronx (Paolo Maria Scalondro), um sujeito que perdeu sua família em NY durante a guerra e tem ódio mortal dos Eurac, e o misterioso Ratchet (Romano Puppo), um caolho que possui força sobre-humana. O resto de 2019: AFTER THE FALL OF NEW YORK se resume na missão desses aventureiros numa Nova York devastada, que é controlada pela tropa Euracs, esgueirando-se para não serem encontrados, algo impossível, o que acarreta numa dinâmica de ação que não deixa o filme parado, e aliando-se aos povos mutantes que vivem nas ruínas. Especialmente um anão, com o “criativo” nome de… Shorty (Louis Ecclesia).

A direção desse petardo é de Sergio Martino, um maestro relegado à condição de “menor”, por nunca ter o mesmo reconhecimento entre os mais cultuados do cinema de gênero italiano, como Lucio Fulci, Mario Bava e Dario Argento. Mas os autênticos admiradores desse tipo de cinema sabem de sua importância e legitimam seu imenso talento por colocar na tela exatamente o que seu público espera. Como já disse, é um filme que não diminui o ritmo em seus noventa e poucos minutos, o andamento das coisas em 2019: AFTER THE FALL OF NEW YORK é muito bom nesse sentido. O roteiro pode até não ser dos mais elaborados, com diálogos inspirados, mas mesmo nos trechos mais lentos, cuja impressão é de que vamos entrar num marasmo e nos aborrecer, Martino não demora para mostrar alguma situação absurda, apresentar personagens bizarros e jogar muita ação na tela, em sequências explosivas, lutas e tiroteios, com direito à um bocado de gore, olhos perfurados e cabeças explodindo.

bscap0141

Algumas sequências que poderiam passar puramente de um xerox de FUGA DE NY acabam ganhando bastante personalidade nas mãos de Martino. Um bom exemplo é quando o grupo tenta fugir de NY num carro antigo, do século XX, através de um túnel “minado”, mais uma referência óbvia de Snake Pliskenss levando os seus, dirigindo pela ponte minada no climax do filme de Carpenter. Martino trabalha tantas ideias e incrementa tanto a ação, que a sua fuga acaba ganhando um novo sentido, tem sua própria força, sem ficar nada a dever ao filme, digamos, “homenageado”…

fzXTnpv

hHD4wQk

Mas o grande contraste de Martino em relação ao filme de Carpenter é na construção do herói Parsifal. À princípio, temos um Snake de meia-tigela, cuspido e escarrado, com uma rebeldia latente e desprezo pelas autoridades, e totalmente desacreditado de que a raça humana mereça uma segunda chance com a possibilidade de uma mulher fértil em voltar a perpetuar o homem, como planeja o presidente. Mas onde o personagem de Kurt Russell permanece o individualista anárquico-pessimista-niilista até o fim, Parsifal se entrega aos sentimentos quando se apaixona por uma das habitantes das ruínas de NY. Isso muda tudo.

Sopkiw não é um Kurt Russell, obviamente, mas entrega uma atuação sólida em 2019: AFTER THE FALL OF NEW YORK, digno dos grandes heróis do cinema pós-apocalíptico italiano. Era a sua estreia no cinema, já tinha feito alguns trabalhos como modelo e Martino resolveu arriscar com o rapaz porque ficaria bem mais barato dentro do orçamento da produção, que já era apertado. Em entrevista, Martino fala que gostou de trabalhar com Sopkiw, que encaixou perfeitamente ao papel. E revela que estrelar um filme dele serviria de trampolim para qualquer ator iniciante. De fato, Sopkiw teve um breve momento de fama no meio dos anos 80, fez quatro filmes legais no período, mas logo depois resolveu abandonar a carreira e se dedicar à outros assuntos… Já comentei sobre Sopkiw no post sobre BLASTFIGHTER, de Lamberto Bava. Depois confiram aqui.

lLL1o54

Sem precisar gastar rios de dinheiro com um Franco Nero ou Giuliano Gemma, Martino pôde trabalhar com cuidado o visual, nos mínimos detalhes. Vale destacar, portanto, os efeitos especiais que abusam de miniaturas e maquetes, que são toscas sob um olhar mais exigente, mas que dão aquele charme a mais neste tipo de produção. Os figurinos, maquiagens dos mutantes – ou a cena em que um personagem precisa fazer uma cirurgia de colocação de olhos novos – e os cenários desse universo pós-apocalíptico também são caprichados. E o diretor aproveita bem desse material, dos close nas caras dos atores maquiados, com suas feridas putrefatas, ao bom uso do espaço físico na ação. O elenco também merece atenção, trazendo alguns bons nomes deste período do cinema popular italiano, como os já citados Romano Pupo, Edmund Purdon e o grande George Eastman, que rouba a cena com seu Big Ape, um mutante metade homem, metade macaco, que lidera uma trupe de seres bizarros.

dfvgyj3

JAyRK

Portanto, o que temos aqui é uma obra genial, ou seja, uma picaretagem das boas do cinema de gênero italiano, que copia na cara dura o clássico de John Carpenter, FUGA DE NY, mas com tanta imaginação e personalidade, que acabou resultando em algo único, que sem dúvida alguma, o diretor mexicano Alfonso Cuarón usou de base para escrever FILHOS DA ESPERANÇA trinta anos depois. Uma última constatação é a influência de BLADE RUNNER, de Ridley Scott, em 2019: AFTER THE FALL OF NEW YORK, na lógica dos replicantes, de androides que se confundem com seres humanos e que estão entre os indivíduos que povoam o filme. E que, aliás, também se passa em 2019… Pelo visto, esses cineastas tinham uma ideia bem pessimista deste ano específico. Mas apesar do mundo não estar tão ruim quanto nessas visões de futuro, até que acertaram em alguns pontos. Mas vamos que vamos…

Anúncios

TODAS AS CORES DO MEDO (Tutti il colori del buio, 1972)

bscap0163

Revi outro dia… Porra, Edwige Fenech, essa cocota do Eurocult é uma das mulheres mais sexy e belas da história do cinema. Nascida em 1948, esta estonteante franco-argelina apareceu em uma porrada de thrillers, gialli, filmes de terror e comédias eróticas a partir dos 19 anos de idade, e ainda estava boa o suficiente para aparecer nua na Playboy italiana no auge dos seus quarenta e tantos anos. Mas para provar que Edwige não é só beleza, mas também atriz de verdade, TODAS AS CORES DO MEDO tá aí, um elegante e singular giallo de Sergio Martino na qual Edwige é o centro das atenções ao encarnar uma jovem perturbada que pode, ou não, ser o alvo de um assassino misterioso.

Mas é um giallo diferentão, todo desconstruído… Vamos lá. A pobre Jane Harrison (Fenech) vem sofrendo de alguns pesadelos muito loucos, cheio de imagens piscodélicas e situações pertubadoras… Neles ela vê sua própria mãe – que foi assassinada por um desconhecido assaltante quando Jane era uma menina – sendo esfaqueada até a morte por um homem com olhos incrivelvente azuis e penetrantes (Ivan Rassimov).

bscap0014bscap0027bscap0030861c6cf1

Esses pesadelos estão se tornando um transtorno na vida de Jane, afetando não apenas seu psicológico, mas também seu relacionamento com o marido, Richard (o grande George Hilton). Ele acredita que os pesadelos provêm de um aborto que Jane teve depois de um acidente de carro no ano anterior, só que o problema pra ele é ainda mais complexo, afinal desde então a mulher se tornou frígida e, bem, vocês sabem, dividir a cama com a Edwige Fenech e não poder fazer nada de vez em quando é algo realmente para abalar as estruturas de um casamento feliz…

O conselho da irmã mais velha de Jane é que ela comece a encarar um psiquiatra, afirmando que é a única maneira para que restaure a sua saúde mental. Algo que Richard insiste que se trata da mais pura besteira e charlatanismo, já que a tal irmã trabalha num consultório psiquiátrico. Enquanto tentam resolver esse impasse, Jane começa a ver o homem de olhos azuis de seus pesadelos, armado sempre com uma faca, com muito mais frequência, inclusive quando está acordada, em visões aterradoras!

bscap0178bscap0181

Temendo por sua própria sanidade, Jane não só concorda em ver o psiquiatra recomendado pela irmã, mas também opta por tratamentos menos convencionais que surgem por acaso. Como, por exemplo, dar ouvidos a uma misteriosa vizinha de seu prédio, que diz que Jane precisa encontrar-se com algumas pessoas que passaram por circunstâncias semelhantes. Mas só quando é tarde demais ela percebe, para seu horror, que sua simpática e prestativa vizinha é membro de um culto satânico!

Em uma mansão isolada, Jane é forçada a beber sangue e fazer sexo com o sacerdote do culto. Tudo fica muito embaralhado na cabeça da pobre Jane. O culto satanista era apenas uma alucinação, como ela também acredita ser as recentes aparições do homem de olhos azuis? Ou será que tudo era real?

O fato é que alguns dos melhores momentos de TODAS AS CORES DO MEDO são esses cultos satânicos, brilhantemente filmados acompanhados dos acordes melódicos de Bruno Nicolai. Claro, as ações do cultistas são tenebrosas para Jane, mas o cenário é bonito, bem aproveitado e evoca os bons tempos do horror gótico italiano dos anos 60. Julian Ugárte é o ator que faz o sacerdote. O cara rouba o filme facilmente por alguns minutos, expressivo e convincente como líder de um culto satânico, expondo dentes sangrentos e vorazmente envolvido num coito frenético com Jane, como seria de se esperar de um líder satanista que se preze.

bscap0112bscap0111

Bom, não preciso nem dizer que nada disso ajuda muito a resolver o problema da ragazza… E a moça não pode nem confiar muito no próprio marido – a quem ela não conta nada do que teria acontecido no tal culto satânico – até porque, mesmo com todos os problemas que ela passa, Richard deixa Jane frequentemente sozinha e isolada em seu apartamento enquanto ele, um vendedor de uma empresa farmacêutica, está sempre fora à negócios. À medida que Jane se aproxima da total decomposição mental, a coisa evolui para um lado metafísico e ela começa a ter estranhas visões de eventos que no fim das contas, acabam se tornando realidade…

É curioso como a paranóia de Jane é exemplificada por um puta trabalho de tensão pontual que prevalece sempre que ela se encontra sozinha e que geralmente segue com uma temporária sensação de alívio quando está em torno de outras pessoas. Por exemplo, quando Jane deixa o consultório de seu psicanalista, ela fica sozinha em uma estação de metrô, e só esse fato já é suficiente para gelar a espinha do espectador com a trilha sonora angustiante de Nicolai e a câmera que cria uma atmosfera inquietante. Depois que o metrô chega, uma sensação de conforto e segurança prevalece, com a multidão invadindo o ambiente solitário. Não demora muito para que a tensão volte a subir quando ela se encontra sozinha novamente…

Quem já tem certa familiaridade com o gênero, já percebe até aqui que TODAS AS CORES DO MEDO é um giallo bem incomum. São vários elementos visuais e narrativos característicos associados com o giallo que são deixados de lado: Não há nenhum assassino sem rosto, mascarado, de luvas negras, já que vemos Rassimov desde o início como um stalker com faca na mão; na trama, ao invés de nos apresentar um típico mistério de “descobrir o assassino“,  aqui é se o homem dos olhos azuis e outras situações são mesmo reais ou se não são criações da mente perturbada de Jane…

bscap0170

A contagem de corpos também é relativamente baixa para um giallo e as mortes nunca são realmente violentas e sangrentas. Com exceção do sonho da mãe de Jane sendo morta logo no início do filme, não há outros assassinatos até o terceiro ato. Além disso, o aspecto sobrenatural do culto satânico e as premonições de Jane adicionam um sabor de fantasia que não é tipicamente encontrado no gênero.

Até mesmo se levarmos em consideração o fator depravado e erótico habitual do giallo  é comparativamente moderado em TODAS AS CORES DO MEDO, e as cenas de nudez de Fenech são de bom gosto, não muito vulgares. Claro, ter a Fenech em cena é quase sinônimo de um topless… Mas, por exemplo, logo na introdução de Jane no filme, vemos ela acordar de seu pesadelo e depois ela vai para o chuveiro ainda de camisola. Uma tentativa simbólica do desespero de Jane ou é apenas uma oportunidade para Fenech ficar molhadinha em frente à câmera? Eu diria que ambos, mas é um dos detalhes que torna TODAS AS CORES DO MEDO tão agradável. Nada é vazio e vulgar por aqui, nudez e violência servem ao filme como forma de expressão.

bscap0126

Edwige mostrando sua expressão

Como disse no início, TODAS AS CORES DO MEDO é um giallo refinado, com direção de classe de Sergio Martino, um dos principais especialistas do gênero, e sem dúvida alguma tem aqui um dos seus melhores resultados. Dirigiu de tudo, na verdade, western, aventura, comédias, ação, isso aqui, mas é no giallo que o cara parece estar mais consciente. Martino tem bom olho para composição dos quadros, tira muita vantagem da tela larga e sua câmera raramente fica estática, mesmo de forma sutil, impedindo até que cenas de diálogo de rotina se tornem sem graça. As sacadas visuais empregadas para a transição da realidade para a fantasia e vice-versa são tão simples, mas ao mesmo tempo muito eficazes, sempre a serviço do enredo e nunca apenas para exibicionismos.

O sujeito também manda bem na construção do suspense, que é o componente essencial para qualquer thriller de sucesso. A cena que tem Jane é perseguida e se apressa para entrar no seu carro e, obviamente, não consegue fazer a ignição pegar já vimos em milhares de outros filme, mas é só um dos exemplos da finesse de Martino, que faz o espectador ficar com as mãos suando de tensão, apesar de todo o clichê. Na verdade, o filme inteiro possui uma atmosfera bem trabalhada, como já disse anteriormente, apoiada num belíssimo e requintado visual, na trilha de Nicolai e no roteiro bem amarrado (embora guarde um traço de ambiguidade no final).

bscap0131bscap0180

E, finalmente, temos a deliciosa Deusa do Eurocult, Edwige Fenech. Todo o elenco de TODAS AS CORES DO MEDO é notável e contribui para o show, especialmente Hilton, Rassimov e a pequena participação de Ugárte, mas é Edwige que é a atração principal. Eu já vi algumas de suas comédias eróticas e acho que posso dizer com confiança que a moça tem aqui um dos melhores desempenhos. E sem precisar mostrar os peitos a cada dez minutos, completamente convincente como a assustada, vulnerável e confusa Jane… Fenech é um espetáculo! Não preciso dizer mais nada, apenas recomendo a qualquer amante do horror europeu.

KERUAK – O EXTERMINADOR DE AÇO (Vendetta dal Futuro, aka Hands of Steel, 1986)

L4 HandsNão sei quantos de vocês tiveram esse privilégio, mas sou desses que pode se orgulhar de ter visto KERUAK – O EXTERMINADOR DE AÇO, de Sergio Martino, passando à tarde, no SBT, quando era moleque no início dos anos 90. Bons tempos. O filme é simplesmente um clássico da infância e quando os canais da televisão aberta ficaram caretas só me restou a lembrança, já que não consegui encontrar o filme em VHS na adolescência na região onde morava. Desde então não revi KERUAK, apesar da possibilidade que surgiu a partir da era dos torrents. Bem, resolvi matar a saudade agora e só posso dizer que valeu muito a pena. Foram 95 minutos com os olhos brilhando com o que há de mais divertido, bizarro e picareta no cinema B de ação italiano. Continuar lendo