INNER GHOSTS: UM PROJETO DE HORROR QUE VOCÊ PRECISA CONHECER

Moodboard 1

Alguma vez você já quis contribuir e apoiar um filme de terror independente? Então aqui está a sua chance. INNER GHOST é um novo filme que está bem perto de ser concluído, mas, infelizmente, o dinheiro da pós-produção ficou escasso. Para aumentar os fundos restantes, os produtores começaram uma campanha pesada e bem legal de crowdfunding no kickstarter, a fim de conseguir colaboradores para terminar o filme.

Apesar do título e do elenco internacional, vale destacar que INNER GHOSTS é uma co-produção entre Brasil e Portugal. Foi o próprio produtor e roteirista Paulo Leite que entrou em contato comigo e me apresentou a história de INNER GHOSTS e fiquei imediatamente interessado. Continuar lendo

Anúncios

INVENTÁRIO EUROCULT – O RETORNO

Há alguns anos, aqui mesmo no blog, resolvi convidar leitores e amigos para participarem da elaboração de um inventário de filmes “cult” europeus. Pedi que me enviassem listas pessoais de filmes favoritos e fui compilando essas relações de dez ou quinze filmes cada, repletas de exemplares essenciais e obscuros desse universo tão extenso e fascinante. Um guia perfeito para qualquer iniciante que desejasse enveredar por essas estranhas paragens do cinema. No total foram quinze listas de convidados especiais e, passados, sei lá, uns três anos, me dei conta agora, graças ao Edu Aguilar (também participou do projeto), que até hoje eu nunca havia publicado a MINHA lista! Como acho que nunca é tarde, estamos aí…

O que eu quero dizer com cinema Eurocult? Nem eu sei responder direito… Mas na época queria contemplar mais filme europeus de gêneros populares “de qualquer qualidade. Do horror ao peplum, do giallo ao Spaghetti Western, das tranqueiras do Bruno Mattei e Andrea Bianchi à elegância de um Mario Bava e Dario Argento”, como disse no primeiro post da série.

A relação que fiz contém 25 filmes e está em ordem cronológica. Decidi por colocar apenas um título por diretor, porque só o Fulci, Argento e Bava já formavam a lista inteira. Resolvi não incluir diretores mais famosinhos (como Fellini, Bergman, Buñuel ou Leone, por exemplo, embora tenham feito cinema de gênero e TRÊS HOMENS EM CONFLITO seja o melhor filme da galáxia). Não se trata realmente de uma lista fechada e absoluta, tem prazo de validade, dependendo do meu humor e das novas descobertas que fazemos todos os dias. Mas hoje ela seria assim:

nov_ercole

O grande Hércules encara uma taruíra gigante no filme de Cottafavi

nancy-and-jan

MALPERTUIS, um filme de belas composições

beyond

THE BEYOND e um dos desfechos mais aterradores do cinema

OS OLHOS SEM ROSTO (Les Yeux sans visage, Fra, Ita, 1960), de Georges Franju
ERCOLE ALLA CONQUISTA DI ATLANTIDE (Ita, Fra, 1961), de Vittorio Cottafavi
THE WHIP AND THE BODY (La frusta e il corpo, Fra, Ita, 1963), de Mario Bava
UMA BALA PARA O GENERAL (Quién sabe?, Itália 1966), de Damiano Damiani
UN ANGELO PER SARTANA (Itália, 1966), de Camillo Mastrocinque
O INCRÍVEL EXÉRCITO DE BRANCALEONE (L’armata Brancaleone, França, Espanha, Itália, 1966), de Mario Monicelli
FACCIA A FACCIA (Itália, Espanha, 1967), de Sergio Sollima
IL GRANDE SILENZIO (França, Itália, 1968), de Sergio Corbucci
SUCCUBUS (Alemanha, 1968), de Jess Franco
MALPERTUIS (Bélgica, França, Alemanha, 1971), de Harry Kumel
MILANO CALIBRO 9 (Itália, 1972), de Fernando Di Leo
TUTTI I COLORI DEL BUIO (Itália, Espanha, 1972), de Sergio Martino
EXPRESSO DO HORROR (Horror Express, Espanha/Inglaterra, 1972)
THRILLER – A CRUEL PICTURE (Suécia, 1973), de Bo Arne Vibenius
LES DÉMONIAQUES (Bélgica, França, 1973), de Jean Rollin
LA CASA DALLE FINESTRE CHE RIDONO (Itália, 1976), de Pupi Avati
EMANUELLE IN AMERICA (Itália, 1977), de Joe D’Amato
INFERNO (Itália, 1980), de Dario Argento
CANNIBAL HOLOCAUST (Itália, 1980), de Ruggero Deodato
NIGHTMARE CITY (Incubo sulla città contaminata, Esp, Ita, 1980), de Umberto Lenzi
THE BEYOND (…E tu vivrai nel terrore! L’aldilà, Itália, 1981), de Lucio Fulci
POSSESSION (Alemanha, França, 1981), de Andrzej Zulawski
ESCAPE FROM THE BRONX (Fuga dal Bronx, Itália, 1983), de Enzo G. Castellari
DEMONS (Itália, 1986), de Lamberto bava
DELLAMORTE DELLAMORE (França, Alemanha, Itália, 1994), de Michele Soavi

Queria ter colocado STARCRASH, do Luigi Cozzi, mas tem dinheiro americano envolvido, então decidi não considerá-lo… E também quis dar preferência a produções de países que não falam inglês, por isso a ausência de filmes da Inglaterra. Mas fica a observação.

Se alguém estiver interessado, segue as outras listas:
#1 #2 #3 #4 #5 #6 #7 #8 #9 #10 #11 #12 #13 #14 #15

E se alguém quiser ainda quiser contribuir com o inventário, é só me enviar sua lista de Eurocult favoritos.

THE NEON DEMON (2016)

97029631_the_neon_demon-large_transeo_i_u9apj8ruoebjoaht0k9u7hhrjvuo-zlengruma

Gosto do cinema do Nicolas Winding Refn desde VALHALLA RISING, que é uma boa representação do que podemos chamar de “estilo” do sujeito. Mas o que tenho reparado é que as pessoas esperam sempre um novo DRIVE. Claro, também acho sensacional, um dos melhores filmes da década até agora (e meu favorito do homem), mas embora tenha muito a mão do dinamarquês, é uma obra muito bem equilibradinha nos pólos forma x conteúdo. Só que isso não é bem Refn. Não vou entrar nos méritos dos filmes antes de 2010, mas Refn nunca foi comercial. Ele é frio, leeeeeento, é atmosfera e ambiente, composições kubrickianas, cores e estética, personagens que fazem pose, poucos diálogos, sem muita explicação narrativa, carrega aquela merda toda de simbolismo e um monte de coisa estranha acontecendo, e você tenta entender isso tudo, interpretar, mas fica frustrado e prefere desfrutar como uma obra surrealista, poética e autoral, mas que funciona de forma literal também, porque… Bem, às vezes um charuto é apenas um charuto, como dizia Freud. Ou seja, é tudo que eu detesto em vários diretores atuais, mas que no caso do Refn me fascina de uma maneira singular… Refn é isso, é VALHALLA RISING, ONLY GOD FORGIVES e, agora, THE NEON DEMON.

Enfim, THE NEON DEMON é uma fábula para adultos sobre o universo cruel da moda, dos corpos magricelas de modelos que parecem meninos de 12 anos desnutridos, um padrão da beleza perfeita da atualidade. Sou muito mais uma gordinha, mas isso é outra história. “Beauty isn’t everything. It’s the only thing“, diz um dos personagens numa das falas mais simbólicas do filme. É no meio disso tudo que entra a inocente Jesse (Elle Fanning), uma aspirante a modelo que possui uma aura sobrenatural de encantamento que ao mesmo tempo em que tem sua acensão garantida pelo efeito que provoca com sua “beleza perfeita”, é também envolvida por todas as merdas que esse meio sórdido carrega. Mau pra moça, bom pra nós que acompanhamos a coisa toda se degradando pra ela. Não vou entrar em detalhes, só digo que a faceta violenta do Refn não dá moleza por aqui. E à medida em que a coisa caminha para o desfecho, THE NEON DEMON toma proporções épicas de bizarrices.

the-neon-demon-10maio2016-7the-neon-demon-naked-girls-chicas-ducha-modelos

E não importa o quão repugnante são as situações, Refn filma tudo com a maior elegância e beleza possível. O grotesco é lindo em THE NEON DEMON. Fica bem claro pra mim que a única preocupação de Refn é com estética, cores, enquadramentos simétricos, a beleza das imagens em detrimento à própria narrativa, o que causa certa frieza e desconforto, mas que condiz perfeitamente com o universo do filme, e aí cito de novo o que aquele personagem diz: “Beauty isn’t everything. It’s the only thing“. Tudo bem pra mim, gosto de apreciar o espetáculo visual/sensorial de Refn.  THE NEON DEMON é um filme para se ver, ouvir e sentir. Se tá tudo bem pra você também, então vai saber apreciá-lo.

Sobre THE NEON DEMON dialogar com o horror – na verdade foi anunciado como tal – quem conhece o Refn sabe que um filme de Vikings nunca vai ser um filme de Vikings, um car chase movie nunca será um car chase movie e um kickboxer movie nunca vai ser um kickboxer movie nas suas mãos, apesar de trabalhar com todos os elementos que tal gênero estabelece. THE NEON DEMON até possui vários ingredientes para saciar os fãs do horror, mas o estilo autoral do sujeito deve espantar o espectador “comum”. Em termos de história o filme nunca transcende o superficial, pelo menos não na forma convencional ou para aqueles que esperavam um novo DRIVE. Sobre o elenco, só tenho a dizer que o desempenho de Fanning é bem bom, assim como a de todo o elenco de desconhecidos. Já o Keanu Reeves tá sensacional e se destaca em todos os momentos em que aparece. E pra finalizar, descobri que justamente hoje é aniversário do Refn. Felicidades, man, e continue fazendo filmes sem concessões.

DE VOLTA ÀS RAÍZES

tumblr_mvps434R7K1rhvtj2o1_1280

O blog foi citado na ROCINANTE, um espaço virtual criado recentemente por uma turma da boa para fazer crítica de filmes, com textos de alta qualidade. O primeiro tema deles é filmes de terror contemporâneo e achei legal ver o nome do blog listado entre os sites e espaços que dão atenção ao gênero aqui no Brasil (o Dia da Fúria também foi citado e me bateu saudade…). Fiquei realmente feliz pela lembrança deste espaço aqui.

No entanto, o que realmente me chamou a atenção é o fato de que fomos citados sob a alcunha do saudoso Dementia¹³, título que mudei há algum tempo, e não por O Homem dos Olhos de Raio-X. Fiquei pensando como  Dementia¹³ deve estar difundido na blogosfera de cinema (se é que ainda existe uma) e na cabeça de quem visita aqui o recinto há mais tempo… Então, foda-se, mesmo não sendo mais muito com a cara desse nome, retorno com a alcunha original, de volta às raízes. O Dementia¹³ nunca saiu daqui, mas está volta.

FILMES DE MARÇO

Março foi melhor que fevereiro em quantidade de filmes vistos. Em compensação o blog ficou mais abandonado novamente… Mas teve seus motivos, foi um mês de mudanças, pelo menos pra mim, que agora mudei para São Paulo e estou atrás de trabalho… Não dá pra ficar dando tanta atenção ao blog nesse tipo de situação. Mas vamos aos filmes.

“Novos”
HARRY POTTER E O CÁLICE DE FOGO (2005), de Mike Newell ★ ★ ★
HARRY POTTER E A ORDEM DA FÊNIX (2007), de David Yates ★ ★ ★
HARRY POTTER E O ENIGMA DO PRÍNCIPE (2009), de David Yates ★ ★
HARRY POTTER E AS RELÍQUIAS DA MORTE – PARTE 1 (2010), de David Yates ★ ★ ★
HARRY POTTER E AS RELÍQUIAS DA MORTE – PARTE 2 (2010), de David Yates ★ ★ ★
No fim das contas, até que a série não deixa de ser divertida…
THE VVITCH – A NEW-ENGLAND FOLKTALE (2016), de Robert Eggers ★ ★ ★ ★
IRRATIONAL MAN (2015), de Woody Allen ★ ★ ★
KNIGHT OF CUPS (2015), de Terrence Malick ★
RYUZO AND THE SEVEN HENCHMEN (2015), de Takeshi Kitano ★ ★ ★
DEADPOOL (2016), de Tim Miller ★ ★ ★
BATMAN VS SUPERMAN: A ORIGEM DA JUSTIÇA (2016), de Zack Snyder ★ ★

“Velhos”
MORTALMENTE PERIGOSA (Gun Crazy, 1950), de Joseph H. Lewis ★ ★ ★ ★ ★
PECADO SEM MÁCULA (Side Street, 1949), de Anthony Mann ★ ★ ★ ★
OUT OF THE PAST (1947), de Jacques Tourneur ★ ★ ★ ★ ★ – REVISÃO
DEATHSTALKER II (1987), de Jim Wynorski ★ ★ ★
DELIRIUM (Le Foto di Gioia, 1987), de Lamberto Bava ★ ★ ★
DUBLÊ DE CORPO (Body Double, 1984), de Brian de Palma ★ ★ ★ ★ ½ – REVISÃO
A MONTANHA SAGRADA (1973), de Alejandro Jodorowsky ★ ★ ★ ★ ★ – REVISÃO

FILMES DE HORROR FAVORITOS DA DÉCADA… ATÉ AGORA

Com o  texto de A BRUXA (2015), no último post, comecei a me perguntar então quais seriam os melhores filmes de horror dos últimos anos. Como não resisto a uma lista, resolvi arriscar a relacionar os filmes do gênero que mais me impressionaram, mas limitando apenas as produções desta década, ou seja, de 2010 até hoje; e apenas dez exemplares, listados em ordem alfabética (mas se tivesse que escolher o melhor, com certeza seria A BRUXA)… É óbvio que sintam falta de alguns filmes, eu realmente não dou tanta atenção assim à safra mais recente do gênero, mas vamos lá.

10594_15_large

O barbudão Jeremy Garner em THE BATTERY

BATTERY, THE (2012), de Jeremy Garner
BONE TOMAHAWK (2015), de S. Craig Zahler
CABIN IN THE WOODS, THE (2012), de Drew Goddard
I SAW THE DEVIL (2011), de Jee-Woon Kim
IT FOLLOWS (2014), de David Robert Mitchell
KILL LIST (2011), de Ben Wheatley
SERBIAN FILM, A (2010), de Srdjan Spasojevic
STAKE LAND (2010), de Jim Mickle
WITCH, THE (2015), de Robert Eggers
YOU’RE NEXT (2011), Adam Wingard

+

SAFE HEAVEN (episódio do longa V/H/S 2, 2013), de Gareth Evans e Timo Tjahjanto

Menções honrosas: BAY, THE (2012), de Barry Levinson; BURYING THE EX (2014), de Joe Dante; CONJURING, THE (2013), de James Wan; EVIL DEAD (2013), de Fede Alvarez; INNKEEPERS, THE (2012), de Ti West; INSIDIOUS (2011), de James Wan; MAR NEGRO (2013), de Rodrigo Aragão; SCREAM 4 (2011), de Wes Craven; SINISTER (2012), de Scott Derrickson e WE ARE STILL HERE (2015), de Ted Geoghegan.

kill-list-poster01

E pra vocês? Quais são os seus filmes de horror favoritos desta década até agora?

PS: Se BLACK SWAN (Cisne Negro, 2010), de Darren Aronofsky, for considerado horror, tem lugar fácil na lista dos dez melhores…

Mudança de nome

Sei que não preciso me justificar com o que faço ou deixo de fazer por aqui, principalmente na situação atual quando existem mais pessoas interessadas em acompanhar posts de facebook do que um blog de cinema, mas por respeito aos poucos leitores que restaram e que ainda acompanham o recinto, informo-lhes da mudança de nome.

É algo que planejava fazer há alguns anos pelo motivo mais simples e bobo possível: enjoei do nome “Dementia 13“. Sim, é isso.

Vou adotar de vez “O homem dos olhos de raio-x“, uma homenagem ao filme do Roger Corman, porque acaba sendo mais genérico para um blog de cinema e o dissocia do horror, me dando mais liberdade pra postar o que quiser. Sei que é uma besteira, mas me causava um certo incômodo. Quem me acompanha a mais tempo vai lembrar que há uns três ou quatro anos eu cheguei a criar um outro blog com esse mesmo nome, meio que com essa intenção de dissociação de gêneros, mas acabei deletando… Enfim, é uma mudança um tanto brusca depois de mais de sete anos utilizando o mesmo nome, mas que não altera tanto o andamento das coisas por aqui. Acho que vai ser pra melhor. Já anda tão desanimador blogar por esses dias, que uma mudança dessas pode ajudar as coisas.
Vejamos.

SETE ANOS NA TELA

391307_1863016635142_1832769948_1249041_1379402724_n

Tá certo que estamos apenas desde 2013 neste endereço, mas o blog Dementia 13 deu-se início no dia oito de agosto de 2008, portanto hoje completam sete anos de sua existência. Vida longa ao blog, e que venham outros sete, dezessete, e muito mais…

Sim, além deste post informativo de aniversário, quero avisar que o blog não foi abandonado, está apenas empoeirado… O Dementia 13 está apenas passando por umas prolongadas férias por conta de uma coisa chamada vida, que me deixou sem tempo. Daqui a pouco retornamos com mais daquele tipo de cinema que vocês já estão acostumados a encontrar por aqui.

ESPECIAL McT POST FINAL: FILMOGRAFIA NO BLOG

mctiernan-warbirdsO especial do diretor John McTiernan finalmente está encerrado. Escrevemos aqui no blog sobre todos os filmes que o sujeito já realizou. Só voltaremos a postar sobre ele de novo quando  lançar seus próximos trabalhos, se é que isso realmente vai acontecer, ou se eu ou algum dos colaboradores rever algum de seus filmes e tiver algo a acrescentar. Mas, por enquanto, ficamos por aqui com o McT. Segue a lista de seus filmes:

BASIC (2003)
ROLLERBALL (2002)
THOMAS CROWN – A ARTE DO CRIME (1999)
O 13º GUERREIRO (1999)
DURO DE MATAR 3 – A VINGANÇA (1995)
O ÚLTIMO GRANDE HERÓI (1993)
MEDICINE MAN (1992)
A CAÇADA AO OUTUBRO VERMELHO (1990)
DURO DE MATAR (1988)
O PREDADOR (1987)
NOMADS (1986)

Neste domingo descobriremos quem será o próximo diretor que vamos explorar por aqui. Para contribuir na escolha, participe desta enquete na página do Dementia¹³ no Facebook.