45044500_2151564454863099_7307910150046613504_n

Anúncios

FILMES FAVORITOS DE JOHN CARPENTER

Não lembro onde peguei essas listas, mas estavam salvas aqui nos rascunhos do blog… De qualquer forma, são os filmes favoritos do grande John Carpenter, o maior diretor vivo na minha opinião, portanto, acho que vale a pena publicar:

only-angels-have-wings

John Carpenter’s Top 10:
1. Only Angels Have Wings (1939, Howard Hawks)
2. Chimes at Midnight (1965, Orson Welles)
3. Rio Bravo (1959, Howard Hawks)
4. The Discreet Charm of the Bourgeoisie (1972, Luis Bunuel)
5. Chinatown (1974, Roman Polanski)
6. Bringing Up Baby (1938, Howard Hawks)
7. The Searchers (1956, John Ford)
8. The Exterminating Angel (1962, Luis Bunuel)
9. Scarface (1932, Howard Hawks)
10. Vertigo (1958, Alfred Hitchcock)

His Top 10 Westerns:
1. Rio Bravo (1959, Howard Hawks)
2. Once Upon a Time in the West (1968, Sergio Leone)
3. The Searchers (1956, John Ford)
4. Red River (1948, Howard Hawks)
5. The Wild Bunch (1969, Sam Peckinpah)
6. Stagecoach (1939, John Ford)
7. How the West Was Won (1962, Henry Hathaway, John Ford & George Marshall)
8. The Naked Spur (1953, Anthony Mann)
9. North to Alaska (1960, Henry Hathaway)
10. True Grit (1969, Henry Hathaway)

HALLOWEEN (1978)

5562448_orig

Este ano não fiz o meu habitual Especial de Halloween, com filmes de terror… Não tive nenhum motivo, apenas não me apeteceu. Mas como hoje ainda dá tempo de trazer algo aqui no blog sobre o tema, que tal falar um pouquinho de um dos maiores clássicos do gênero em todos os tempos e que carrega a data comemorativa estampada no título?Não sou muito chegado em escrever sobre as obras-primas já celebradas que existem por aí, prefiro comentar umas coisas obscuras e de qualidade duvidosa. Acho mais divertido. E considero HALLOWEEN, do John Carpenter, um filminho simplesmente GENIAL. Mas já que estamos exatamente nesta data especial, vou arriscar alguns comentários.

1127790_orig

Só pra provar o efeito que este filme teve no período do lançamento, basta observar o seu sucesso comercial. Com um orçamento de cerca de 300 mil dólares, arrecadou uns 60 milhões, tornando-se a produção independente mais lucrativa do cinema americano na época. Outra maneira de entender o fenômeno HALLOWEEN é de fato sentar a bunda no sofá e ver e rever e comprovar que se trata de uma das experiências mais fascinantes dentro do gênero do horror americano.

A trama, se formos parar pra analisar, é um fiapinho de nada sobre um assassino maluco e mascarado à solta numa pequena cidade na noite de Halloween, aterrorizando adolescentes. O que acontece é que essa historinha foi transformada, nas mãos de Carpenter, numa verdadeira aula de cinema, com uma assustadora coreografia de câmeras, iluminação, trilha sonora, em uma sucessão de planos/imagens que absorve o espectador num universo de horror de maneira única.

1852237_orig902571_orig

HALLOWEEN cria um dos principais ícones do slasher americano, o serial killer Michael Myers, que é apresentado neste primeiro filme como um garoto que, no Dia das Bruxas, resolve pegar uma faca e descobrir como era sua irmã mais velha… por dentro. Tudo filmado num plano sequência de grande força visual, com uma câmera subjetiva onde nós adquirimos o olhar do precoce assassino. Após dez anos de confinamento num manicômio, Michael foge e retorna para Haddonfield para aterrorizar e fazer novas vítimas. Uma delas é Laurie, Jamie Lee Curtis, que consegue sobreviver e na sequência lançada em 1981 descobrimos que ela é a irmã de Myers.

O meu personagem favorito da série é o Dr. Loomis, encarnado pelo grande Donald Pleasence. O sujeito caça Michael Myers como Van Helsing caça vampiros, porque após anos e anos de estudos como psiquiatra de Michael, Loomis parece ser o único com a noção de perigo que é ter o Myers à solta zanzando por aí. A forma como demonstra isso é andar sempre com um 38 carregado. Não só neste, mas em quase todos os filmes da série em que o personagem aparece, Pleasence possui um desses desempenhos expressivos digno de nota.

9201859_orig1284125_origMas o grande destaque de HALLOWEEN e que o eleva ao status de clássico é mesmo a direção de Carpenter, com todo o trabalho de câmera e apuro visual, que eu não canso de elogiar, bastante influenciado por Dario Argento. Howard Hawks sempre foi uma inspiração óbvia do Carpinteiro, mas tanto pelo uso da câmera subjetiva, a maneira como se move, quanto pela estilização visual das cores e iluminação, fica claro, especialmente aqui, que Carpenter deu umas assistidas em PROFONDO ROSSO e SUSPIRIA antes de filmar HALLOWEEN. E o resultado visto na tela, somado à estranha e minimalista trilha sonora do próprio Carpenter, cria um clima de puro horror e tensão, praticamente estabelecendo um padrão para este tipo de produto. Quase todos os elementos que conhecemos dos slasher movies nasceram aqui e por isso nunca me canso dessa belezinha…

ELES VIVEM (They Live, 1988)

NRkcQS2

Comprei recentemente o primeiro volume de DVD’s da Versátil que traz alguns clássicos supimpas do cinema sci-fi, chamado justamente CLÁSSICOS SCI-FI Vol.1. E logo de cara  já mexem no meu coração apresentando ELES VIVEM, do bom e velho John Carpenter, no primeiro DVD da caixa… ai, ai…

Ainda não tinha saído por aqui em DVD, mas já vi e revi diversas vezes, inclusive depois de ter criado o blog, mas acabei nunca escrevendo coisa alguma sobre ELES VIVEM por achar que não tinha nada a acrescentar ao vasto número de resenhas que abordam o filme espalhados pelas internets. Ainda acho que não tenho nada a dizer, mas como acabei de rever, meus dedos coçaram e como o filme se revela mais atual como nunca, uns elogios a mais não vão fazer mal algum… ELES VIVEM merece, apesar de nunca ter sido um dos meus Carpenter’s favoritos. Tá lá entre os melhores dele, na minha opinião, mas não tem o fator nostálgico de um FUGA DE NOVA YORK, O ENIGMA DO OUTRO MUNDO ou OS AVENTUREIROS DO BAIRRO PROIBIDO, que fizeram parte da minha infância, ou a aura que tanto me fascina em FUGA DE LOS ANGELES, que muita gente despreza. Só fui ver ELES VIVEM depois de velho. Foi amor à primeira vista, evidentemente, mas sem o mesmo encantamento dos outros supracitados.

theylivepiperwalk

Mas ELES VIVEM possui algumas peculiaridades que valem a pena ressaltar. Por exemplo, é o filme mais abertamente político do Carpenter. Todos os filmes do homem possuem um subtexto político por trás da diversão, mas aqui é gritante, é como um soco no estômago do sistema capitalista, um olhar ácido sobre a obsessão consumista da era Reagan, que deve ter deixado muito republicano enfezado… Se bem que esse tipo de gente é meio estúpida e deve ter visto o filme apenas como um simples sci-fi de ação. O próprio Carpenter dizia que o filme era uma crítica feroz ao presidente americano da época, o meu xará Ronald Reagan… Mas vamos deixar os polos políticos um pouco de lado antes que eu comece alguma discussão nesse sentido, me acusem de petista e tal… o que me dá uma preguiça danada. Até porque o Carpenter não defende lados, é um anarquista revoltado contra o sistema.

Da mesma forma que Nada, vivido pelo Wrestler profissional “Rowdy” Roddy Pipper, o protagonista de ELES VIVEM. Um andarilho desempregado que é a figura perfeita do outsider carpenteriano, que acaba em Los Angeles em busca de trabalho e uma vida melhor. Arruma um serviço mixuruca na construção civil, faz amizade com Frank (o grande Keith David) e arranja um lugar para encostar a cabeça à noite numa especie de acampamentos de sem-teto onde funciona um projeto social. E aqui, no mais improvável dos locais, o sujeito acidentalmente se depara com um mistério de proporções épicas, que envolve toda a humanidade.

Ko48dEe

A pequena igreja nos arredores, que cuida do projeto social, é também a sede de um movimento de resistência militante que luta contra o governo. Nada descobre que o local funciona como um pequeno laboratório para a fabricação de lentes para óculos de sol aparentemente inofensivos, bem como equipamentos de transmissão para invadir um canal de TV a cabo local e soltar manifestos contra o sistema. Mas o nosso herói só descobre mesmo com quem e o que está lidando quando, após uma batida policial brutal que destrói o acampamento, foge levando consigo alguns pares de óculos de sol que sobraram no local. Ao colocar nos olhos o utensílio, lhe é revelado um mundo bem diferente do que ele pensava estar vivendo. E que criaturas de outro planeta têm escravizado a raça humana sem sequer estar ciente disto.

O fato é que um sinal irradiado pelos alienígenas em todo o mundo interfere com o cérebro humano e faz com que os nós vejamos aquilo que eles querem, ou seja, que os extraterrestres com uma cara medonha de horrorosa se pareçam com pessoas normais. Além disso, outdoors, placas publicitárias, jornais, revistas e programas de televisão são disfarçadas de mensagens subliminares, comandando o povo da Terra a “obedecer”, “consumir” e não “questionar a autoridade”, entre outras coisas… Com a ajuda de colaboradores humanos, os alienígenas realmente executam tudo isso às escondidas enquanto exploram o planeta por poder e lucro.

800__they_live_blu-ray_09_

E é nesse mundo recém descoberto, na verdade uma metáfora óbvia da nossa realidade, que Nada se vê diante. Caçado pela polícia, passado por um louco varrido por todos (que não podem ver o que ele vê através dos óculos), o sujeito decide fazer alguma coisa para acabar com essa farra alienígena… Mas o que um pobre coitado como Nada pode fazer contra uma conspiração extraterrestre de escala planetária?

O roteiro escrito pelo próprio Carpenter, sob o pseudônimo Frank Armitage, baseado numa história em quadrinhos que já era uma adaptação de um conto de Ray Nelson chamado Eight O’Clock in the Morning, de 1963, não mergulha profundamente nos elementos clássicos e convencionais da ficção científica. Prefere manter-se na superfície, de uma maneira palpável. O nosso herói é apenas um homem comum em busca de trabalho, não um cientista, um médico, jornalista ou militar de alguma base secreta, como acontece na maioria dos casos. E o sujeito é tão confuso com as revelações, em tentar salvar a própria pele e em lutar contra o sistema que simplesmente não tem tempo para perguntas. E Carpenter confia no seu público, sabe que não somos burros e permite-nos ver e descobrir o mistério da mesma forma que os personagens, quando a tela fica em preto e branco e a “realidade” oculta aparece. Na mesma lógica, toda a ideia de como os alienígenas dominaram a Terra, a formação de um movimento de resistência e como eles descobriram toda a conspiração não é nada explicado durante o filme, deixando tudo para o espectador preencher os espaços em branco por conta própria, o que torna o filme ainda mais fascinante.

tumblr_nvppgqMy1Y1slch00o1_540

tumblr_o9wbsraRtR1szlojxo1_1280

Pipper, por mais canastrão que seja é surpreendentemente simpático e convincente no papel de Nada. O personagem foi escrito, na verdade, para o queridinho do Carpenter, Kurt Russell, e até acho que teria sido mais interessante com ele, mas como o velho Carpinteiro já tinha feito filmes demais com o homem, achou melhor trocar de ator… E foi uma boa escolha, na minha opinião. Pipper tem presença física e tem o dom de criar frases de efeitos que não estavam no roteiro, como na sequência mais icônica no filme, a cena do banco, na qual o sujeito entra armado até os dentes e solta a impagável linha:

I have come here to chew bubblegum and kick ass… and I’m all out of bubblegum.

E o que segue a partir daqui é sensacional, com muitos tiros e alienígenas morrendo à sangue frio. Outro momento bizarro é a famigerada luta entre Nada e Frank, na qual o primeiro tenta convencer o outro a colocar os óculos. Dura uma eternidade e é motivo de várias críticas pelo exagero da duração, mas ter Roddy Pipper e não aproveitá-lo com suas habilidades de wrestler é o mesmo que ir no Burger King e não abusar do refil… E Carpenter, apesar dos pitacos e aconselhamentos, resolveu manter a sequência em sua totalidade. Particularmente, acho um espetáculo. E ainda há a cena final, o desfecho, a cereja do bolo, quando tudo se escancara para a raça humana e um alien sendo cavalgado por uma loura de topless solta um impagável “What’s wrong baby?” antes de subirem os créditos finais…

theylive2

ELES VIVEM é essa belezura toda, um filme divertido, com uma veia niilista, política ácida e contundente contra o capitalismo e consumismo americano irracional, mas contada como uma sátira simples, de fácil compreensão e com um senso de humor dos mais inteligentes. E nas mãos do Carpenter não deixa de ser um filme de ação da mais alta qualidade, mesmo com o orçamento relativamente modesto. Um exemplar que serve tanto para uma tarde de domingo acompanhado de pipoca e cerveja quanto um manifesto politico reflexivo e que continua atual.

Sobre a edição da Versátil, vale destacar a qualidade da caixa, com várias maravilhas do gênero, algumas esquecidas e prontinhas para serem redescobertas. Tem PLANETA PROIBIDO, FUGA DO SÉCULO 23, OS MALDITOS, O PLANETA DOS VAMPIROS e A AMEAÇA QUE VEIO DO ESPAÇO. Além de horas de extras. ELES VIVEM possui making off, comentários de vários sujeitos legais e entrevista com John Carpenter… Vale uma conferida.

ATERRORIZADA, aka The Ward (2010)

Não sou de acompanhar fervorosamente todas as novidades e tudo que sai nos cinemas, mas até que este ano consegui assistir a bastante coisas legais, diferente dos últimos anos… Um fato que é importante destacar, na minha opinião, foi o retorno do mestre John Carpenter na direção de longas. Acabei não escrevendo nada sobre THE WARD na época que vi, mas para fechar 2011 com chave de ouro no DEMENTIA 13, o filme escolhido foi justamente este aqui.

O subestimado FANTASMAS DE MARTE, trabalho anterior do velho Carpinteiro, é de 2001 e chegou a passar nos cinemas. Uma pena não termos tido o mesmo privilégio de ver THE WARD na tela grande. Até mesmo lá fora, entrou e saiu do circuito discretamente. Convenhamos, não é nenhuma obra prima, apesar de ser dirigido por um sujeito experiente que já nos brindou com uma porrada de obras maravillhosas. Mas é muito melhor que a grande maioria dos filmes de terror que entram no circuito frequentemente, mas resolveram lançar diretamente em vídeo aqui no Brasil, com o título de ATERRORIZADA.

Amber Heard entra na pele de uma jovem que é trancafiada numa instituição mental após a suspeita de ter causado um determinado incêndio. A trama se passa nos corredores dessa instituição, nos anos 60, onde a protagonista conhece outras garotas internadas e se vê numa situação estranha na qual pacientes desaparecem misteriosamente e elementos sobrenaturais poderiam estar manifestando-se. Ou seria apenas coisas da cabeça da moça?

Lembro que discutindo o filme com amigos na internet, alguém soltou que THE WARD seria uma espécie de A ILHA DO MEDO mesclado a GAROTA INTERROMPIDA. Não lembro se disseram isso de maneira negativa ou positiva, mas pensando bem é uma boa definição. Eu, particularmente, gosto bastante do filme, é um horror divertido de acompanhar, mesmo concordando que seja um trabalho menor do diretor, com soluções equivocadas em vários momentos, alguns caminhos que há quinze anos seria difícil de se ver num filme de John Carpenter. Senti falta das trilhas que o próprio diretor criava para as suas produções. Acho que ajudaria a tornar o filme mais “seu”.

Mas não quer dizer que não tenha ingredientes que fazem lembrar que estamos diante de uma obra do homem. Me pego admirando alguns planos, a maneira como trabalha o suspense, os detalhes dos cenários claustrofóbicos, a forma como constrói a tensão e putz! O velho Carpenter está de volta! Que se danem os sustos e a previsibilidade do roteiro, o clima geral é totalmente old school. Não lembro do Carpenter debruçando sobre o universo feminino como aqui, mas o cuidado com a mulherada é o mesmo que lhe é característico e o elenco corresponde à altura, especialmente Heard que carrega com segurança seu papel.

THE WARD lembra um desses filmes B clássicos de mistério psicológico, disfarçado de terror moderno, mas sem abrir mão de um certo anacronismo. É o tipo de filme que não teria como competir com o terror feito pra moçada do circuito comercial. Carpenter não é para o paladar do público jovem de hoje e, pra ser sincero, isso pra mim pouco importa… assistir em casa ou no cinema, fico satisfeito mesmo é pelo velho Carpenter ter voltado à ação, brincando de horror, mesmo sem o vigor de um THE THING ou ELES VIVEM, porque aí também já seria querer demais depois de quase uma década… mas o sujeito ainda tem estatura para pegar um material besta como este aqui e proporcionar 90 minutos de horror com qualidade.

HALLOWEEN III: SEASON OF THE WITCH (1982), de Tommy Lee Wallace

O assassinato de um sujeito que dera entrada num hospital totalmente fora de si e repetindo sem parar “eles vão nos matar!”, leva um médico e a filha do defunto a iniciarem uma investigação em uma pequena cidade que vive sob as rédeas de Conal Cochran, presidente da Silver Shamrock Corporation, fábrica de máscaras de Halloween. A investigação revela um plano maquiavélico no qual consiste em matar o máximo de crianças possíveis através de um antigo ritual de sacrifício envolvendo um exemplar da Stonehenge roubada e as tais máscaras de Halloween produzidas na fábrica.

E alguém aí provavelmente deve estar se perguntando: onde andará Laurie Strode, o Dr. Loomis e o psicopata Michael Myers enquanto tudo isso acontece?

Bem, se eu não tivesse certas informações também poderia jurar que peguei o filme errado. Poucas coisas em HALLOWEEM III têm relação com a série original, como a famosa e a excelente trilha sonora, por exemplo. O filme também não é um slasher como os anteriores, não há nenhum assassino mascarado atrás de jovens babás ou casais fazendo safadeza em florestas no meio da noite. Está mais para uma ficção científica com elementos de terror, com direito a cientista maluco, planos diabólicos e tudo mais.

Com Myers morto em HALLOWEEN II (ops, era um spoiler isso, esqueci de avisar, foi mal aê), John Carpenter teve a idéia de lançar a cada ano, no período do Halloween, um filme de terror diferente que envolvesse esta data tão popular para os americanos. O primeiro diretor escalado nesta empreitada foi Joe Dante, que, no entanto, acabou se envolvendo em outro projeto. Quem dirigiu este aqui foi um habitual colaborador de Carpenter, um autêntico “faz tudo”, Tommy Lee Wallace.

É óbvio que o público não comprou a idéia! Queriam ver Myers de volta em mais um slasher aterrorizante e não um terror onde máscaras corroem cabeças de crianças (!!!) e que não tivesse absolutamente nada a ver com os filmes anteriores. Portanto, já no filme seguinte os produtores se renderam e em HALLOWEEN 4 Myers retornou do mundo dos mortos (e aparentemente o Dr. Loomis também… ainda não pude ver este).

Mas afinal, qual é o problema com HALLOWEEN III? E eu respondo: absolutamente NENHUM! Trata-se de um filme genial! Temos um enredo interessante, Tom Atkins como protagonista, robôs em forma humana que arrancam cabeças, mortes criativas, boa dose de violência, efeitos especiais de maquiagem desenvolvidos pelo genial Tom Burman, a trilha sonora assinada pelo Carpenter, a única questão é mesmo o fato de carregar no título o nome HALLOWEEN e pertencer a série de alguma maneira. Não fosse esse pequeno detalhe, tenho certeza que teria um pouco mais de reconhecimento. Óbvio que o título não atrapalhe o resultado, mas a repercussão negativa da época parece que obscureceu o filme e hoje é pouco comentado. Mas um dos melhores exemplares do terror oitentista e que merece muito ser visto.

HALLOWEEN II – O PESADELO CONTINUA (Halloween II, 1981), de Rick Rosenthal

Primeiro, uma confissão: da série HALLOWEEN original (e não essa bobagem do Rob Zombie, cujo segundo não me dei nem o trabalho de assistir ainda) os únicos filmes que realmente vi foram os dois primeiros. O do John Carpenter é uma belezura, puta aula de suspense, trabalho atmosférico sensacional, além da utilização magistral de vários elementos que serviram de base para toda uma cadeia de filmes de terror que brotou nos anos 80. Estou sempre revendo. Aliás, toda a obra do velho Carpinteiro deveria ser vista e revista incontáveis vezes…

A continuação de HALLOWEEN, até onde me lembro, foi um dos primeiros filmes de terror que assisti, antes até do que o original. Mas para um pirralho medroso isso não fez diferença alguma, borrei de medo de qualquer forma. Hoje, revendo depois de tanto tempo, continuo achando um bom filme, inferior ao primeiro, mas não deixa de possuir sua força dentro do gênero.

Escrito pelo próprio John Carpenter em parceria com a sua colaboradora, Debra Hill, HALLOWEEN II continua no mesmo ponto onde o primeiro filme termina. Laurie Strode (Jamie Lee Curtis), depois de quase comer capim pela raiz nas mãos do louco varrido Michael Myers, vai parar num hospital praticamente deserto sobre o qual o filme transcorre como seu cenário principal. Enquanto isso, o Dr. Loomis (Donald Pleasence), que descarregou seu 38 em Myers, procura o corpo do sujeito, o qual simplesmente levantou, fugiu e desapareceu. O roteiro ainda aproveita para criar um laço familiar entre Myers e Laurie para botar mais lenha na fogueira.

Logo no início, seguimos os passos de Myers espreitando entre aquelas casinhas americanas sem muros. Essas sequências já apresentam o tom do filme, cheio de câmeras subjetivas e uma lentidão quase poética que faz todo sentido em relação ao seu assassino. Michael Myers é daqueles que nunca correm atrás de suas vítimas, deixando o espectador com os nervos à flor da pele com suas perseguições perturbadoras. Enquanto a criatura desesperada sai quebrando tudo pela frente numa correria desenfreada, Myers segue dando seus passinhos calmamente e, exceto os “mocinhos”, sempre alcança o alvo onde menos se espera.

Uma das melhores cenas de HALLOWEEN II se caracteriza justamente pela situação acima (tirando o desfecho, claro), quando Laurie corre freneticamente pra não ter a carcaça perfurada e tem de esperar o elevador abrir a porta enquanto Myers vem tranquilo em sua direção. Se ele tivesse apertado os passos um pouquinho, teria cortado mais uma garganta para a sua coleção, mas não seria também uma cena magnífica de puro suspense que simboliza a essência de um dos grandes elementos do slasher movie.

Acho que elogiar a direção de Rick Rosenthal é um tanto equivocada. Não sou o mais indicado a falar sobre o assunto, mas li em alguns lugares que após várias discussões e muitas diferenças de opiniões, Carpenter meteu um pé na bunda de seu diretor e assumiu o posto. Não seria surpresa se ele tivesse dirigido a cena do elevador, mas realmente HALLOWEEN II tem muito de John Carpenter. Se foi mesmo o Rosenthal que dirigiu a maioria das cenas, meus sinceros elogios a ele. Fez um ótimo trabalho!

Só sei que em 2002, Rosenthal dirigiu HALLOWEEN: RESURRECTION, cuja cara não é nada promissora…

Jamie Lee Curtis retorna ao papel que praticamente a lançou no cinema, mas fica meio apagada, até porque sua personagem é uma moribunda na cama do hospital em grande parte do filme. Quem se destaca mesmo é o sempre genial Donald Pleasence em performance inspirada e muito participativo.

Em tempos de HALLOWEEN’s de Rob Zombie, SEXTA FEIRA 13, de Marcus Nispel, e outras tralhas pretenciosas que aparecem nos cinemas atualmente, fico com qualquer slasher menor dos anos 80. Agora que revi esta segunda parte da série iniciada pelo Carpenter, vou procurar assistir logo as partes seguintes que ainda não tive o prazer (ou desprazer) de conferir.