INVENTÁRIO EUROCULT – O RETORNO

Há alguns anos, aqui mesmo no blog, resolvi convidar leitores e amigos para participarem da elaboração de um inventário de filmes “cult” europeus. Pedi que me enviassem listas pessoais de filmes favoritos e fui compilando essas relações de dez ou quinze filmes cada, repletas de exemplares essenciais e obscuros desse universo tão extenso e fascinante. Um guia perfeito para qualquer iniciante que desejasse enveredar por essas estranhas paragens do cinema. No total foram quinze listas de convidados especiais e, passados, sei lá, uns três anos, me dei conta agora, graças ao Edu Aguilar (também participou do projeto), que até hoje eu nunca havia publicado a MINHA lista! Como acho que nunca é tarde, estamos aí…

O que eu quero dizer com cinema Eurocult? Nem eu sei responder direito… Mas na época queria contemplar mais filme europeus de gêneros populares “de qualquer qualidade. Do horror ao peplum, do giallo ao Spaghetti Western, das tranqueiras do Bruno Mattei e Andrea Bianchi à elegância de um Mario Bava e Dario Argento”, como disse no primeiro post da série.

A relação que fiz contém 25 filmes e está em ordem cronológica. Decidi por colocar apenas um título por diretor, porque só o Fulci, Argento e Bava já formavam a lista inteira. Resolvi não incluir diretores mais famosinhos (como Fellini, Bergman, Buñuel ou Leone, por exemplo, embora tenham feito cinema de gênero e TRÊS HOMENS EM CONFLITO seja o melhor filme da galáxia). Não se trata realmente de uma lista fechada e absoluta, tem prazo de validade, dependendo do meu humor e das novas descobertas que fazemos todos os dias. Mas hoje ela seria assim:

nov_ercole

O grande Hércules encara uma taruíra gigante no filme de Cottafavi

nancy-and-jan

MALPERTUIS, um filme de belas composições

beyond

THE BEYOND e um dos desfechos mais aterradores do cinema

OS OLHOS SEM ROSTO (Les Yeux sans visage, Fra, Ita, 1960), de Georges Franju
ERCOLE ALLA CONQUISTA DI ATLANTIDE (Ita, Fra, 1961), de Vittorio Cottafavi
THE WHIP AND THE BODY (La frusta e il corpo, Fra, Ita, 1963), de Mario Bava
UMA BALA PARA O GENERAL (Quién sabe?, Itália 1966), de Damiano Damiani
UN ANGELO PER SARTANA (Itália, 1966), de Camillo Mastrocinque
O INCRÍVEL EXÉRCITO DE BRANCALEONE (L’armata Brancaleone, França, Espanha, Itália, 1966), de Mario Monicelli
FACCIA A FACCIA (Itália, Espanha, 1967), de Sergio Sollima
IL GRANDE SILENZIO (França, Itália, 1968), de Sergio Corbucci
SUCCUBUS (Alemanha, 1968), de Jess Franco
MALPERTUIS (Bélgica, França, Alemanha, 1971), de Harry Kumel
MILANO CALIBRO 9 (Itália, 1972), de Fernando Di Leo
TUTTI I COLORI DEL BUIO (Itália, Espanha, 1972), de Sergio Martino
EXPRESSO DO HORROR (Horror Express, Espanha/Inglaterra, 1972)
THRILLER – A CRUEL PICTURE (Suécia, 1973), de Bo Arne Vibenius
LES DÉMONIAQUES (Bélgica, França, 1973), de Jean Rollin
LA CASA DALLE FINESTRE CHE RIDONO (Itália, 1976), de Pupi Avati
EMANUELLE IN AMERICA (Itália, 1977), de Joe D’Amato
INFERNO (Itália, 1980), de Dario Argento
CANNIBAL HOLOCAUST (Itália, 1980), de Ruggero Deodato
NIGHTMARE CITY (Incubo sulla città contaminata, Esp, Ita, 1980), de Umberto Lenzi
THE BEYOND (…E tu vivrai nel terrore! L’aldilà, Itália, 1981), de Lucio Fulci
POSSESSION (Alemanha, França, 1981), de Andrzej Zulawski
ESCAPE FROM THE BRONX (Fuga dal Bronx, Itália, 1983), de Enzo G. Castellari
DEMONS (Itália, 1986), de Lamberto bava
DELLAMORTE DELLAMORE (França, Alemanha, Itália, 1994), de Michele Soavi

Queria ter colocado STARCRASH, do Luigi Cozzi, mas tem dinheiro americano envolvido, então decidi não considerá-lo… E também quis dar preferência a produções de países que não falam inglês, por isso a ausência de filmes da Inglaterra. Mas fica a observação.

Se alguém estiver interessado, segue as outras listas:
#1 #2 #3 #4 #5 #6 #7 #8 #9 #10 #11 #12 #13 #14 #15

E se alguém quiser ainda quiser contribuir com o inventário, é só me enviar sua lista de Eurocult favoritos.

Anúncios

INVENTÁRIO EUROCULT #15

Esta semana temos mais uma lista especial de filmes europeus adicionada ao Inventário Eurocult. Quem nos agraciou desta vez foi o grande parceiro Sergio Andrade, editor do Kino Crazy, um dos primeiros blogs que passei a acompanhar na blogosfera, há quase 10 anos. Sergio também foi contribuidor da Revista Zingu! e manteve por muito tempo o Indicações do Biáfora, que republicava as resenhas dos anos 70 e 80 do famoso crítico Rubem Biáfora. O vasto conhecimento cinematográfico, ecletismo e bom gosto deste grande sujeito reflete na relação de filmes que nos enviou. Portanto, vamos a ela:

Love_Letters_of_a_Portuguese_Nun-500622992-large    affiche2

Sinto-me honrado em participar desse inventário criado pelo Ronald Perrone. Tentei o máximo possível selecionar títulos que ainda não foram citados pelos meus antecessores. Quanto mais opções para os leitores, melhor.

O TIGRE DA ÍNDIA/O SEPULCRO INDIANO (Der Tiger Von Eschnapur/Das Indische Grabmal, Alemanha/França/Itália, 1959).
Dir. Fritz Lang, com Debra Paget, Paul Hubschmid, Walter Reyer.

OS FILHOS DO TROVÃO (Arrivano i Titani, França/Itália, 1962).
Dir. Duccio Tessari, com Giuliano Gemma, Pedro Armendáriz, Antonella Lualdi.

O DIABÓLICO DR. HICHCOCK (L’Orrible Segreto del Dr. Hichcock, Itália, 1962);
Dir. Riccardo Freda, com Barbara Steele, Robert Flemyng, Silvano Tranquilli.

LA FRUSTA E IL CORPO (França/Itália, 1963);
Dir. Mario Bava, com Christopher Lee, Daliah Lavi, Tony Kendall.

BLOW-UP: DEPOIS DAQUELE BEIJO (Blow-up, Itália/Reino Unido/EUA*, 1966); Dir. Michelangelo Antonioni, com David Hemmings, Vanessa Redgrave, Sarah Miles.

Observação: a princípio Blow-Up não poderia estar na lista por ter co-produção americana, mas decidi incluir porque é difícil encontrar um filme com espírito mais europeu que esse!

ARMADILHA DO DESTINO (Cul-de-sac, Reino Unido, 1966);
Dir. Roman Polanski, com Donald Pleasence, Françoise Dorléac, Lionel Stander.

O ESTRANHO CAMINHO DE SÃO TIAGO (La Voie Lactée, França/Itália, 1967);
Dir. Luis Buñuel, com Paul Frankeur, Laurent Terzieff, Michel Piccoli.

A HORA DO LOBO (Vargtimmen, Suécia, 1968);
Dir. Ingmar Bergman, com Max Von Sydow e Liv Ullmann

O VINGADOR SILENCIOSO (Il Grande Silenzio, Itália/França, 1968); Dir. Sergio Corbucci, com Jean-Louis Trintignant, Klaus Kinski, Frank Wolff e Vonetta McGee.

O AÇOUGUEIRO (Le Boucher, França/Itália, 1970);
Dir. Claude Chabrol, com Stéphane Audran e Jean Yanne

UMA LAGARTIXA NUM CORPO DE MULHER (Una Lucertola con la Pelle di Donna, Espanha/França/Itália, 1971).
Dir. Lucio Fulci, com Florinda Bolkan, Stanley Baker, Jean Sorel.

O MÉDICO E A IRMÃ MONSTRO (Dr. Jekyll and Sister Hyde, Reino Unido, 1971);
Dir. Roy Ward Baker, com Ralph Bates, Martine Beswick, Gerald Sim.

A CASA DA NOITE ETERNA (The Legend of Hell House, Reino Unido, 1973);
Dir. John Hough, com Pamela Franklin, Roddy McDowall, Gayle Hunnicutt.

LOVE LETTERS OF A PORTUGUESE NUN (Die Liebesbriefe Einer Portugiesischen Nonne, Alemanha/Suiça, 1977);
Dir. Jess Franco, com Susan Hemingway, William Berger, Herbert Fux.

ARREBATO (Espanha, 1980);
Dir. Iván Zulueta, com Eusebio Poncela, Cecilia Roth, Will More.

OS OLHOS DA CIDADE SÃO MEUS (Angustia, Espanha, 1987);
Dir. Bigas Luna, com Zelda Rubinstein, Michael Lerner, Talia Paul.

dr_jekyll_and_sister_hyde_poster_02

INVENTÁRIO EUROCULT #14

O Daniel Vargas edita o blog Top Bad Dates with De Niro, já é um colaborador oficial por aqui (na verdade, só escreveu este texto, mas vem mais por aí) e enviou uma lista com seus filmes europeus favoritos para ser anexada ao Inventário Eurocult:

derletztemannaff1   Tam gdzie rosna poziomki v

A ÚLTIMA GARGALHADA (Der letzte Mann, Alemanha, 1924);
Dir. F. W. Murnau, com Emil Janning, Maly Delschaft e Max Hiller

Poderia muito bem ser chamado também de “O Último Suspiro” ou “A Morte de um Porteiro”.

M – O VAMPIRO DE DÜSSELDORF (M, Alemanha, 1931);
Dir. Fritz Lang, com Peter Lorre

Em tempos de linchamento público, um clássico mais do que atual.

MORANGOS SILVESTRES (Smultronstället, Suécia, 1957);
Dir. Ingmar Bergman, com Victor Sjöström, Bibi Andersson e Ingrid Thulin

Os eternos fantasmas das decisões da vida que tomamos no passado.

OS INCOMPREENDIDOS (Les quatre cents coups, França, 1959);
Dir. François Truffaut, com Jean-Pierre Léaud

A dor da necessidade de ser notado e amado.

LAWRENCE DA ARÁBIA (Lawrence of Arabia, Reino Unido, 1962);
Dir. David Lean, com Peter O’Toole, Omar Sharif, Alec Guinness e Anthony Quinn

O homem que queria ser o rei de outro mundo.

AGUIRRE: A CÓLERA DOS DEUSES (Aguirre, der Zorn Gottes, Alemanha, 1972);
Dir. Werner Herzog, com Klaus Kinski,

O homem que queria ser o rei do seu PRÓPRIO mundo.

MEANTIME (Reino Unido, 1984);
Dir. Mike Leigh, com Tim Roth, Gary Oldman e Alfred Molina

Classe operária britânica não vai ao paraíso.

A FRATERNIDADE É VERMELHA (Trois couleurs: Rouge, França/Suíça/Polônia, 1994); Dir. Krzysztof Kieslowski, com Irène Jacob e Jean-Louis Trintignant

Um coração solitário também.

A AGENDA (L’emploi du temps, França, 2001);
Dir. Laurent Cantet, com Aurélien Recoing e Karin Viard

Neto de “A Última Gargalhada” e o eterno fantasma da incerteza em pleno século 21.

LILYA 4-EVER (Lilja 4-ever, Suécia/Dinamarca, 2002);
Dir. Lukas Moodysson, com Oksana Akinshina e Artyom Bogucharskiy

O começo até o fim da destruição completa de um ser humano perante nossos olhos impotentes.

11192   600full-meantime-poster

INVENTÁRIO EUROCULT #13

Rafael Medeiros é um sujeito gente boa, aficcionado por Tokusatsu e mantém o blog Cine Tosco. É ele quem enviou a lista com os seus filmes europeus de gênero favoritos para o Inventário Eurocult dessa semana. Uma lista bem curiosa, aliás, com um ou outro título habitual, mas recheado de surpresas que nunca imaginei que veria nessas listas. Viva a diversidade:

6ugL0nkAk9AcraN6ZActTfsuq7G taxidermia_xlgO GABINETE DO DR. CALIGARI (Das Cabinet des Dr. Caligari, Alemanha, 1920);
Dir. Robert Wiene, com Werner Krauss e Conrad Veidt

HAMLET (Reino Unido, 1948);
Dir. Laurence Olivier, com Laurence Olivier, John Laurie e Anthony Quayle

O INCRÍVEL EXÉRCITO DE BRANCALEONE (L’Armata Brancaleone, Itália/França/Espanha, 1966); Dir. Mario Monicelli, com Vittorio Gassaman, Gian Maria Volonté e Barbara Steele

A DUPLA EXPLOSIVA (…altrimenti ci arrabbiamo!, Itália/Espanha, 1974);
Dir. Marcello Fondato, com Terecen Hill, Bud Spencer e Donald Pleasence

O ANTICRISTO (L’anticristo, Itália, 1974);
Dir. Alberto De Martino, com Carla Gravina, Mel Ferrer, Arthur Kennedy e Alida Valli

CANIBAL HOLOCAUSTO (Cannibal Holocaust, Itália, 1980);
Dir.: Ruggero Deodato, com Robert Kerman, Francesca Ciardi e Perry Pirkanen

HELLRAISER: RENASCIDO DO INFERNO (Hellraiser, Reino Unido, 1987);
Dir. Clive Barker, com Andrew Robinson, Claire Higgins, Ashley Laurence e Doug Bradley

A VIDA É BELA (La vita è bella, Itália, 1997)
Dir. Roberto Benigni, com Roberto Benigni e Nicoletta Braschi

[Rec] (Espanha, 2007)
Dir. Jaume Balagueró e Paco Plaz, com Manuela Velasco e Ferran Terranza

TAXIDERMIA (Hungria/Áustria/França, 2006);
Dir. György Pálfi, com Csaba Czene, Gergely Trócsányi e Marc Bischoff

Hellraiser-UK-poster

INVENTÁRIO EUROCULT #12

O Inventário Eurocult foi agraciado novamente com uma lista mais que especial, desta vez do ilustre Eduardo Aguilar. Dizer apenas que o sujeito é um grande conhecedor de cinema de gênero europeu é pouco diante de um currículo que inclui ter trabalhado no cinema da Boca do Lixo, nos gloriosos anos 80, e convivido com gente do calibre de Alfredo Sternheim, Ody Fraga, Antônio Meliande, Jean Garret e principalmente o saudoso Carlão Reichenbach, de quem foi assistente de direção. Entre vários trabalhos, um dos mais curiosos foi de continuista no obscuro e desconhecido THE GUEST, uma co-produção ítalo-brasileira com Carlos Pasini Hansen na direção, Antonio Meliande como dir. de fotografia, e no elenco John Phillip Law e Stella Stevens. O filme narra a vinda do diabo em pessoa (John) ao Brasil para encontrar uma espécie de bíblia do Diabo que levaria o mundo ao caos! Uma raridade que pouca gente viu e só sei da existência porque o próprio Edu me contou. Nem no imdb está listado… Aos caçadores de filmes raros, taí uma missão. Atualmente, Edu é professor de cinema e diretor de curtas metragens, alguns deles inspirados em obras do universo Eurocult:

RABID_DOGS_2D_BD    que-la-bete-meure-affiche_365623_44700

Fiquei muito feliz ao ser convidado pelo Ronald Perrone para participar dessa proposta, sinto muita falta dos tempos em que descobri a saudosa lista de discussão “Canibal Holocausto” que debatia esse tipo de filme, reconheço que apesar de adorar o gênero horror tinha muito preconceito contra os filmes de horror e também os policiais feitos por europeus, a exceção ficava por conta dos faroestes spaghettis, e felizmente acabei me libertando disso! Essa lista é uma mescla dessa libertação que me permitiu admirar nomes como Lucio Fulci e Amando do Ossório e ao mesmo tempo “descobrir” que diretores que sempre admirei como Buñuel e Chabrol flertaram com o cinema de gênero e fizeram filmes incríveis!

O SILÊNCIO (Tystnaden, Suécia, 1963);
Dir. Ingmar Bergman, com Ingrid Thulin, Gunnel Lindblom e Birger Malmsten

UMA BALA PARA O GENERAL (Quién Sabe?, Itália, 1966);
Dir. Damiano Damiani, com Gian Maria Volonté, Klaus Kinski e Lou Castel

OS VIOLENTOS VÃO PARA O INFERNO (Il Mercenario, Itália/Espanha, 1968);
Dir. Sergio Corbucci, com Franco Nero, Jack Palance e Tony Musante

A BESTA DEVE MORRER (Que la bête meure, França/Itália, 1969);
Dir. Claude Chabrol, com Michel Duchaussoy, Caroline Cellier e Jean Yanne

KES (Reino Unido, 1969);
Dir. Ken Loach, com David Bradley e Freddie Fletcher

AND SOON THE DARKNESS (Reino Unido, 1970);
Dir. Robert Fuest, com Pamela Franklin, Michele Dotrice e Sandor Elès

PS: Inicialmente, a escolha do Edu foi O ABOMINÁVEL DR. PHIBES (The Abominable Dr. Phibes, 1971), também do Fuest, mas para nossa surpresa, é uma co-produção americana. Como o filme possui todo o clima do horror britânico, deixo aqui esta observação. É um filme que merece ser visto.

A NOITE DO TERROR CEGO (La noche del terror ciego, Espanha/Portugal, 1972);
Dir. Amando De Ossorio, com Lone Flaming, César Burner e Helen Harp

O HOMEM DE PALHA (The Wicker Man, Reino Unido, 1973)
Dir. Robin Hardy, com Edward Woodward, Christopher Lee, Ingrid Pitt e Britt Ekland

CÃES RAIVOSOS, aka RABID DOGS (Cani Arrabbiati, Itália, 1974);
Dir. Mario Bava, com Riccardo Cucciolla, Don Backy, George Eastman e Lea Lander

O INQUILINO (Le Locataire, França, 1976);
Dir. Roman Polanski, com Roman Polanski, Isabelle Adjani, Melvyn Douglas e Jo Van Fleet

CADÁVERES ILUSTRES (Cadaveri Eccelenti, Itália/França, 1976);
Dir. Francesco Rosi, com Lino Ventura, Fernando Rey e Max Von Sydow

POSSESSÃO (Possession, França/Alemanha, 1981);
Dir. Andrzej Zulawski, com Isabelle Adjani e Sam Neill

O ESTRIPADOR DE NOVA YORK (Lo squartatore di New York, Itália, 1982);
Dir. Lucio Fulci, com Jack Hedley e Almanta Suska

O ELEMENTO DO CRIME (Forbrydelsens Element, Dinamarca, 1984);
Dir. Lars Von Trier, com Michael Elphick, Esmond Knight e Me Me Lai

DELLAMORTE DELLAMORE (Cemetery Man, Itália/França/Alemanha, 1994);
Dir. Michele Soavi, com Huppert Everett e Anna Falchi

Anexo:
A MORTE NESTE JARDIM
(La mort en ce jardin, França/México*, 1956);
Dir. Luis Buñuel, com Simone Signoret e Michel Piccoli

PS: O Edu colocou este na lista por prevalecer o olhar europeu do mestre Luis Buñuel, dos atores principais, por ser falado em francês… Mas por ser uma co-produção mexicana, não poderia entrar no inventário. Vamos manter como um anexo, pois como o projeto serve como uma lista de compras, tenho certeza que se o Eduardo indicou este filme é porque deve ser um ingrediente que não pode faltar.

268750-westerns-the-mercenary-poster

INVENTÁRIO EUROCULT #11

A lista para o Inventário Eurocult de hoje foi uma belíssima contribuição do Matheus Ferraz. Crítico de cinema do site Boca do Inferno e o simples fato de criar um blog para se dedicar ao gênero Nazisploitation demonstram que o sujeito tem bala na agulha e um gosto muito refinado. Além disso, Matheus é romancista e em 2013 lançou seu primeiro livro, Teorema de Mabel, altamente recomendado. Assim como suas escolhas nessa lista, apresentando algumas raridades e recheada com comentários mais que especiais:

last_orgy_of_the_third_reich_poster_01    Decamerone_nero

O CAÇADOR DE BRUXAS (Witchfinder General, Reino Unido, 1968);
Dir. Michael Reeves, com Vincent Price, Ian Ogilvy e Rupert Davies

Vincent Price é o Mal encarnado nesse filme britânico de Michael Reeves, uma das melhores obras cinematográficas a lidar com a Inquisição. Price interpreta Matthew Hopkins, o caçador de bruxas do título, que executa a “tarefa de Deus” com requintes de crueldade. A imagem final é simplesmente devastadora.

EUGENIE
 (Espanha/Alemanha, 1970);
Dir. Jess Franco, com Marie Liljedahl, Maria Rohm, Jack Taylor e Christopher Lee

Meio adaptação, meio homenagem à Filosofia na Alcova do Marquês de Sade, este filme dirigido por Jess Franco (em momento Phillip Kaufman) é para paladares refinadíssimos.

A CONDESSA DRÁCULA (Countess Dracula, Reino Unido, 1971);
Dir. Peter Sasdy, Ingrid Pitt, Nigel Green e Sandor Èles

Ingrid Pitt é celebre como Carmilla, mas para mim ela nunca esteve tão linda e diabólica quanto em A Condessa Drácula, onde interpreta a infame Elizabeth Bathory. Esse filme da Hammer explora o vampirismo de forma original, sem apelar para elementos sobrenaturais, mas fazendo uso de bastante erotismo.

IL DECAMERONE NERO (Itália/França, 1972);
Dir. Piero Varelli, com Beryl Cunningham, Djbril Diop e Line Senghor

Produção decamerótica com diversas histórias envolvendo luxúria e situações picantes no coração da África. Com um elenco totalmente negro (exceto por um único ator), esta é uma das melhores produções que saíram na esteira do Decameron de Pasolini e um raro exemplo de filme passado no continente africano que mantém o clima jovial e divertido, sem abordar assuntos de praxe como miséria e pobreza.

AS CONDENADAS, aka GESTAPO’S LAST ORGY (L’ultima orgia del III Reich, Itália, 1977); Dir. Cesare Canevari, com Adriano Micantoni, Daniela Poggi e Maristella Greco.  

É estranho como um filme ambientado num campo de concentração pode ser ao mesmo tempo tão grotesco e poético. A trilha sonora é arrebatadora e os atores estão ótimos, especialmente Adriano Micattoni e Daniela Poggi, que vivem um bizarro caso de amor em meio a torturas, coprofilia e canibalismo.

O MALDITO (Mosquito der Schänder, Suíça, 1977);
Dir. Marijan David Vajda, com Werner Pochath, Ellen Umlauf e Birgit Zamulo

Obscuro filme suiço em que Werner Pochath interpreta um solitário surdo-mudo que se dedica a invadir necrotérios e mutilar cadáveres. Apesar dos efeitos pobres, O Maldito se beneficia da fantástica interpretação do seu personagem principal e de diversos momentos oníricos raros nesse tipo de filme.

RITRATTO DI BORGHESIA IN NERO (Itália, 1978);
Dir. Tonino Cervi, com Ornella Muti, Senta Berger, Capucine

Jovem vai a Veneza para estudar piano e acaba se tornando o terceiro elemento no romance incestuoso entre seu melhor amigo e a mãe dele. Isso é só o começo das intrigas sexuais da alta burguesia veneziana, que ainda conta com a jovem lasciva interpretada por Ornella Muti. Filme injustamente desconhecido, com um roteiro bem escrito que envereda por caminhos pouco convencionais.

DA CORLEONE A BROOKLYN (Itália, 1979);
Dir. Umberto Lenzi, com Maurizio Merli, Mario Merola e Van Johnson

Se você acha que Bruce Willis suou a camisa ao guiar um homem marcado para morrer por 16 Quadras, imagine o sufoco que Maurizio Merli tem que passar guiar uma testemunha perigosíssima da Sicília até Nova Iorque! Cheio de perigos e reviravoltas, Da Corleone a Brooklyn encontra seu ápice no choque cultural do crime organizado italiano e o crime não tão organizado dos EUA.

O PÁSSARO SANGRENTO
 (Deliria, Italia, 1987);
Dir. Michele Soavi. com David Brandon, Barbara Cupisti e Giovanni Lombardo Radice

Mostrando os ataques de um serial killer a uma companhia de teatro, O Pássaro Sangrento é um slasher arthouse, e pelo menos para mim a obra-prima de Michelle Soavi. A caracterização do assassino é soberba, e os assassinatos deixam qualquer Sexta-Feira 13 no chinelo.

O MONSTRO (Il Mostro, Itália/França, 1994);
Dir. Roberto Begnini, com Roberto Begnini, Michel Blanc e Nicoletta Braschi

Roberto Benigni interpreta um inocente salafrário que, sem saber, está sendo caçado pela polícia, suspeito de ser o assassino cruel que aterroriza a cidade. Comédia de erros perfeita e inescrupulosa, que ganha pontos pela presença da deusa Nicoletta Braschi, esposa de Benigni na vida real.

countess_dracula_ver2

INVENTÁRIO EUROCULT #10

O amigo Pedro Pereira é uma das maiores autoridades que conheço quando o assunto é Spaghetti Western. Basta conferir seu blog, Por um Punhado de Euros, em parceria com Emanuel Neto, para isso ficar evidente. Mas também é um bom apreciador de outros gêneros europeus, filmes de porrada e bagaceiras de toda espécie. Sua admiração por esse tipo de produção pode ser acompanhada no Filmes de Merda, com textos curtos e diretos. Pois é com prazer que desta vez recebemos a lista do Pedro para integrar o Inventário Eurocult, que aceitou o desafio de maneira interessante, com comentários e títulos que farão a cabeça dos fãs do estilo. Confiram:

300px-1226128422_COMMANDOS    Il_Grande_Racket2

A produção cinematográfica europeia das duas décadas anteriores à minha “chegada ao planeta terra”, foram ferozes. Nesses anos as pessoas iam mesmo aos cinemas e devoravam tudo o que aparecia, razão pela qual seria possível que tanto sub-género conseguisse proliferar e gente com qualidade questionável conseguisse chegar à cadeira da realização.

Desses sub-géneros o meu favorito é obviamente o western-spaghetti que colecciono avidamente já há muitos anos e tento dissecar no “Por um punhado de euros”, mas salivo também por um bom poliziotteschi, giallo, macarroni-combat e afins.

Não podia pois excluir-me deste inventário eurocult lançado pelo amigo Ronald Perrone. Tentei obedecer ao limite de dez filmes impondo-me apenas uma condição, esquecer por ora os amados euro-westerns. Contemplai então as minhas propostas:

A NOITE DO TERROR CEGO (La noche del terror ciego, Espanha/Portugal, 1972);
Dir. Amando De Ossorio, com Lone Flaming, César Burner e Helen Harp

No que toca ao cinema de terror europeu, os italianos levaram sempre a melhor, mas esta produção luso-espanhola deu um bigode na concorrência. Cavaleiros templários zumbificados, quem vai querer perder isso?! E por curiosidade, saibam que até o grande Phil Anselmo (vocalista dos Pantera, Down, Superjoint Ritual, etc) é fã deste aqui!

SUMMERTIME KILLER (Un Verano para Matar, Espanha/França/Itália, 1972);
Dir. Antonio Isasi-Isasmendi, com Karl Malden, Christopher Mitchum e Olivia Hussey

Parcialmente filmado em Portugal, este é garantidamente um dos meus filmes de acção favoritos. Admito que as histórias de vingança são um lugar demasiado comum no cinema de género europeu, mas este “Um verão para matar” destaca-se pelo bom ritmo, e claro, pela grande perseguição de homens a cavalo em plena serra de Sintra!

O QUE VOCÊS FIZERAM COM SOLANGE? (Cosa avete fatto a Solange?, Itália/Alemanha 1972); Dir. Massimo Dallamano, com Fabio Testi e Cristina Galbó

Depois de fazer carreira enquanto cinematografo, Massimo Dallamano saltou para a direcção, logrando realizar alguns filmes de belo efeito. Adoro o seu western-spaghetti “Bandidos” mas o seu momento mais alto é este “Que Fizeram a Solange?”. Um dos melhores giallos com que me deparei até à data.

IL GRANDE RACKET (Itália, 1976);
Dir. Enzo G. Castellari, com Fabio Testi, Vincent Gardenia e Orso Maria Guerrini

Se fora fácil replicar o western na Europa, mais fácil seria ainda desenvolver um cinema de acção contemporâneo. Em meados de setenta surgem policiais italianos aos magotes. E tal como no western-spaghetti mais de 50% da produção seria lixo cinematográfico, mas os bons souberam fazer a transição. Caso do maestro Enzo G. Castellari que engendrou este betardo. Imperdível!

ROMA A MANO ARMATA (Itália, 1976);
Dir. Umberto Lenzi, com Maurizio Merli, Arthur Kennedy e Giampiero Albertini

Maurizio Merli não viveu tempo suficiente para atingir o estatuto de estrela que mereceria, mas nos anos em que esteve activo protagonizou alguns dos mais frenéticos policiais italianos. É difícil apontar qual desses o melhor mas este filme aqui parece-me especial por conseguir arranjar um vilão tão caricato que quase consegue esvanecer a importância do valente comissário.

IL BOSS (Itália, 1973);
Dir. Fernando Di Leo, com Henry Silva, Gianni Garko e Richard Conte

Fernando Di Leo realizou na década de setenta alguns dos melhores policiais do cinema europeu. Podia destacar meia-dúzia deles mas escolho este aqui por ser um dos mais violentos. O elenco é encabeçado por Henry Silva que encarna um bandido do piorio e conta ainda com um Gianni Garko num papel de polícia corrupto, muito distante dos papéis de herói galã que o notabilizaram.

CONFISSÕES DE UM COMISSARIO DE POLÍCIA AO PROCURADOR DA REPÚBLICA (Confessione di un commissario di polizia al procuratore della repubblica, Itália, 1971); Dir.: Damiano Damiani, com Franco Nero, Martin Balsam e Marilù Tolo

Poucos terão tido a capacidade de tão bem retractar os longos tentáculos da máfia italiana como o mestre Damiano Damiani. O filme ainda que demasiado pausado para o meu gosto é um indiscutível para os fãs de cinema policial.

COMANDOS (Commandos, Itália/Alemanha, 1968);
Dir. Armando Crispino, com Lee Van Cleef, Jack Kelly e Giampiero Albertini

O macarroni-combat não teve uma vida muito longa nos cinemas europeus, e não fora o lançamento de “Sacanas sem lei”* dificilmente se falaria tanto dele actualmente. Creio que é um género que peca pela falta de credibilidade na recriação do ambiente de terror que uma guerra exige. Mas há excepções e este “Comandos” é um bom exemplo disso. Uma trama pouco usual, encabeçada por um elenco de se lhe tirar o chapéu.

IL DITO NELLA PIAGA (Itália, 1969);
Dir. Tonino Ricci, com George Hilton, Klaus Kinski e Ray Saunders

Há coisas que não tem preço, ver o alemão Klaus Kinski trajado de soldado americano a demolir tanques nazis é uma delas! Sou sincero, não acredito que este filme seja algum dia elevado ao estatuto de filme de culto mas é para mim um daqueles guilty pleasures que todos acabamos um dia por ter de admitir.

ZOMBIE – A VOLTA DOS MORTOS-VIVOS (Zombie a.k.a. Zombi 2, Itália, 1979); Dir. Lucio Fulci, com Tisa Farrow, Richard Johnson e Al Cliver

Este é mais um daqueles caminhos paralelos abertos pelas produtoras italianas, que desesperadamente tentavam encaixar alguns tustos explorando conceitos de filmes estrangeiros bem recebidos pelo grande público. Aqui foi a saga dos mortos-vivos de George Romero a ser roubado mas “Aliens”, “Predador”, “Tubarão”, “Mad Max”, “Warriors” e afins teriam sorte igual.

MPW-38405

 

*No Brasil, SACANAS SEM LEI é o BASTARDOS INGLÓRIOS, do Tarantino.

INVENTÁRIO EUROCULT #9

Hoje temos a lista do Tony Sarkis, do ótimo blog A Sétima Cultura, que nos enviou uma relação dos seus títulos favoritos pra lá de curiosa. Alguns filmes, evidentemente, já são figurinhas carimbadas, mas vários são obscuridades de diretores pouco falados e que valem muito a pena serem descobertos e conhecidos. Uma bela aquisição para o Inventário Eurocult:

3661282124721029Lo_strano_vizio_della_signora_Wardh   nv-00

SOMETHING IS CRAWLING IN THE DARK (Qualcosa striscia nel buio, Itália, 1971)
Dir. Mario Colluci, com Stelvio Rossi, Mia Genberg e Farley Granger

UN BIANCO VESTITO PER MARIALÉ (Itália, 1972);
Dir. Romano Scavollini, com Ida Galli, Ivan Rassimov e Luigi Pistilli

NELLA STRETTA MORSA DELL RAGNO (Itália/França/Alemanha, 1971);
Dir. Antonio Margheriti, com Anthony Franciosa, Michèle Mercier e Klaus Kinski

UMA FACA NA ESCURIDÃO (Lo strano vizio della Signora Wardh, Itália/Espanha, 1971); Dir. Sergio Martino, com George Hilton, Edwige Fenech e Conchita Airoldi

THE PERFUME OF THE LADY IN BLACK (Il profumo della signora in nero, Itália, 1974); Dir. Francesco Barilli, com Mimsy Farmer, Maurizio Bonuglia e Aldo Valletti

NUAS E VIOLENTADAS PELO ASSASSINO (Nude per l’assassino, Itália, 1975);
Dir. Andrea Bianchi, com Edwige Fenech, Nino Castelnuovo e Femi Benussi

PRELÚDIO PARA MATAR (Profondo Rosso, Itália, 1975);
Dir. Dario Argento, com David Hemmings e Daria Nicolodi

SUSPIRIA (Itália, 1977);
Dir.: Dario Argento, com Jessica Harper, Stefania Casini, Flavio Bucci

NERO VENEZIANO (Itália, 1978);
Dir. Ugo Liberatore, com Renato Cestiè, Rena Niehaus e Yorgo Voyagis

BUIO OMEGA (Beyond the Darkness, Itália, 1979);
Dir. Joe D’Amato, com Kieran Canter, Cinzia Monreale e Franca Stoppi

TERROR NAS TREVAS (…E tu vivrai nel terrore! L’aldilà, aka The Beyond, Itália, 1981); Dir. Lucio Fulci, com Katherine MacColl, David Warback, Antoine Saint-John, Veronica Lazar e Al Cliver

DELLAMORTE DELLAMORE (Cemetery Man, Itália/França/Alemanha, 1994);
Dir. Michele Soavi, com Huppert Everett e Anna Falchi

MORTE AO VIVO
(Tesis, Espanha, 1996);
Dir. Alejandro Amenabar, com Ana Torrent, Fele Martínez e Eduardo Noriega

19560_orig

INVENTÁRIO EUROCULT #8

Mais uma lista saindo para o Inventário Eurocult. Desta vez é de um leitor, que atende pelo nome de The Driver e que nos enviou uma seleção de filmes especialíssima, com direito a Skolimowski, Roeg e Verhoeven, três grandes nomes que até então não haviam pintado por aqui. The Driver possui uma página homônima no facebook onde compartilha imagens, videos e links sobre cinema de gênero, especialmente ação, gangster movies, western, cinema badass! Mas pela lista dá pra notar que o sujeito aprecia também um bom exemplar europeu. Clique aqui e curta a página do homem e confira a relação abaixo:

936full-dont-look-now-poster  turkish-delight-movie-poster-1975-1020208954
1. O VINGADOR SILENCIOSO (Il Grande Silenzio, Itália/França, 1968);
Dir. Sergio Corbucci, com Jean-Louis Trintignant, Klaus Kinski e Frank Wolff

2. INVERNO DE SANGUE EM VENEZA (Don’t Look Now, Inglaterra/Italia, 1973);
Dir. Nicolas Roeg, com Donald Sutherland e Julie Christie

3. TRÊS HOMENS EM CONFLITO (The Good, The Bad and The Ugly, Itália/Alemanha/Espanha, 1966);
Dir. Sergio Leone, com Lee Van Cleef, Eli Wallach e Clint Eastwood

4. ATO FINAL (Deep end, Reino Unido, 1970);
Dir. Jerzy Skolimowski, com Jane Asher e John Moulder-Brown

5. LOUCA PAIXÃO (Turks Fruit, Holanda, 1973);
Dir. Paul Verhoeven, com Rutger Hauer e Monique van de Ven

6. SUSPIRIA (Itália, 1977);
Dir.: Dario Argento, com Jessica Harper, Stefania Casini, Flavio Bucci

7. O ESTRIPADOR DE NOVA YORK (Lo squartatore di New York, Itália, 1982);
Dir. Lucio Fulci, com Jack Hedley e Almanta Suska

8. KEOMA (Itália, 1976);
Dir. Enzo G. Castellari, com Franco Nero, William Berger e Olga Karlatos

9. O PÁSSARO SANGRENTO (Deliria, Italia, 1987);
Dir. Michele Soavi. com David Brandon, Barbara Cupisti e Giovanni Lombardo Radice

10. MILANO CALIBRO 9  (Itália, 1972);
Dir. Fernando Di Leo, com Mario Adorf, Gastone Moschin e Barbara Bouchet

+ 1

IL BOSS (Itália, 1973);
Dir. Fernando Di Leo, com Henry Silva, Gianni Garko e Richard Conte

keoma_poster_03

INVENTÁRIO EUROCULT #7

A lista para o Inventário Eurocult de hoje é de outro militante do universo blogueiro. Ailton Monteiro, de Fortaleza, mantém o seu espaço, Diário de um Cinéfilo, atualizado quase diariamente desde 2002! Qualquer pessoa minimamente interessada em cinema tem a obrigação de frequentar o recinto e se deliciar com textos despojados e precisos que estão por lá. O gosto refinado do sujeito pode ser conferido na belíssima lista abaixo, que possui nomes como Fritz Lang, Buñuel, Tarkovsky e outras gratas surpresas:

daughters_of_darkness_poster_01 M

1. O SACRIFÍCIO (Offret, Suécia/Reino Unido/França, 1986);
Dir. Andrei Tarkovsky, com Erland Josephson e Susan Fleetwood

2. AS TRÊS MÁSCARAS DO TERROR (I Tre Volti della Paura a.k.a. Black sabbath, Itália/Inglaterra/França, 1963); Dir. Mario Bava, com Boris Karloff

3. M – O VAMPIRO DE DÜSSELDORF (M, Alemanha, 1931);
Dir. Fritz Lang, com Peter Lorre

4. ESSE OBSCURO OBJETO DO DESEJO (Cet obscur objet du désir, França/Espanha, 1977);
Dir. Luis Buñuel, com Fernando Rey, Carole Bouquet e Ángela Molina

5. TRÊS HOMENS EM CONFLITO (The Good, The Bad and The Ugly, Itália/Alemanha/Espanha, 1966);
Dir. Sergio Leone, com Lee Van Cleef, Eli Wallach e Clint Eastwood

6. A BELA INTRIGANTE (La belle noiseuse, França/Suiça, 1991);
Dir. Jacques Rivette, com Michel Piccoli, Emmanuelle Béart e Jane Birkin

7. ESCRAVAS DO DESEJO (Les lèvres rouges, Bélgica/França/Alemanha 1971);
Dir. Harry Kümel, com Delphine Seyrig e John Karlen

8. OS OLHOS SEM ROSTO (Les Yeux Sans Visage, França/Itália, 1960);
Dir. Georges Franju, com Alida Valli, Pierre Brasseur e Edith Scob

9. A PELE QUE HABITO (La piel que habito, Espanha, 2011);
Dir. Pedro Almodóvar, com Antonio Banderas, Marisa Paredes e Elena Anaya

10. A MANSÃO DO INFERNO (Inferno, Itália, 1980);
Dir. Dario Argento, com Leigh McCloskey, Daria Nicolodi e Alida Valli

aff   coveraha

INVENTÁRIO EUROCULT #6

A lista de hoje é um bocado especial. Estava eu navegando pelos sites e blogs de cinema, lá por 2004 ou 2005, e eis que me deparo com um endereço que me chamou a atenção. Comecei a ler alguns posts, textos de filmes que eu não conhecia e nomes de diretores que nunca tinha ouvido falar, mas tudo aquilo me fascinou de forma instantânea. Era meu primeiro contato com o eurohorror, com Lucio Fulci, Dario Argento, Joe D’Amato, Jess Franco e etc. O blog era o Mondo Paura e o seu autor, Marcelo Carrard, uma das grandes autoridades sobre o assunto. Na mesma época fui conhecendo outros endereços, como o blog do Carlão, do Herax, o extinto Erotikill e vários outros que não existem mais. Mas foi o Mondo Paura que me proporcionou um primeiro impacto, portanto, é com muita honra que hoje publico a lista de favoritos de Marcelo Carrard, que atualmente edita o blog Nudo e Selvaggio.

allthecolorsofthedark-1  hexen-bis-aufs-blut-gequalt-681035l

SUCCUBUS (Necronomicon – Geträumte Sünden, Alemanha, 1968);
Dir. Jess Franco, com Janine Reynaud, Jack Taylor e Howard Vernon

NAKED VIOLENCE (I Ragazzi del Massacro, Itália, 1969);
Dir. Fernando Di Leo, com Pier Paolo Capponi e Nieves Navarro

MARK OF THE DEVIL (Hexen bis aufs Blut gequält, Alemanha, 1970);
Dir. Michael Armstrong, com Herbert Lom e Udo Kier

BAY OF BLOOD (Reazione a Catena, Itália, 1971);
Dir. Mario Bava, com Claudine Auger e Luigi Pistilli

ALL THE COLORS OF THE DARK (Tutti i colori del buio, Itália/Espanha, 1972);
Dir. Sergio Martino, com George Hilton e Edwige Fenech

O ESPÍRITO DA COLMEIA (El Espíritu de la Colmena, Espanha, 1973);
Dir. Victor Erice, com Ana Torrent, Fernando Fernán Gómez e Teresa Gimpera

AUTOPSY (Macchie Solari, Itália, 1975);
Dir. Armando Crispino, com Mimsy Farmer e Ray Lovelock

LA BÊTE (França, 1975);
Dir. Walerian Borowczyk, com Sirpa Lane, Lisbeth Hummel e Elisabeth Kaza

DEMÊNCIA SINISTRA (Schizo, Reino Unido, 1976);
Dir. Pete Walker, com Lynne Frederick, John Leyton e Stephanie Beacham

LA RAGAZZA DEL VAGONE LETTO (Itália, 1979);
Dir. Ferdinando Baldi, com Zora Kerova, Silvia Dionisio e Werner Pochath

ZOMBIE – A VOLTA DOS MORTOS-VIVOS (Zombie a.k.a. Zombi 2, Itália, 1979); Dir. Lucio Fulci, com Tisa Farrow, Richard Johnson e Al Cliver

ANTROPOPHAGUS (aka The Grim Reaper, Itália, 1980);
Dir. Joe D’Amato, com Tisa Farrow e George Eastman

CANIBAL HOLOCAUSTO (Cannibal Holocaust, Itália, 1980);
Dir.: Ruggero Deodato, com Robert Kerman, Francesca Ciardi e Perry Pirkanen

TENEBRE (aka Trevas, Itália, 1982);
Dir. Dario Argento, com Anthony Franciosa, John Saxon e Giuliano Gemma

A CATEDRAL (La Chiesa, Itália, 1989);
Dir. Michele Soavi, com Tomas Arana, Hugh Quarshie e Asia Argento

tenebre-1980-movie-poster1    antropophagus_poster_01

INVENTÁRIO EUROCULT #5

Historiador, pesquisador de cinema de gênero, e o maior fã de Charles Bronson que se tem notícia, Leandro Caraça é um velho conhecido daqueles que já vêm, há tempos, frequentando o universo dos blogs de cinema. Quem não se lembra do saudoso Viver e Morrer no Cinema, o blog onde compartilhava diariamente sua paixão pela sétima arte? Atualmente, é possível encontrar alguns de seus escritos na Revista Interlúdio. Mas é muito pouco. E esta lista especialíssima que ele nos enviou com os seus vinte Eurocults favoritos serve não apenas para abrilhantar o inventário, mas também reforça o clamor de todos para um retorno ao mundo dos blogues!

141091  blue-movie

E DEUS CRIOU A MULHER (Et Dieu… créa la femme, França/Itália, 1956);
Dir. Roger Vadim, com Brigitte Bardot, Curd Jürgens e Jean-Louis Trintignant

Enquanto os jovens turcos preparavam a revolução, Roger Vadim saiu na frente oferecendo Brigitte Bardot ao mundo.

OS OLHOS SEM ROSTO (Les Yeux Sans Visage, França/Itália, 1960);
Dir. Georges Franju, com Alida Valli, Pierre Brasseur e Edith Scob

A França adere ao cinema de horror moderno, com o exemplar mais lírico do gênero.

O ANO PASSADO EM MARIEMBAD (L’année dernière à Marienbad, França/Itália, 1961); Dir. Alain Resnais, com Delphine Seyrig, Giorgio Albertazzi e Sacha Pitoeff

O delirante labirinto de Resnais e Grillet. Simétrico e perfeito.

MACISTE CONTRO IL VAMPIRO (Itália, 1961);
Dir. Sergio Corbucci e Giacomo Gentilomo, com Gordon Scott e Leonora Ruffo

Um dos melhores exemplares de peplum, muito mais do que apenas um cara marombado passeando de tanga na tela.

MONDO CANE (Itália, 1962);
Dir. Paolo Cavara, Gualtiero Jacopetti e Franco Prosperi

O mundo como ele é, aqui e agora. Porca miséria!!!

ALPHAVILLE (Alphaville, une étrange aventure de Lemmy Caution, França/Itália, 1965); Dir. Jean-Luc Godard, com Eddie Constantine, Anna Karina, Akim Tamirof e Howard Vernon

Lemmy Caution perdido no mundo tecnológico e sem paixão de Godard.

LA NUIT LA PLUS LONGUE (aka L’enfer dans la peau, França, 1965);
Dir. José Bénazéraf, com Willy Braque, Yves Duffaut e Annie Josse

Um sequestro, uma antológica dança lésbica, Chet Baker, rebeldia. Isso é Bénazéraf.

A HORA DO LOBO (Vargtimmen, Suécia, 1968);
Dir. Ingmar Bergman, com Max Von Sydow e Liv Ullmann

A hora em que os lobos preferem uivar, as crianças preferem nascer e os insanos acordam e não conseguem mais dormir.

SUCCUBUS (Necronomicon – Geträumte Sünden, Alemanha, 1968);
Dir. Jess Franco, com Janine Reynaud, Jack Taylor e Howard Vernon

Os fetiches e obsessões de Franco agora estão livres de amarras. A partir desse ponto, é free jazz total.

OS DEMÔNIOS (The Devils, Inglaterra, 1971);
Dir. Ken Russel, com Vanessa Redgrave e Oliver Reed

Amai-vos uns sobre os outros como eu vos amei.

LE FRISSON DES VAMPIRES (França, 1971);
Dir. Jean Rollin, com Sandra Julien eJuan-Marie Durand

Vampiras frenéticas dentro de um castelo, dentro de um sonho de Jean Rollin.

CONTOS IMORAIS (Contes Immoraux, França, 1974);
Dir. Walerian Borowczyk, com Fabrice Luchini, Lise Danvers e Charlotte Alexandra

Erotismo ou pornografia ? Arte ou putaria. A dica de Borowczyk é relaxar e gozar.

O FANTASMA DA LIBERDADE (Le fantôme de la liberté, Itália/França, 1974);
Dir. Luis Buñuel, com Jean-Claude Brialy, Michel Piccoli, Adolfo Celi e Monica Vitti

A liberdade, a subversão, a arbitrariedade. Molecagens de um velho surrealista.

AS FILHAS DE DRÁCULA (Vampyres, Inglaterra, 1974);
Dir. José Ramón Larraz, com Marianne Morris e Anulka Dziubinska

Venha passar uma noite ao lado de Anulka e Marianne Morris.

GLISSEMENTS PROGRESSIFS DU PLAISIR (França, 1974);
Dir. Alain Robbe-Grillet, com Anicée Alvina, Olga Georges-Picot e Michael Lonsdale

Sucessivas demonstrações de dor e prazer.

LISA E O DIABO (Lisa e il diavolo, Itália/Alemanha/Espanha, 1973);
Dir. Mario Bava, com Telly Savalas, Elke Sommers, Sylvia Koscina e Alida Valli

Mario Bava é o demiurgo. E o pirulito é do Telly Savallas.

LE SEXE QUI PARLE (Pussy Talk, França, 1975);
Dir. Claude Mulot, com Penélope Lamour, Béatrice Harnois e Sylvia Bourdon

A buceta que fala. Cinema XXX francês no seu ápice.

BLUE MOVIE (Itália, 1978); Dir. Alberto Cavallone, com Danielle Dugas e Claude Maran

Cavallone jogando tudo para o alto e mandando público e crítica se foderem.

POSSESSÃO (Possession, França/Alemanha, 1981);
Dir. Andrzej Zulawski, com Isabelle Adjani e Sam Neill

Isabelle Adjani. Duplos. Aberrações gosmentas. Zulawski no divã, falando sobre o seu divórcio.

TERROR NAS TREVAS (…E tu vivrai nel terrore! L’aldilà, aka The Beyond, Itália, 1981); Dir. Lucio Fulci, com Katherine MacColl, David Warback, Antoine Saint-John, Veronica Lazar e Al Cliver

O fim do mundo de acordo com Fulci. E além…

possession   vampyres_1974_poster_01.preview

INVENTÁRIO EUROCULT #4

Quando recebemos uma lista para ser adicionada ao Invetário Eurocult de um sujeito que escreveu uma tese de doutorado chamada Era Uma Vez no Spaghetti Western: Estilo e Narrativa na Obra de Sergio Leone, é porque a coisa tá ficando séria. Rodrigo Carreiro é do Recife, especialista em SW, editor do Cine Repórter e professor da UFPE. Sua relação de filmes demonstra como o universo eurocult é abrangente, trazendo títulos totalmente válidos de diretores consagrados do calibre de Jules Dassin, Sergio Leone, Claude Chabrol, Victor Erice e Ingmar Bergman. Enjoy!

il grande silenzio    good_the_bad__the_ugly_1967_french

RIFIFI (Du Rififi chez les Hommes, França, 1955);
Dir. Jules Dassin, com Jean Servais, Carl Möhner e Robert Manuel

OS OLHOS SEM ROSTO (Les Yeux Sans Visage, França/Itália, 1960);
Dir. Georges Franju, com Alida Valli, Pierre Brasseur e Edith Scob

TRÊS HOMENS EM CONFLITO (The Good, The Bad and The Ugly, Itália/Alemanha/Espanha, 1966);
Dir. Sergio Leone, com Lee Van Cleef, Eli Wallach e Clint Eastwood

KILL, BABY… KILL! (Operazione Paura, Itália, 1966);
Dir. Mario Bava, com Giacomo Rossi-Stuard, Erika Blanc e Fabienne Dali

O SAMURAI (Le Samourai, França/Itália, 1967);
Dir. Jean Pierre Melville, com Alain Delon

O VINGADOR SILENCIOSO (Il Grande Silenzio, Itália/França, 1968);
Dir. Sergio Corbucci, com Jean-Louis Trintignant, Klaus Kinski e Frank Wolff

O AÇOUGUEIRO (Le Boucher, França/Itália, 1970);
Dir. Claude Chabrol, com Stéphane Audran e Jean Yanne

O ESPÍRITO DA COLMEIA (El Espíritu de la Colmena, Espanha, 1973);
Dir. Victor Erice, com Ana Torrent, Fernando Fernán Gómez e Teresa Gimpera

PRELÚDIO PARA MATAR (Profondo Rosso, Itália, 1975);
Dir. Dario Argento, com David Hemmings e Daria Nicolodi

DA VIDA DAS MARIONETES (Aus dem Leben der Marionetten, Suécia/Alemanha, 1980); Dir. Ingmar Bergman, com Robert Atzon e Christine Buchegger

large_ya8i8DPF6lsNtdYFVqgD1Y90kWV  Aus dem Leben der Marionetten (1980)

INVENTÁRIO EUROCULT #3

Como tem brotado muita lista na horta do Dementia¹³, vamos postar mais uma para enriquecer o Inventário Eurocult. A relação de filmes de hoje vem do sul do Brasil, de um dos sujeitos mais gente fina que eu conheço nesse universo blogueiro. Ainda vou descer nessa região só para conhecer pessoalmente e tomar umas com o Paulo “Blob” Teixeira. Dono de um gosto cinematográfico peculiar, que era explorado num dos melhores blogs de gênero em língua portuguesa, o Blog do Blob, sua lista contribui extremamente para o inventário pelos seus títulos, comentários especialíssimos e por levar em consideração as listas anteriores.

Quien_puede_matar_a_un_nino-476825830-large torso_xlgPrimeiramente devo agradecer ao Ronald Perrone pela honra de participar desse inventário. Embora o Eurocult/Eurotrash seja bem amplo, resolvi colocar uma limitação para mim, após ler as maravilhosas listas anteriores do Osvaldo Neto e do Leopoldo Tauffenbach, conclui que muitos dos filmes citados pelos meus queridos amigos acabariam também respingando na minha lista, mas como citei acima, o terreno é amplo, então decidi não repetir nenhum título que teria sido citado anteriormente, por mais que eu goste, em contrapartida colocarei outros que tem lugar seguro no meu coração, e que suponho também tenha lugar no coração dos amantes do cinema de gênero do Velho Continente.
Assim como os ilustres companheiros, também mandei mais de 10, são 15 ao todo, e ficou uma porrada de fora (cadê o Jesus franco, por exemplo?). Quem sabe fica para uma outra hora, né?

1. TORSO (I Corpi Presentano Tracce di Violenza Carnale, Itália, 1973);
Dir. Sergio Martino, com Suzy Kendall e Luc Merenda

O giallo em sua essência mais pura e brutal! A simplicidade é seu maior trunfo. Um assassino mascarado sai matando universitárias, anos antes de Michael Myers e Jason Vorhess transformar isso em modinha. Se você nunca viu um dos filmes “amarelos” italianos, recomendo que comece por esse. Um exercício de violência e tensão.

2. ZOMBIE – A VOLTA DOS MORTOS-VIVOS (Zombie a.k.a. Zombi 2, Itália, 1979); Dir. Lucio Fulci, com Tisa Farrow, Richard Johnson e Al Cliver

O meu filme preferido de zumbis! Fulci com sua criatividade e fúria a todo vapor, depois desse sua própria filmografia nunca mais foi a mesma.

3. VAMOS A MATAR, COMPAÑEROS (Itália/Alemanha/Espanha, 1970)
Dir. Sergio Corbucci, com Franco Nero, Tomas Milian e Jack Palance

Esse clássico do spaghetti western é um dos meus filmes favoritos. Ação, humor e política em doses cavalares. O que dizer da dupla Franco Nero e Tomas Milian? E o vilão bizarro de Jack Palance? Tudo emoldurado pela inesquecível trilha do mestre Enio Morricone. Antológico demais.

4. O DIA DA BESTA (El Día de la Bestia, Espanha, 1995)
Dir. Álex de la Iglesia, com Álex Angulo, Armando de Razza e Santiago Segura

Um dos meus filmes preferidos. A história do padre que vai tentar impedir o nascimento do anticristo no natal de 1995 em Madrid, com a ajuda de um headbanger e um apresentador de televisão de programas sensacionalistas sobre ocultismo mostra o diretor de la Iglesia no auge da forma: misturando humor negro, horror, critica social e personagens bizarros ele satiriza tudo e todos: cristãos, satanistas, metaleiros, extrema direita. Sem sobrar pedra sobre pedra. Olé!

5. PHENOMENA (Itália/Inglaterra/Alemanha/Suiça/Dinamarca, 1985)
Dir. Dario Argento, com Jennifer Connelly, Daria Nicolodi e Donald Pleasence

O filme síntese da carreira do Argento e sua penúltima obra-prima (depois ele faria Opera em 1987, para perder o rumo). Elementos sobrenaturais, de giallo, cenas de assassinato, trilha mesclando Iron Maiden, Motörhead, entre outros, junto com o Goblin, Jennifer Connelly estrelando, Donald Pleasence, cenas inesquecíveis como a piscina de vermes. São tantas coisas legais aqui, simplesmente demais!

6. AS TRÊS MÁSCARAS DO TERROR (I Tre Volti della Paura a.k.a. Black sabbath, Itália/Inglaterra/França, 1963); Dir. Mario Bava, com Boris Karloff

O Mestre Bava nos presenteia com três belos contos, dando uma síntese no cinema de horror italiano e uma aula de cores e climas. Destaque para a segunda, e melhor história, com o Boris Karloff como um patriarca de uma família de camponeses que vira vampiro. Simplesmente sublime.

7. ¿QUIÉN PUEDE MATAR A UN NIÑO? (Espanha, 1976)
Dir. Narciso Ibañez Serrador, com Lewis Fiander e Prunella Ransome

Não tem para ninguém, do filão de crianças sinistras e assassinas, dos quais podemos citar “A Cidade dos Amaldiçoados” e “A Colheita Maldita” como exemplos, nenhum deles é mais perturbador que essa obra, realizado por um uruguaio radicado na Espanha chamado Narciso Ibañez Serrador. A abertura do filme é antológica: um mini-documentário em preto-ebranco mostrando vários conflitos ao redor do mundo, dando ênfase na mortalidade infantil. O filme ganha cores, mostrando o cadáver de um adulto boiando no litoral espanhol. Os protagonistas são um casal de férias (ela grávida), que vão parar num a ilha aparentemente abandonada, mas descobrem estar tomada de crianças que insistem em matar todos os adultos. A boa direção do elenco infantil fará você gelar com esses moleques de semblantes diabólicos. Tensão em estado bruto. Essencial.

8- NEKROMANTIK (Alemanha, 1988); Dir. Jörg Buttgereit, com Beatrice M.

Este e a sua continuação em 1991, são as obras definitivas sobre necrofilia. A história do casal que leva um cadáver para casa, e inclui ele em seus joguinhos sexuais, foi banido em boa parte do globo, “Nekromantik” é daquelas obras de arte extremas que vai te desperta fascínio e repulsa ao mesmo tempo.

9. ANGST (Áustria, 1983); Dir. Gerald Kargl, com Erwin Leder

É da Áustria que vem um dos mais perturbados/perturbadores retratos sobre um serial-killer. O filme mostra um homem (Erwin Leder) siando da prisão após cumprir pena de dez anos por um assassinato que cometeu. Sem perspectivas, ou como se diz, sem eira nem beira, ele resolve morar numa casa que encontra, o problema são as moradoras da residência que ele terá que matá-las, uma jovem e sua mãe cadeirante. Desde a cena de abertura, que mostra a panorâmica de uma cidade austríaca, com seus telhados, ao som de uma goteira, dá para sacar que estamos diante de uma obra diferente e sem concessões. Um filme barra-pesada.

10. LA ROSE DE FER (França, 1973);
Dir. Jean Rollin, com Françoise Pascal, Hugues Quester e Natalie Perrey

Um casal, um cemitério, meia dúzia de figurantes e pronto! É o que basta para o mestre Rollin criar pura poesia. Essa obra minimalista é a minha preferida do Mestre francês. Aqui segue aquela máxima que os amantes do punk rock sabem faz tempo: a de que, às vezes, menos é mais.

11. AS FILHAS DE DRÁCULA (Vampyres, Inglaterra, 1974)
Dir. José Ramón Larraz, com Marianni Morris e Anulka Dziubinska

O espanhol Larraz rodou na Inglaterra um dos mais absurdos e tesudos filmes sobre vampiras. Duas belas vampiras, que insistem em ficar nuas, ficam rodando por aí fazendo vitimas, precisa de mais alguma coisa? As cenas de ataque das duas se destacam pela não economia no sangue e pelo frenesi da dupla, pontos para a Marianne Morris e a Anulka Dziubinska.

12. LA NOTTE DEI DIAVOLI (Itália/Espanha, 1972)
Dir. Giorgio Ferroni, com Gianni Garko, Agostina Belli e Roberto Maldera

Ferroni, mais conhecido pelo “Dólar Furado”, realizou apenas dois filmes de terror em toda a sua carreira: “Il Mulino delle Donne di Pietra” (1960) e este “La Notte dei Diavoli”. Segunda adaptação do conto “A Familia do Wurdulak” de Aleksei Tolstoy (a primeira versão foi justamente o segmento “I Wurdulak” de “As Três Mascaras do Terror” do Bava). Gianni Garko é o estranho misterioso que para em um hospício e através de flashbacks descobrimos o contato dele com uma família que foi atacada pelo mal do vampirismo. A transposição da história para a era contemporânea não perdeu em nada a atmosfera gótica do conto original. A única coisa a se lamentar é o fato do diretor não ter investido mais em filmes de terror.

13. VIY (União Soviética, 1967); Dir. Konstantin Yershov, Georgy kropachyov e Alexander Ptushko, com Leonid Kuravlyov, Natalya Varley e Aleksey Glazyrin

Considerado o primeiro filme de terror da então União Soviética, foi inspirado no conto “Viy” de Nikolai Gogol, que serviu de base também para Mario Bava criar seu clássico “La maschera del demônio” (1961). Aqui um jovem padre fanfarrão (Leonid Kuravlyov) se vê em maus lençóis quando terá que velar por três noites o cadáver de uma jovem moça, filha de um rico fazendeiro local, na verdade a garota é uma bruxa que convocará todas as forças do inferno para atormentar o pobre religioso. Um filme que ainda tem seu encanto e seu charme.

14. THE NIGHT THAT EVELYN LEFT THE TOMB (La notte che Evelyn uscì dalla tomba, Itália, 1971); Dir. Emilio Miraglia, com Anthony Steffen, Giacomo Rossi-Stuart e Erika Blanc

O italiano Miraglia é famoso por brindar o mundo com dois belos gialli embebedidos em elementos de terror gótico, não a toa gosto de brincar dizendo que são “gialli à moda Scooby-Doo” que são “La Dama Rossa Uccide Sette Volte” de 1972, e esse “La dama rossa uccide sette volte” realizado um ano antes. Aqui temos o galã ítalo-brasileiro Anthony Steffen como um nobre atormentado pala morte da esposa Evelyn, como passatempo ele captura prostitutas ruivas aonde leva para seu castelo e as tortura e mata, numa reviravolta que só poderia acontecer no cinema de gênero carcamano, logo nosso protagonista psicótico vira o herói da historia quando acaba sendo atormentado pelo fantasma da falecida e suspeito de outros crimes. Realmente instigante.

15. MATADOR IMPLACÁVEL (L’Assassino è Costretto ad Uccidere Ancora a.k.a. The killer Must Kill Again, Itália/França 1975); Dir. Luigi Cozzi, com George Hilton e Antoine Saint-John

Meu filme predileto do Cozzi! Aqui ele foge da fórmula tradicional do giallo, entregando os vilões ao público de cara, preferindo um jogo de gato e rato Hitchcockniano. George Hilton é um playboy cafajeste que, para se livrar da esposa e ficar com a herança, contrata um assassino mal encarado (Antoine Saint-John). O assassinato é cometido, mas o s problemas começam quando um casal de hippies rouba o carro do assassino, com o cadáver da mulher no porta-malas, para ir até o litoral. Inicia-se uma caçada ao casal de ladrões, que desconhecem a bagagem que levam. Suspense e ironia de primeira.

i-tre-volti-della-paura-126545l

INVENTÁRIO EUROCULT #2

A segunda lista incluída no Inventário é de Leopoldo Tauffenbach. Artista, professor, organizador de mostras, um emplogado pesquisador de cinema extremo e um grande amigo. Quando lhe dá na telha, atualiza o blog Cine Demência. O sujeito mandou uma lista de respeito, com alguns títulos fundamentais em qualquer prospecção do gênero e outros mais obscuros que valem muito a pena conhecer, com direito a comentários para cada exemplar. Com a palavra, Leopoldo:

escalofrio-poster  franju

Listas são extremamente divertidas justamente por seu suposto maior defeito: a exclusão. Seja criando listas ou contemplando as alheias, sempre me pego ansioso por saber quem seriam os contemplados dentro de um vastíssimo universo como é o do cinema. Suas imposições, na verdade, acabam se tornando estimulantes desafios ao pedir por um recorte, uma olhar mais concentrado. Listas, são justas e injustas, ao mesmo tempo, por sua própria natureza.

O desafio aqui era listar produções europeias. As orientações eram bem amplas, é verdade, por isso resolvi criar imposições adicionais. Em primeiro lugar, resolvi listar somente filmes de gênero ou que flertassem de algum modo esse cinema. Também impus a condição de listar somente um filme por diretor. Clássicos consagrados pela humanidade estariam de fora, porque se o objetivo inicial do editor deste blog era criar um guia para iniciantes, não haveria necessidade de propagandear mais uma vez Godard, Pasolini, Truffault, Visconti, Rosselini etc. Também tentei contemplar ao menos um gênero diferente em cada filme, mas neste caso falhei miseravelmente. Assim, o horror acabou predominando e nenhum faroeste conseguiu entrar na lista. Por último, nem 10 nem 20, mas ultrapassei o limite sugerido em 5 filmes. Reforçando o óbvio, é uma lista excludente como toda lista é, mas levando em consideração que se tratam de filmes minimamente excelentes, em minha modesta e nada absoluta opinião (do contrário não teria me lançado neste desafio) creio que pode servir para abrir portas ao iniciado que ousar se aventurar pelo percurso que aqui sugiro. Neste caso… good luck, and God help us all.

VAMPYROS LESBOS (Alemanha/Espanha, 1971);
Dir.: Jesus Franco, com Soledad Miranda, Ewa Stromberg e Dennis Price

A melhor combinação de horror e cinema erótico, amparada pela presença da deslumbrante Soledad Miranda, e embalada pelo experimentalismo jazzístico (que se manifesta na trilha sonora) do mestre dos mestres, Jesus Franco.

PERIGO: DIABOLIK (Diabolik, Itália/França, 1968);
Dir. Mario Bava, com John Philip Law, Marisa Mell, Michel Piccoli e Adolfo Celi

Embora Mario Bava seja conhecido justamente pelos visionários filmes de horror, foi capaz de criar uma das mais deliciosas adaptações de quadrinhos de todos os tempos. Um dos raros casos onde é impossível não se apaixonar e torcer pelos vilões do filme.

CANIBAL HOLOCAUSTO (Cannibal Holocaust, Itália, 1980);
Dir.: Ruggero Deodato, com Robert Kerman, Francesca Ciardi e Perry Pirkanen

“A mãe de todos os filmes de canibal”, alardeava a publicidade desta obra fundamental. E até hoje assim se mantém: impávido, como uma das obras cinematográficas mais chocantes realizadas.

LÁBIOS DE SANGUE (Lèvres de sang, França, 1975);
Dir.: Jean Rollin, com Jean-Loup Philippe, Annie Belle e Natalie Perrey

Conheci o poeta Jean Rollin por Carlos Reichenbach. Foi amor à primeira vista. Nunca antes os vampiros atingiram um patamar tão sublime no cinema. Lábios de Sangue é pura poesia filmada; versos em celuloide.

EMANUELLE NA AMÉRICA (Emanuelle in America, Itália, 1977);
Dir.: Joe D’Amato, com Laura Gemser, Gabriele Tinti e Roger Browne.

Joe D’Amato passeou por todos os gêneros, mas é com a personagem Emanuelle que nota-se que o diretor fica mais à vontade. Poucos saberiam criar um exploitation com tanta categoria ao incluir zoofilia, sexo explícito e violência extrema no mesmo pacote. E mesmo assim costurar tudo com a leveza evocada por Laura Gemser. Somente para os bravos.

A NOITE DO TERROR CEGO (La noche del terror ciego, Espanha/Portugal, 1972);
Dir. Amando De Ossorio, com Lone Flaming, César Burner e Helen Harp

Que me perdoem os zumbis de George Romero, mas foram os mortos sem olhos de Amando de Ossorio os únicos a me darem calafrios.

THRILLER: A CRUEL PICTURE (Thriller – en grym film, Suécia, 1973);
Dir.: Bo Arne Vibenius, com Christina Lindberg, Heinz Hopf e Despina Tomazani

Uma pequena obra-prima do exploitation e que se tornou a referência do rape-revenge. Christina Lindberg mostra que usando apenas um olho pode criar uma das personagens icônicas da história do cinema. E, ainda que muita gente critique, as sequências em slow motion são um espetáculo à parte.

SUSPIRIA (Itália, 1977);
Dir.: Dario Argento, com Jessica Harper, Stefania Casini, Flavio Bucci

Dario Argento não é só um dos maiores mestres do cinema italiano, mas do mundo. E Suspiria é para mim a obra que sintetiza tudo o que há de melhor em seus filmes: cenários magníficos, suspense eficiente e um conto de horror que retoma o melhor clima gótico em uma roupagem contemporânea.

PELO AMOR OU PELA MORTE (Dellamorte Dellamore, Itália/França/Alemanha, 1994); Dir. Michele Soavi, com Huppert Everett e Anna Falchi

Uma obra-prima e sensível do cinema fantástico.

CONFISSÕES DE UM COMISSARIO DE POLÍCIA AO PROCURADOR DA REPÚBLICA (Confessione di un commissario di polizia al procuratore della repubblica, Itália, 1971); Dir.: Damiano Damiani, com Franco Nero, Martin Balsam e Marilù Tolo

Um filme policial que consegue, graças ao indubitável talento de Damiano Damiani, ser mais violento que seus pares apresentando pouquíssimas cenas de tiroteio e perseguição.

ESCALOFRÍO (Espanha, 1978);
Dir.: Carlos Puerto, com Ángel Aranda, Sandra Alberti, Mariana Karr

Outro exemplar do cinema espanhol, confirmando a total capacidade deste povo em realizar obras absolutamente perturbadoras, desta vez em uma mistura de magia negra e erotismo.

GRADIVA (C’est Gradiva qui Vous Appele, França/Bélgica, 2006)
Dir.: Alain Robbe-Grillet, com James Wilby, Arielle Dombasle e Dany Verissimo-Petit

O veterano Alain Robbe-Grillet entrega nada menos que uma aula de cinema no último longa-metragem de sua vida, ao contar a história de um historiador da arte que se envolve em um estranho mundo de sadomasoquismo.

MALADOLESCENZA (Alemanha/Itália, 1977)
Dir.: Pier Giuseppe Murgia, com Lara Wendel, Eva Ionesco e Martin Loeb

Um dos filmes mais incômodos e perturbadores produzidos na Europa (e no mundo). Embora os críticos chamem muito mais a atenção para as cenas de nudez e sexo simulado entre pré-adolescentes (uma delas filha da famosa fotógrafa Irina Ionesco) é um dos mais brutais retratos já feitos da psique infantil. Sempre me imagino o que Freud acharia desse filme.

SCHRAMM (Alemanha, 1996)
Dir.: Jörg Buttgereit, com Florian Koerner von Gustorf e Monika M.

Jörg Buttgereit é um diretor de poucos filmes, mas que nunca decepcionou. E não é diferente ao contar a história do taxista psicopata Schramm. O diretor consegue entregar uma obra fria e incômoda, definitivamente não indicada para pessoas sensíveis.

NOITES VERMELHAS (Nuits rouges, França/Itália, 1974)
Dir.: Georges Franju, com Gayle Hunnicutt, Jacques Champreux, Josephine Chaplin

Um dos filmes mais deliciosos saídos da França e da mente do mestre do fantástico, Georges Franju. Um conto de mistério e suspense onde um gênio do crime tenta, a todo custo, encontrar um tesouro perdido ao mesmo tempo que despista a polícia.

affiche-Levres-de-sang-1974-1  vampyros-lesbos 1971 poster

INVENTÁRIO EUROCULT #1

Estava pensando numa maneira de desenvolver um guia para iniciantes e interessados pelo universo Eurocult/Eurotrash e me veio a ideia de compilar listas de filmes favoritos. Por que não? Assim dá pra criar um inventário com os títulos essenciais e outros mais obscuros e que funcionam como uma “listas de compras” com os exemplares que precisamos conferir. Portanto, Convidei alguns amigos, blogueiros e especialistas que sei que já se enveredaram por essas estranhas paragens do cinema e que não iriam nos decepcionar.

Alguns já atenderam a requisição. Os outros, à medida em que forem me enviando, vou postando por aqui. Mas não precisamos esperar por eles também. Qualquer um pode participar, basta enviar a sua para o meu email (ronaldperrone@gmail.com) e terá sua lista adicionada ao inventário.  Dez eurocults favoritos, podem ser filmes europeus de qualquer gênero e de qualquer qualidade. Do horror ao peplum, do giallo ao Spaghetti Western, das tranqueiras do Bruno Mattei e Andrea Bianchi à elegância de um Mario Bava e Dario Argento. Enfim, seus dez filmes favoritos desse universo do cinema europeu. Pode ser em ordem, ou não, com breves comentários, ou não, tanto faz…

O primeiro a atender o pedido foi o meu amigo Osvaldo Neto. O sujeito nada mais é que o Guru dos filmes B, o maior especialista em filmes de baixo orçamento e microbudgets que se tem notícia em território brasileiro. Morador de Recife, tem colaborado e desenvolvido vários projetos ligados a cinema por lá. Um pouco do seu trabalho pode ser conferido no blog Vá e Veja. Quando ele atualiza, claro. E aqui vão os Eurocults favoritos do homem (eu pedi apenas dez, mas ele não se conteve e mandou quinze):

danger_diabolik_poster_032233292578_e212ac7ab0_o

O INCRÍVEL EXÉRCITO DE BRANCALEONE (L’Armata Brancaleone, Itália/França/Espanha, 1966); Dir. Mario Monicelli, com Vittorio Gassaman, Gian Maria Volonté e Barbara Steele

DJANGO VEM PARA MATAR (Se Sei Vivo Spara, Itália/Espanha 1967);
Dir. Giulio Questi, com Tomas Milian e Ray Lovelock

O SAMURAI (Le Samourai, França/Itália, 1967);
Dir. Jean Pierre Melville, com Alain Delon

PERIGO: DIABOLIK (Diabolik, Itália/França, 1968);
Dir. Mario Bava, com John Philip Law, Marisa Mell, Michel Piccoli e Adolfo Celi

EUGENIE (Espanha/Alemanha, 1970);
Dir. Jess Franco, com Marie Liljedahl, Maria Rohm, Jack Taylor e Christopher Lee

A NOITE DO TERROR CEGO (La noche del terror ciego, Espanha/Portugal, 1972);
Dir. Amando De Ossorio, com Lone Flaming, César Burner e Helen Harp

EXPRESSO DO HORROR (Horror Express, Espanha/Inglaterra, 1972);
Dir. Eugenio Martín, com Peter Cushing, Christopher Lee e Telly Savalas

MILANO ODIA: LA POLIZIA NON PUÒ SPARARE (Almost Human, Itália, 1974);
Dir. Umberto Lenzi, com Tomas Milian e Henry Silva

BUIO OMEGA (Beyond the Darkness, Itália, 1979);
Dir. Joe D’Amato, com Kieran Canter, Cinzia Monreale e Franca Stoppi

UN UOMO IN GINOCCHIO (A Man on His Knees, Itália, 1980);
Dir. Damiano Damiani, com Giuliano Gemma, Eleonora Giorgi e Michele Placido

A MANSÃO DO INFERNO (Inferno, Itália, 1980);
Dir. Dario Argento, com Leigh McCloskey, Daria Nicolodi e Alida Valli

VIRUS (Hell of the Living Dead, Itália/Espanha, 1980);
Dir. Bruno Mattei (e Claudio Fragasso), com Margit Evelyn Newton

TERROR NAS TREVAS (…E tu vivrai nel terrore! L’aldilà, aka The Beyond, Itália, 1981); Dir. Lucio Fulci, com Katherine MacColl, David Warback, Antoine Saint-John, Veronica Lazar e Al Cliver

DEMONS (Dèmoni, Itália, 1985);
Dir. Lamberto Bava, com Urbano Barberini e Natasha Hovey

DELLAMORTE DELLAMORE (Cemetery Man, Itália/França/Alemanha, 1994);
Dir. Michele Soavi, com Huppert Everett e Anna Falchi

Horror Express