FAVORITOS DEMENTIA¹³ 2018

Mais um ano se finda e mais uma lista de melhores do ano que pinta por aqui. Embora eu não tenha visto tanta coisa… bom, vocês sabem que não sou nenhum devorador de filmes recentes e procuro ver apenas o que julgo essencial, mas noto que o nível dos filmes deu uma melhorada considerável de uns anos pra cá. Desde blockbusters hollywoodianos de ação à pequenas produções da Netflix, 2018 entregou vários exemplares que me agradaram muitíssimo, mesmo não tendo “aquela” obra-prima que há muito tempo não aparece no cinema contemporâneo… Mas não tenho do que reclamar também. Fiquei bem satisfeito com os vinte filmes que elegi como meus favoritos do ano… Tem dois diretores veteranos nas duas primeiras posições, tem filme de horror brasileiro… Caramba, tem até dois filmes com o NICOLAS CAGE na relação! Como não amar um ano em que consigo colocar DOIS filmes com o Nicolas Cage???

Enfim, como sempre a margem é de até um ano. No caso, filmes de 2017 que acabei conferindo em 2018 estão elegíveis. Segue a lista:

2020. UM LUGAR SILENCIOSO (A Quiet Place, 2018), de John Krasinski

1919. CAM (2018), de Daniel Goldhaber

1818. A BALADA DE BUSTER SCRUGGS
(The Ballad of Buster Scruggs, 2018), de Joel e Ethan Coen. Especialmente pelos episódios “Meal Ticket“, com o Liam Neeson, e “All Gold Canyon“, uma pequena obra-prima estrelada pelo genial Tom Waits.

1717. O AMANTE DUPLO (L’amant Double, 2017), de François Ozon

1616. AS BOAS MANEIRAS (2018), de Juliana Rojas e Marco Dutra

1515. SICÁRIO: DIA DO SOLDADO
(Sicario: Day of the Soldado, 2018), de Stefano Sollima

1414. MOM AND DAD (2017), de Brian Taylor

1213. ANTES QUE TUDO DESAPAREÇA
(Before We Vanish, 2017), de Kiyoshi Kurosawa

1312. UPGRADE (2018), de Leigh Whannel

1111. HEREDITÁRIO (Hereditary, 2018), de Ari Aster

1010. JOGADOR Nº 1 (Ready Player One, 2018), de Steven Spielberg

0809. THE OTHER SIDE OF THE WIND (2018), de Orson Welles

0608. TRÊS ANÚNCIOS PARA UM CRIME
(Three Billboards Outside Ebbing, Missouri, 2017), de Martin McDonagh

0907. MANDY (2018), de Panos Cosmatos

0706. O PASSAGEIRO (The Commuter, 2018), de Jaume Collet-Serra

0505. MISSÃO: IMPOSSÍVEL – EFEITO FALLOUT
(Mission: Impossible – Fallout, 2018), de Christopher McQuarrie

0404. UNDER THE SILVER LAKE (2018), de David Robert Mitchell

0303. A CASA QUE JACK CONSTRUIU
(The that Jack Built, 2018), de Lars Von trier

0202. INFILTRADO NA KLAN (The BlackKklansman, 2018), de Spike Lee

0101. FIRST REFORMED (2017), de Paul Schrader

 

Um feliz 2019 à todos.

Anúncios

TERRA DO INFERNO (MAN IN THE SADDLE, 1951)

a65v08

Uma das parcerias mais interessantes da história do western americano é a do diretor Budd Boetticher com o ator Randolph Scott, que resultou em sete faroestes notáveis em meados dos anos 50. Só que outro grande mestre do gênero já tinha usado os serviços de Scott antes de Boetticher em seis westerns na primeira metade da mesma década. Estamos falando de ninguém menos que André de Toth, um dos pilares do cinema físico e casca grossa do período. E tudo começou aqui, em TERRA DO INFERNO.

A diferença entre os filmes estrelados por Randolph Scott dirigidos por De Toth e os realizados por Boetticher (para além de serem pequenos faroestes de curta duração, mas de grande eficiência cinematográfica) é basicamente a articulação psicológica explorada por Boetticher, que era mais preocupado com uma ordem existencialista na jornada de seu protagonista do que com as consequências físicas. Pode parecer repetitivo, mas em cada filme de Boetticher, os personagens de Randolph Scott carregavam um mundo de nuances trágicas, dramáticas e de características distintas entre si. Enquanto De Toth parece mais preocupado com a parte prática, com a ação dos corpos no espaço, e em usar Scott como figura mitológica do gênero.

img107_7576_01ta8

Mesmo que em TERRA DO INFERNO haja um cuidado na construção do protagonista – Owen Merrit (Scott), um pequeno fazendeiro taciturno, daqueles cuja face sublima um ideal moral e de caráter inabalável, numa típica trama de faroeste, na qual é assediado por seu poderoso vizinho (Alexander Knox) a vender-lhes as suas terras – o que realmente importa ao De Toth, no fim das contas, é a aventura, as perseguições, as brigas e os tiroteios.

img118_1056_03dsy7.jpg

Uma das ideias de gerar um conflito psicológico é o fato do grande amor de Merrit, Laurie (Joan Leslie), ter sido consumida pela ambição e se casado com o adversário do herói. Em determinado momento, ela percebe o homem mau por trás daquele indivíduo que chama de marido. Mas enquanto isso, em meio a atentados a balas e perseguições, Merrit conta com a ajuda da melhor amiga de Laurie, Nam (Ellen Drew), por quem acaba se apaixonando. Mas são situações que seriam melhor exploradas por um Boetticher, Anthony Mann e Delmer Daves. Por aqui, ficam relegadas ao segundo plano.

No fim das contas, TERRA DO INFERNO é um faroeste bem feijão com arroz. Um filme simples, sem nenhuma novidade dentro de um dos gêneros mais prolíficos do cinema americano do período. Mas que acaba encantando por outros meios. E aí entra a maestria de De Toth. Visualmente, o filme é um deslumbre e nunca soa genérico num sentido estético, com suas cores estourando num belíssimo Technicolor. O sujeito só coloca a câmera onde ela é absolutamente necessária para compor planos que celebram a iconografia do western, com consciência de artesão dos mais talentosos em relação ao material que tem em mãos; e procura sempre manter as coisas em movimento, num ritmo de aventura bom de acompanhar.

Sequências como a luta na cabana nas montanhas (vídeo acima), que é destruída gradualmente, enquanto os personagens trocam socos e derrubam pilastras, ou o engenhoso tiroteio final, cuja ventania violenta é uma boa sacada dramática e visual, são momentos antológicos. O elenco conta ainda com a participação do grande Cameron Mitchell, John Russell e do cantor Tennessee Ernie Ford, em estreia no cinema e empresta a sua voz para entoar a bela canção tema do longa.

TERRA DO INFERNO está disponível em DVD pela Classicline, que lançou o filme com uma excelente qualidade de imagem, preservando o ‘aspect ratio’ original e a opção de ser assistido com legendas em português ou uma antiga dublagem remasterizada, para a felicidade dos nostálgicos. A edição encontra-se à venda na loja virtual da própria distribuidora ou nas demais lojas de sua preferência.

Texto escrito originalmente para o Action News.