ALÉM DA IMAGINAÇÃO 1.5: WALKING DISTANCE (1959)

bscap0329

A maioria das pessoas tende a se identificar com WALKING DISTANCE. Quem nunca pensou em voltar no tempo, revisitar um local familiar do mesmo jeitinho que era há vinte, trinta, cinquenta anos, ver a si mesmo na infância, ver seus pais… É o que acontece com Martin Sloan (Gig Young), um homem de negócios de NY. Certo dia, numa viagem de trabalho, precisa parar num posto de gasolina/oficina à beira de estrada e percebe que está a 1,5 km de Homewood, a pequena cidade onde passou sua pequenez e que há 25 anos não retorna. Como seu carro ainda vai demorar algumas horas para fazer um reparo, decide fazer uma caminhada até lá.

Chegando em Homewood, Martin percebe que não só cruzou os 1,5 km, mas também retornou 25 anos de volta no tempo. Ele encontra as ruas, as lojas, o carrossel da praça, as pessoas que conheceu, do mesmo jeito que era na infância… E até bate na porta da sua própria casa. Seus pais atendem e, obviamente, não reconhecem seu filho. Martin se encontra com ele mesmo quando tinha cerca de dez anos de idade, mas afligido com toda essa situação, provoca um acidente que machuca a sua versão criança.

bscap0334

Seu pai vem falar com ele e, dessa vez entende que está se dirigindo a seu filho adulto, que veio do futuro, pede-lhe para deixar o local porque ele não tem “nada para fazer aqui”. O tempo dele já passou e é a vez do pequeno Martin ter sua chance. Martin Sloan diz adeus ao pai e retorna à estrada de volta ao seu carro, dessa vez mancando da perna por conta do acidente que acabou de causar à criança que fora. Martin Sloan acabou de fazer uma curta viagem para ALÉM DA IMAGINAÇÃO.

As histórias de viagem do tempo sempre me fascinaram, mas a maioria cede às complexidades do conceito. Não vejo mal, mas é a simplicidade de WALKING DISTANCE que me encanta. Concentra-se na aventura humana e mais emocional de seu personagem sem se preocupar muito com com os efeitos paradoxais de viagem no tempo. É o sentimento físico e metafísico do tempo que passou, das coisas que cresceram e as que se foram.

bscap0327

Gig Young tem uma performance fantástica como Martin Sloan. Os mais cascudos vão se lembrar dele em TRAGAM-ME A CABEÇA DE ALFREDO GARCIA, de Sam Peckinpah, fazendo um dos assassinos atrás de Warren Oates. Mas teve uma carreira sólida como coadjuvante, tendo sido indicado três vezes ao Oscar de melhor ator nessa categoria, com DEGRADAÇÃO HUMANA, de Gordon Douglas, UM AMOR DE PROFESSORA, de George Seaton, e A NOITE DOS DESESPERADOS, filmaço de Sydney Pollack em que Young acabou levando a estatueta. Teve uma morte trágica, poucas semanas após se casar com uma editora de revista alemã, Kim Schmidt. O casal foi encontrado morto e supostamente Young meteu bala na esposa e se matou.

A direção de WALKING DISTANCE é de Robert Stevens, que já havia dirigido um episódio da série, o primeiro, WHERE IS EVERYBODY?. Em ambos percebe-se um estilo próprio do diretor na composição dos enquadramentos, como a utilização dos espelhos e nas cenas mais tensas e climáticas, por exemplo, em que a câmera entorta os ângulos para dar um tom de estranheza.

bscap0322bscap0333

WALKING DISTANCE é considerado por muitos um dos melhores episódios desta primeira temporada. Mas o próprio roteirista do capítulo e criador da série, Rod Serling, não achava grandes coisas. Acreditava que tudo acontece depressa demais, como Sloan encontrar seus pais muito cedo. Mas estamos falando de uma historinha contada em vinte e poucos minutos, que era a duração habitual dos episódios da série (apenas na quarta temporada os capítulos tiveram uma duração maior), e nesse caso, não dava pra trabalhar tanto os acontecimentos, exceto de uma forma em que tudo se desenvolvesse rapidamente. Mas não sei ainda se concordo também que se trate de um dos melhores episódios, preciso continuar revendo os contos seguintes. Mas sem dúvida alguma é um que me cativa pela simplicidade e pela forma singela de passar sua mensagem.

Anúncios

3 pensamentos sobre “ALÉM DA IMAGINAÇÃO 1.5: WALKING DISTANCE (1959)

  1. Essa era uma época de ouro da TV, não é do meu tempo mas fico imaginando a qualidade dessa produção se compararmos com os programas atuais.
    E apesar de curiosamente já existir desde os primórdios da TV, o duelo roteiristas vs produtores, numa entrevista o criador da serie (Rod Serling) afirmou que teve liberdade total de criação e a única divergência foi quando um patrocinador pediu para mudar no roteiro uma cena em que se consumia chá originalmente e passou a ser café depois da modificação, fora isso, nada foi modificado do roteiro original de todos episódios.
    Na minha opinião, essa liberdade que foi dada ao gênio por trás de todas histórias é o grande segredo da qualidade da produção. Hoje em dia pela competição do mercado e a demanda, a mente criativa por trás dos roteiros acaba cedendo, o que atrapalha a qualidade do produto final.
    Abraço.

  2. Pingback: ALÉM DA IMAGINAÇÃO 1.10: JUDGMENT NIGHT | dementia¹³

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.