ALÉM DA IMAGINAÇÃO 1.5: WALKING DISTANCE (1959)

bscap0329

A maioria das pessoas tende a se identificar com WALKING DISTANCE. Quem nunca pensou em voltar no tempo, revisitar um local familiar do mesmo jeitinho que era há vinte, trinta, cinquenta anos, ver a si mesmo na infância, ver seus pais… É o que acontece com Martin Sloan (Gig Young), um homem de negócios de NY. Certo dia, numa viagem de trabalho, precisa parar num posto de gasolina/oficina à beira de estrada e percebe que está a 1,5 km de Homewood, a pequena cidade onde passou sua pequenez e que há 25 anos não retorna. Como seu carro ainda vai demorar algumas horas para fazer um reparo, decide fazer uma caminhada até lá.

Chegando em Homewood, Martin percebe que não só cruzou os 1,5 km, mas também retornou 25 anos de volta no tempo. Ele encontra as ruas, as lojas, o carrossel da praça, as pessoas que conheceu, do mesmo jeito que era na infância… E até bate na porta da sua própria casa. Seus pais atendem e, obviamente, não reconhecem seu filho. Martin se encontra com ele mesmo quando tinha cerca de dez anos de idade, mas afligido com toda essa situação, provoca um acidente que machuca a sua versão criança.

bscap0334

Seu pai vem falar com ele e, dessa vez entende que está se dirigindo a seu filho adulto, que veio do futuro, pede-lhe para deixar o local porque ele não tem “nada para fazer aqui”. O tempo dele já passou e é a vez do pequeno Martin ter sua chance. Martin Sloan diz adeus ao pai e retorna à estrada de volta ao seu carro, dessa vez mancando da perna por conta do acidente que acabou de causar à criança que fora. Martin Sloan acabou de fazer uma curta viagem para ALÉM DA IMAGINAÇÃO.

As histórias de viagem do tempo sempre me fascinaram, mas a maioria cede às complexidades do conceito. Não vejo mal, mas é a simplicidade de WALKING DISTANCE que me encanta. Concentra-se na aventura humana e mais emocional de seu personagem sem se preocupar muito com com os efeitos paradoxais de viagem no tempo. É o sentimento físico e metafísico do tempo que passou, das coisas que cresceram e as que se foram.

bscap0327

Gig Young tem uma performance fantástica como Martin Sloan. Os mais cascudos vão se lembrar dele em TRAGAM-ME A CABEÇA DE ALFREDO GARCIA, de Sam Peckinpah, fazendo um dos assassinos atrás de Warren Oates. Mas teve uma carreira sólida como coadjuvante, tendo sido indicado três vezes ao Oscar de melhor ator nessa categoria, com DEGRADAÇÃO HUMANA, de Gordon Douglas, UM AMOR DE PROFESSORA, de George Seaton, e A NOITE DOS DESESPERADOS, filmaço de Sydney Pollack em que Young acabou levando a estatueta. Teve uma morte trágica, poucas semanas após se casar com uma editora de revista alemã, Kim Schmidt. O casal foi encontrado morto e supostamente Young meteu bala na esposa e se matou.

A direção de WALKING DISTANCE é de Robert Stevens, que já havia dirigido um episódio da série, o primeiro, WHERE IS EVERYBODY?. Em ambos percebe-se um estilo próprio do diretor na composição dos enquadramentos, como a utilização dos espelhos e nas cenas mais tensas e climáticas, por exemplo, em que a câmera entorta os ângulos para dar um tom de estranheza.

bscap0322bscap0333

WALKING DISTANCE é considerado por muitos um dos melhores episódios desta primeira temporada. Mas o próprio roteirista do capítulo e criador da série, Rod Serling, não achava grandes coisas. Acreditava que tudo acontece depressa demais, como Sloan encontrar seus pais muito cedo. Mas estamos falando de uma historinha contada em vinte e poucos minutos, que era a duração habitual dos episódios da série (apenas na quarta temporada os capítulos tiveram uma duração maior), e nesse caso, não dava pra trabalhar tanto os acontecimentos, exceto de uma forma em que tudo se desenvolvesse rapidamente. Mas não sei ainda se concordo também que se trate de um dos melhores episódios, preciso continuar revendo os contos seguintes. Mas sem dúvida alguma é um que me cativa pela simplicidade e pela forma singela de passar sua mensagem.

Anúncios

TIM LUCAS – 10 FILMES DE HORROR QUE NÃO SÃO FILMES DE HORROR

Tem quatro aí que não vi, mas vale o registro:

5266topJacc1. J’ACCUSE! (1938), de Abel Gance

maxresdefault2. PINOCCHIO (1940)

sunset_blvd-73. CREPÚSCULO DOS DEUSES (Sunset Boulevard, 1950), de Billy Wilder

miraclefatima-e14991765359114. THE MIRACLE OF OUR LADY OF FATIMA (1952), de John Brahm

032-the-night-of-the-hunter-theredlist5. MENSAGEIRO DO DIABO (The Night of the Hunter, 1955), de Charles Laughton

susanslade26. SUSAN SLADE (1961), de Delmer Daves

large-last-year-at-marienbad-blu-ray1x7. O ANO PASSADO EM MARIEMBAD
(L’Année dernière à Marienbad, 1962), de Alain Resnais

persona28. PERSONA (1966), de Ingmar Bergman

rzfd4izu-720x3409. GIMME SHELTER (1970), de Albert Maysles, Charlotte Zwerin
e David Maysles

blog o quarto verde810. O QUARTO VERDE (La Chambre verte, 1978), de François Truffaut

Tim Lucas é um dos principais críticos de reconhecimento internacional especializado em cinema fantástico. Essa lista foi retirada do livro The Book of Lists – Horror.

OS IRMÃOS CARA DE PAU (The Blue Brothers, 1980)

bscap0094

Revi OS IRMÃOS CARA DE PAU recentemente e foi como redescobrir um clássico transcendental. Havia milhares de cenas e detalhes que eu tinha simplesmente apagado da mente. Eu já tinha visto o filme dezenas de vezes nos anos 90, mas realmente desde então não tive mais contato algum. Às vezes esqueço de como o tempo tem andado tão rápido e vinte anos atrás foi logo ali…

Mas o grande prazer do cinema, essa arte que eu tanto amo, é a possibilidade de rever um IRMÃOS CARA DE PAU e sentir como se fosse a primeira vez. O filme me fez chorar de rir, vibrar com as cenas de perseguição e relaxar ouvindo as excelentes canções que o filme dispõe. É disparado o melhor musical realizado nos últimos, sei lá, 40 anos… (e sim, é um musical porque os números musicais ajudam a avançar a história). É o filme mais divertido surgido do programa Saturday Night Live (a dupla central interpretada por Dan Arkroyd e John Belushi foi criada como esquete do programa), e um dos melhores filmes perseguição de carros de todos os tempos! É também é um dos melhores filmes que o grande John Landis já dirigiu… Perde somente, talvez, para UM LOBISOMEM AMERICANO EM LONDRES e INTO THE NIGHT.

bscap0087bscap0093

O enredo é simples. Jake Blues (Belushi) sai da prisão e junto com seu irmão, Elwood (Dan Aykroyd), começam a reunir a velha banda de volta para uma causa nobre, conseguir dinheiro suficiente para salvar o antigo orfanato em que passaram suas infâncias. A trama é mais ou menos um fio condutor para um monte de números musicais R&B cheios de energia. Além de tocarem um par de músicas maravilhosas, The Blues Brothers também compartilham o momento com James Brown, Ray Charles, Aretha Franklin, John Lee Hooker e Cab Calloway.

Se OS IRMÃOS CARA DE PAU não passasse de números musicais, já teria sido ótimo, mas Landis demonstra talento na direção, na composição dos quadros, nos momentos mais singelos, como quando Jake chega no apartamento apertado de Elwood pela primeira vez e, em poucos planos, Landis dá uma aula de cinema, edição e composição.

tumblr_otknhhbsMR1w42z8no3_1280tumblr_otknhhbsMR1w42z8no2_1280tumblr_otknhhbsMR1w42z8no1_1280

Também oferece algumas das mais impressionantes acrobacias de carros em alta velocidade já testemunhadas. O Bluesmobile (um velho Dodge, carro da polícia, usado pela dupla) é um dos carros mais icônicos do cinema. Mais de três décadas depois, não houve um carro que pudesse superar essa lata velha.

No coração do filme temos duas ótimas performances de Belushi e Arkroyd. Nunca tiveram uma química tão boa na tela, com um timing cômico impecável. Sejam discutindo seus planos em longos takes dentro do Bluesmobile, seja em cima de um palco cantando e dançando. Seus números musicais são simplesmente incríveis. O elenco ainda tem Charles Napier, Carrie Fisher, John Candy e até uma pontinha do Spielberg (que era muito amigo de Landis, até acontecer o que aconteceu aqui).

The-Blues-Brothers 1_lg

Aykroyd e o diretor John Landis voltariam a se reunir mais vezes, inclusive 18 anos depois de OS IRMÃOS CARA DE PAU para uma continuação, inferior, mas ainda divertida e bem mais exagerada, em OS IRMÃOS CARA DE PAU 2000. Dessa vez, sem John Belushi, que morreu em 1982, aos 33 anos, de overdose. No lugar dele, temos o grande John Goodman.

A MORTE NOS SONHOS (Dreamscape, 1984)

bscap0124

Não sei porque nunca havia conferido DREAMSCAPE antes. Devo ter tido azar na infância, nunca peguei passando na TV, não lembro de ter visto nas locadoras. E embora soubesse da sua existência quando já não era mais moleque, acabava empurrando pra frente. Pensei até que DREAMSCAPE fosse mais um rip-off de Indiana Jones por algum motivo e isso me desanimava. Não que eu não goste de rip-off de Indiana Jones, mas nunca tava no clima pra encarar este aqui. Na verdade, o verdadeiro motivo que me fazia pensar tal coisa era o cartaz maldito deste filme, que toda vez que via me parecia uma cópia descarada de OS CAÇADORES DA ARCA PERDIDA. Não estou zoando, podem comparar e tirar suas próprias conclusões:

Enfim, DREAMSCAPE foi um dos filmes mais legais que assisti nos últimos dias. E não! Não tem NADA A VER com qualquer aventura de Indiana Jones. Na verdade é uma ficção científica divertidíssima, bem movimentada e aterrorizante que lembra mais um outro filme, atual, de um certo Christopher Nolan… DREAMSCAPE explora algumas noções fascinantes envolvendo a natureza dos sonhos e o desejo de poder controlá-los. Em seguida, dá um passo adiante com a hipótese de ser capaz de entrar nos sonhos de outras pessoas e salvá-los de algum tormento, pesadelo ou até mesmo matar o indivíduo que sonha.

Dennis Quaid interpreta Alex Gardner, um jovem com poderes mentais extraordinários, que é recrutado por Max Von Sydow para se juntar a um projeto experimental secreto que permite que uma pessoa se torne um participante ativo dos sonhos de outrem. Alex é um bocado cético quanto a sua finalidade, mas começa a acreditar na potencialidade do projeto depois de entrar no universo dos sonhos de algumas cobaias. Por exemplo, os pesadelos de um menino onde ele ajuda a combater um sinistro monstro, metade homem, metade cobra, que tormenta as noites do pobre garoto.

bscap0106bscap0107bscap0108

Christopher Plummer, que vive um engravatado do governo, planeja usar tal tecnologia para enviar um assassino (o sempre excelente David Patrick Kelly) para dentro dos sonhos do presidente dos Estados Unidos (Edward Albert). No calor do último ato, Alex entra no sonho do presidente para salvá-lo de Kelly, que domina o universo dos sonhos como ninguém, podendo lutar como Bruce Lee, se transformar no homem-cobra e fazer suas unhas se tornarem grandes e afiadas como facas (como Freddie Krueger, outro personagem de unhas letais que ataca nos sonhos de suas vítimas… Coincidência? Ambos filmes, este aqui e A HORA DO PESADELO, foram lançados no mesmo ano).

bscap0120

Algumas sequências são impressionantes e não vão sair da memória tão cedo. Especialmente as que acontecem nos sonhos: há uma incrível que se passa no alto de um arranha-céu; o garotinho cortando a cabeça do “homem-cobra”; o sonho “molhado” da secretária do projeto, interpretada pela Senhora Spielberg, Kate Capshaw; e o grande final, com Alex dentro do sonho do presidente, encarando uma horda de zumbis num mundo pós-apocalíptico. Continuar lendo