WESTWORLD (1973)

westworld1

Já faz uns bons anos que assisti a WESTWORLD, de Michael Crichton, mas como saiu agora essa série da HBO e muita gente tem elogiado (e eu ainda não parei pra ver), vale a pena relembrar essa pérola dos anos 70.

Há uns tempos atrás eu tinha um preconceito besta com o Crichton por causa das alterações que fez em O 13° GUERREIRO, que na minha cabeça teriam estragado a visão do John McTiernan, que era o diretor da parada e um dos poucos gênios do Studio System dos últimos trinta anos. Mas, quem sabe, o “filme do McT” já era ruim e o Crichton como produtor tentou consertar? Enfim… Acho que nunca vamos saber, é pouco provável que esse filme ganhe uma director’s cut. De todo modo, eu tinha a impressão de que o Crichton era um filho da puta sem talento querendo impor sua vontade nos filmes que produzia. Claro que isso foi mudando com o passar dos anos, fui descobrindo que o cara sempre foi um interessante escritor, roteirista e diretor, que deu uma contribuição ímpar para a fase cerebral do cinema de ficção científica nos anos 70… E tudo isso começou quando vi WESTWORLD.

27cf3b07094711dcee777c84f6c

A ideia de parque-temático-que-dá-uma-merda-daquelas é algo que parece interessar ao Crichton. Uma de suas obras mais famosas, por exemplo é justamente JURASSIC PARK, que o Spielberg adaptou nos anos 90… Em WESTWORLD temos a Delos Corporation, uma empresa de entretenimento que cria um recinto definitivo para as férias num futuro não muito distante. Consiste em parques temáticos sofisticados que recriam épocas passadas – um mundo medieval, o império romano e um velho oeste, chamado Westworld. A graça da brincadeira é que o usuário encara essas realidades forjadas interagindo com robôs de altíssima geração. Cada um desses mundos é povoado por androides que são quase impossíveis de distinguir de pessoas e animais reais e os hóspedes podem fazer tudo o que desejam aos robôs. Qualquer coisa mesmo! Eles podem atirar neles. Eles podem fazer sexo com eles. Não há regras. E o principal, a tecnologia é tão avançada que é impossível para um robô causar algum dano em um ser humano. Então, nada pode dar errado, não é?

Grande parte da força de WESTWORLD é por essa visão ácida, satírica e consciente sobre a indústria do entretenimento. É como se Crichton já estivesse, há mais de 40 anos, prevendo a ambição das companhias em proporcionar o máximo de experiência interativa dos usuários, algo que hoje já é uma realidade. Cinema 3D, 4D, sei lá quantos D’s, óculos de realidade virtual, video-games hiper-realistas, escape rooms e simuladores com elementos de filmes, até mesmo parques temáticos que colocam o individuo em cenários cinematográficos já existem aos montes por aí. Só falta os robôs para chegarmos a WESTWORLD. Quero dizer, ainda falta também deixarem o moralismo hipócrita de lado e focar naquilo que realmente importa, a verdadeira atração da parada, que é oferecer violência e sexo de uma maneira segura e ilimitada, essa liberdade de regras que é a principal atração neste futuro distópico. Sexo e violência sem culpa.

westworld

Esse subtexto é  tão atual e relevante que agora, mais de 40 anos depois, temos um seriado reformulando todas essas ideias. Bem, pelo menos espero que estejam…

Na trama, Peter Martin (Richard Benjamin) e John Blane (James Brolin, que tá a cara do Christian Bale) escolheram Westworld para suas férias. E simplesmente não conseguem acreditar como é tudo é tão real e agradável. Passada meia hora no local, Martin já está se divertindo por ter matado seu primeiro pistoleiro, o sinistro Black Bart, obviamente um robô, vivido pelo grande Yul Brynner. Depois é festejar no puteiro local. E as garotas podem ser artificiais, mas sabem exatamente como fazer a alegria de um homem… Uma das coisas que mais gosto em WESTWORLD é o fato de que os dois protagonistas não sejam lá muito simpáticos, isso acrescenta mais munição à sátira de Crichton. Eles não são rapazes inocentes e suas ideias do feriado ideal é gastar a metade de seu tempo disparando em robôs e a outra comendo putas de lata.

d516f882Westworld (1973) Blu-ray Screenshot

Nos bastidores do parque vemos a ação dos homens de casacos brancos, os técnicos que fazem a roda girar, apesar de muito do funcionamento do parque ser completamente automatizada, controlado por computadores poderosos. A tecnologia é tão complexa que os técnicos humanos não conseguem compreender totalmente a coisa toda – até porque muitos dos robôs e outras características do parque foram projetados pelos próprios computadores. Os técnicos humanos simplesmente encaixam peças de reposição nos robôs danificados.

Há algumas falhas ocasionais, mas estão dentro dos limites previstos. Mas quando começam a ser constantes sem nenhuma razão aparente os técnicos começam a observar que as ocorrências seguem o mesmo padrão de doenças infecciosas. É como se houvesse um vírus dentro do sistema infectando os robôs. E uma vez que eles estão lidando com máquinas projetadas por outras máquinas é extremamente difícil agir com esses problemas inesperados. Tudo isso pra enfatizar que quando a merda explode no ventilador, é melhor fugir pra bem longe o mais rápido possível, porque não há muito o que fazer… Uma cascavel de lata ferir um convidado ou uma prostituta medieval robótica rejeitar uma tentativa de sedução, são coisas aceitáveis dentro do programa, mas quando um dos hóspedes é assassinado à tiros num duelo por um pistoleiro androide, é porque já deu merda mesmo… Especialmente quando esse androide é o Yul Brynner, que está simplesmente impagável, totalmente fora de controle tocando o terror. Um pré-TERMINATOR que deixa um rastro de corpos por onde passa. Genial.

54335574

WESTWORLD é este filmaço que aparenta ser. Inteligente, com substância, reflexão e ao mesmo tempo muito divertido. Faz parte de uma era de ouro da ficção científica quando o gênero possuía mais filmes sobre ideias do que sobre efeitos especiais (embora os daqui sejam ótimos para a época). E me fez fazer as pazes com o seu diretor, que manda bem por aqui. Um sujeito legal e bastante subestimado cuja obra precisa ser olhada com mais atenção. WESTWORLD ainda possui uma continuação, FUTUREWORLD (76), com o Peter Fonda e dirigido pelo Richard T. Hefron, outro cara foda que acabou no esquecimento. Nunca vi essa continuação…

38983008

Os anos 70 nos brindou ainda com outra pérola inspirada em WESTWORLD, só que com um bocado de mais… digamos, sacanagem. Acho que deve valer a pena conhecer este aqui:

j4w9ic

Anúncios

6 pensamentos sobre “WESTWORLD (1973)

  1. acho que a continuação do filme Westworld – onde ninguem tem alma se chama ” ANO 2003 -OPERAÇÃO TERRA ” esse filme não passa ha anos na TV Aberta e bota anos nisso,apesar que esse não chega perto do original que foi lançado em VHS pela extinta Video Arte do Brasil essa distribuidora laçou muito filmes da MGM/UA no Brasil como :Fuga do Seculo XXIII ,Golpe Mortal,..E O VENTO LEVOU, A FORMULA, GATA EM TETO DE ZINCO QUENTE, DESAFIO DAS AGUIAS, PROJETO BRAINSTORM, NINHO DO TERROR e dentre outros filmes da Metro -Goldwyn- Mayer & United Artist.

  2. Westworld é muito bom eu assisti muitas vezes ele na TV Aberta.. pena que ele já não é exibido alguns anos e sua continuação dele é fraco fora Peter Fonda tem uma pena participação do Yul Brynner fazendo esse robô que deu origem ao “Exterminador do Futuro ” de James Cameron..pena que o filmes de ficção cientifica se perderam muito o roteiro com o avanço dos efeitos especiais esse SexWorld eu não conhecia fiquei curioso em assisti-lo ,um abraço de Anselmo Luiz.

  3. Tudo indica q o James Cameron tirou a idéia do Terminator , assistindo esse pequeno clássico !

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s