007 CONTRA O SATÂNICO DR. NO (Dr. No, 1962)

Dr-No-090

A primeira vez que assisti a 007 CONTRA O SATÂNICO DR. NO, de Terence Young, filme de estreia do agente secreto britânico mais famoso do cinema (e talvez da literatura também), eu devia ter meus onze ou doze anos e já estava bastante familiarizado com o personagem e com vários de seus filmes, especialmente os estrelados pelo Roger Moore em incansáveis reprises na Sessão da Tarde. Portanto eu me esbaldava com o lado pitoresco, divertido e extrovertido da série e lembro de ter achado DR. NO um bocado distante dessa lógica, com tom mais sério e narrativa lenta, apesar de não ter achado ruim. Mas foi um pouco decepcionante, devo confessar…

Evidentemente, ao longo dos anos e de várias revisões toda essa impressão ficou lá na infância. Hoje já considero DR. NO um dos grandes clássicos do período e um exemplar notável de spy movie cheio de cenas marcantes dentro da saga de James Bond, apesar de muitas características notadas naquela primeira olhada serem de fato verdadeiras. O filme realmente tem um tom mais verossímil e sisudo em vários sentidos do que qualquer outro exemplar da série, mas que não signifique que seja algo negativo…

Dr-No-238

O filme começa já com típica apresentação de créditos que todos os filmes do 007 possuem, mas sem grande elaboração visual, sem uma canção que tenha virado hit de algum músico ou banda… Na verdade, utilizam a própria canção tema de James Bond, depois muda para um som de ritmo latino e em seguida a famosa musiquinha dos três ratos cegos, onde a partir disso o filme começa em grande estilo, na Jamaica, na qual um agente secreto britânico é assassinado à balas por supostos três ceguinhos…

Depois vamos à Londres. A primeira aparição de Bond em DR. NO, interpretado pelo grande Sean Connery, só poderia ser mesmo jogando cartas com a aristocracia britânica. A câmera enquadra apenas mãos, cartas e uma bela mulher de vermelho que se apresenta como “Trench, Sylvia Trench”, ao que o agente secreto responde, agora com a câmera pela primeira vez enquadrada nele, acendendo um cigarro, “Bond, James Bond”. O sujeito é chamado às pressas ao escritório, mas arranja um tempinho para dar seu cartão à Senhorita Trench com segundas intenções. Ao chegar ao local, James joga seu chapéu no cabideiro, uma outra marca registrada de 007, assim como as brincadeiras sem vergonha com a secretária Moneypenny. Na reunião com seu superior, M, que lhe dá a missão de ir à Jamaica investigar o que anda rolando por lá, Bond tem sua arma substituída por uma Walther PPK, que se tornou conhecida como a clássica arma de James Bond. Achei legal que o protagonista comenta que estava usando sua Beretta por dez anos, ou seja, neste ponto, 007 já é agente MI6 por um tempinho considerável. Agora, eu sei que DR. NO não foi o primeiro romance do espião escrito pelo Ian Fleming (CASSINO ROYALE, no caso), por isso é interessante que já tenham escolhido um episódio mais à frente, para elaborar um personagem com certas características e relações já muito bem estabelecidas, o que contribui bastante para esse pontapé inicial que a série possui.

Dr-No-040

Na Jamaica, Bond encontra-se fazendo progressos, mas num ritmo devagar, quase parando… Como disse, DR. NO é muito mais vagaroso do que os filmes do agente secreto que viriam depois, mas ressalto que isso nem sempre é uma coisa ruim. É apenas diferente, com uma narrativa bem mais realista e sem os habituais exageros em sequências de ação mirabolantes. Mesmo assim, não faltam por aqui alguns momentos clássicos e espetaculares, guardando as devidas proporções, para entrar na galeria de feitos dos filmes de James Bond.

Uma das coisas que mais me surpreendeu nessa revisão é a maneira como são mostradas as mortes causadas por Bond. Na maioria dos seus filmes, a matança acontece desenfreada com capangas aleatórios sem rosto definido na tela, o que é legal. Mas em DR. NO a morte é tratada de forma mais pesada, não por serem sangrentas ou brutais, mas acontecem em situações mais realistas, causando mais impacto. Há uma cena em que Bond cria uma armadilha (o clássico travesseiro debaixo das cobertas) e quando um sujeito chega para assassinar o herói, Bond lhe surpreende. 007 coloca o sujeito sentado a uma cadeira, faz-lhe algumas perguntas e então atira no homem à queima roupa…

Dr-No-299

Outra cena que ficou na minha cabeça é quando um dos capangas do Dr. No procura por Bond e este lhe pega de surpresa por trás com uma faca, perfurando o sujeito sem apresentar remorso algum. Mel (Ursula Andress) ainda lhe pergunta “Por que?” e ele responde “Porque eu tive que fazer”… E é interessante esse diálogo porque mostra um pouco da personalidade de Bond nesse quesito. Ele não apresenta remorso, mas matar não lhe dá prazer. Apenas tem consciência de que é algo que faz parte do seu trabalho e precisa ser feito. Qualquer vacilo nesse sentido é caixão pra ele…

E já que citei a musa Ursula Andress, o que é a cena da sua clássica aparição? Isso sim é um espetáculo! Excelente maneira de apresentar a primeira Bond Girl, embora só entre em cena mesmo depois de uma hora de projeção, quando Bond já havia traçado duas mulheres antes dela durante o filme… Mas, acontece, né? Ela não parece ser muito ciumenta mesmo.

Dr-No-321

Dr-No-322

Outro personagem fascinante é o próprio Dr. No. É legal a ideia de não lhe mostrarem a cara durante a maior parte do filme, apenas deixar ouvir sua voz, o que acrescenta aquele tom de mistério agradável ao vilão, algo que sempre tentaram fazer em vários outros capítulos da série, às vezes com sucesso, outras nem tanto… E James Bond tem boa química com o personagem, uma boa química com seu nêmesis, que é outro detalhe habitual da franquia.

Dr-No-520

Para finalizar, temos um Sean Connery que parece ter nascido para ser James Bond, muito à vontade no papel do sofisticado agente à serviço secreto de sua majestade, sendo o galanteador pegador de mulheres ou o bruto frio que mata sem piedade os meliantes quando precisa.

DR. NO sempre me pareceu um grande filme e a cada revisão foi ficando ainda melhor. Não é exatamente o que se espera de um “filme de James Bond” habitual depois de perceber o que a série se tornou, repleta de exageros sem noção, mas que me diverte à beça, mas como um filme de espionagem sério e realista é possível desfrutar desta belezinha aqui.

Anúncios
Esse post foi publicado em Ação, James Bond Movies, Review, Thriller e marcado , , . Guardar link permanente.

5 respostas para 007 CONTRA O SATÂNICO DR. NO (Dr. No, 1962)

  1. Pingback: MOSCOU CONTRA 007 (From Russia with Love, 1963) | DEMENTIA¹³

  2. Gabriel Lisboa disse:

    Faz muito tempo que vi os 007 com o Sean Connery e tenho pouca vontade de rever por esse ritmo lento mesmo… Sempre gostei mais dos fanfarrões com o Roger Moore. E gostei bastante do Diamonds are Forever que todo mundo desconsidera tanto…

    Me chama para falar de The Spy Who Loved Me quando rolar então hein!

    • ronaldperrone disse:

      Diamonds realmente é dos que tenho piores lembranças…hehe
      Mas preciso rever. E obviamente, já está convidado… 🙂

  3. Anselmo Luiz disse:

    Esse foi primeiro filme de James Bond que assisti ,eu assisti junto com o meu pai ,quer fã de James Bond ( fora ser fã de filmes de western tambem ) ele tinha ate o HQ antigos com o rosto de Sean Connery ,desenhado tanto na capa quanto nas historias.. sou particularmente sou um fã do filmes do agente britanico mais famoso do cinema ,ate hoje curto as suas aventuras na tela do cinema .. espero que venha outro ator do nivel de interpretação do Daniel Craig.. cara mandou bem .. Cassino Royale foi o maximo .. o interessante do filmes de James Bond foram os seus genericos no cinema como: Flint ( James Corburn ) ,Matt Helm ( Dean Martin ), James Tonto ( Lando Buzzanca ), eu assisti os filmes destes agentes genericos nos Corujoes da Rede Globo la nos anos 80 e 90.. mas para mim ,Sean Connery foi melhor interprete ,ele fazia um James Bond frio ou matar as suas vitimas e com piada gelidas ( tipico humor ingles ) com na morte da banheira em Goldfinger em que ele mata o bandido eletrocutado atirando o secador na banheira cheia de agua … e fala ( Chocante ! realmente ,chocante ! ) .. espero que venham mais resenha dos filmes de Bond ,logico ! Futuramente !!

    • ronaldperrone disse:

      A intenção é ir comentando pouco a pouco todos os filmes da série… Valeu, mais uma vez, pelo comentário, grande Anselmo!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s