ESPECIAL DON SIEGEL #7: REBELIÃO NO PRESÍDIO (Riot in Cell Block 11, 1954)

bscap0005REBELIÃO NO PRESÍDIO é o primeiro grande e significativo filme que Don Siegel realizou até então e que justificaria a sua presença entre os maiores diretores americanos de sua geração. Tá certo que o filme não é tão comentado atualmente e o próprio diretor fez outros trabalhos melhores depois, mas o que quero dizer é, mesmo que Siegel tivesse encerrado sua carreira por aqui, seu nome já teria certa relevância na história do cinema. Continuar lendo

Anúncios

ESPECIAL DON SIEGEL #6: AVENTURA NA CHINA (China Venture, 1953)

Don Siegel fala muito “bem” sobre CHINA VENTURE: “Mas, como sempre, a praga parece me perseguir – e, em última análise, a culpa deve ser minha – a história era fraca”. Ok, o roteiro não era mesmo dos melhores, o orçamento não ajuda muito e o elenco – com exceção de três ou quatro nomes mais famosos – não deve ter pesado nos bolsos dos produtores, mas, de qualquer forma, reserva bons momentos, especialmente quando se trata de sequências de ação. Percebam que venho batendo nessa tecla a cada filme comentado neste especial, em como Siegel evolui na construção da ação e, bem, se estamos falando sobre um filme de guerra, não poderia faltar uns tiros e explosões, e aqui temos pelo menos três sequências excelentes que provam o talento do homem no assunto. Continuar lendo

A MOSCA (The Fly, 1986)

tumblr_nlfbpo36Fu1qgwhqoo1_1280De vez em quando minha cidade apronta uma dessas. O Cineclube Metrópolis, que é o cinema que funciona dentro da UFES (Universidade Federal do Espírito Santo), tá com uma programação interessante para quem gosta de horror. Na última sexta-feira, por exemplo, passou A MOSCA, do David Cronenberg, e claro, dei um pulo para conferir. Essa semana ainda passa O ENIGMA DO OUTRO MUNDO, do Carpenter, e a semana que vem começa com REPULSA AO SEXO, do Polanski. Espero que continuem passando esse tipo de filme (mesmo que eu já tenha visto, faço questão de rever na tela grande). Continuar lendo

TOP 10 JOHN McTIERNAN

Screen-shot-2013-06-03-at-4

Depois de comentar toda a filmografia de John McTiernan aqui no blog, resolvi, antes tarde do que nunca, colocar em ordem de preferência os meus dez filmes favoritos do homem. Como McT só tem apenas onze longas, ficou de fora o único que é realmente um lixo, ROLLERBALL (2002). O resto fica assim:

10) 13º GUERREIRO (The 13th Warrior, 1999)
09) MEDICINE MAN (1992)
08) VIOLAÇÃO DE CONDUTA (Basic, 2003)
07) A CAÇADA AO OUTUBRO VERMELHO (The Hunt for Red October, 1990)
06) DELÍRIOS MORTAIS (Nomads, 1986)
05) O ÚLTIMO GRANDE HERÓI (Last Action Hero, 1993)
04) THOMAS CROWN: A ARTE DO CRIME (The Thomas Crown Affair, 1999)
03) DURO DE MATAR 3: A VINGANÇA (Die Hard: With a Vengeance, 1995)
02) O PREDADOR (Predator, 1987)
01) DURO DE MATAR (Die Hard, 1988)

ESPECIAL DON SIEGEL #5: MEDO QUE CONDENA (Count the Hours, 1953)

A primeira lacuna do Especial Don Siegel é o filme NO TIME FOR FLOWERS, conhecido no Brasil como ADORÁVEL TENTAÇÃO, de 1952, e que não foi possível localizar em lugar algum… Se alguém souber onde achar, é só falar que eu gostaria de dar uma conferida. Trata-se de uma comédia com a então esposa do diretor, Viveca Lindfors, apesar de não aparentar um exemplar muito expressivo na filmografia do homem, portanto, sem choro caso fique de fora. Sigamos em frente com  MEDO QUE CONDENA que veio logo a seguir. Continuar lendo

ESPECIAL DON SIEGEL #4: ONDE IMPERA A TRAIÇÃO (The Duel at Silver Creek, 1952)

Primeiro filme colorido da carreira de Don Siegel e, mais importante, seu primeiro western. Tá certo que o diretor nunca chegou a fazer uma obra-prima do gênero, mas seus esforços sempre renderam excelentes exemplares, como OS ABUTRES TÊM FOME (1970) e O ÚLTIMO PISTOLEIRO (1976), que marca o encerramento da carreira do maior ator de faroeste de todos os tempos, John Wayne. Se formos considerar O ESTRANHO QUE NÓS AMAMOS (1971) como um western, aí é outra história… Mas talvez a maior contribuição de Siegel no gênero tenha sido a de mentor de dois cabras porretas, Sam Peckinpah (seu assistente por muitos anos) e Clint Eastwood, o que o coloca merecidamente no panteão dos grandes mestres do faroeste. Continuar lendo

ESPECIAL DON SIEGEL #3: O CAIS DA MALDIÇÃO (The Big Steal, 1949)

tumblr_n6xcvmKwb01qkge9po1_1280

THE BIG STEAL começa aos 45 minutos do segundo tempo, quando somos colocados no meio de uma trama onde todos os acontecimentos da premissa já ocorreram. “Colocados” seria muito leve. Somos arremessados no olho do furacão, com o Robert Mitchum trocando socos com um sujeito, escapando, perseguindo, a pé, de carro, trocando tiros, mais socos… Se o filme fosse mostrar sua história desde o início, o recorte que assistimos aqui seria a sequência de ação final. E acho que isso define bem o que é THE BIG STEAL: uma grande sequência de ação/perseguição, dilatada ao máximo, que fecha uma trama que nem chegamos a acompanhar. Continuar lendo

ESPECIAL DON SIEGEL #2: NOITE APÓS NOITE (Night Unto Night, 1949)

bscap0006

Correndo sérios riscos de ser o filme mais fraco de Don Siegel, NIGHT UNTO NIGHT, o segundo longa do homem, é claramente um trabalho de contrato, rotineiro, cujo material não apresenta nada muito consistente que interessasse ao diretor e ele acaba por não colocar sua alma no projeto. O que não significa também que seja ruim, a trama possui alguma graça e os personagens, ao menos um ou outro, são simpáticos. Continuar lendo

ESPECIAL DON SIEGEL #01: ABERTA A TEMPORADA + JUSTIÇA TARDIA (The Verdict, 1946)

tumblr_nh6lfk99pg1rx2n09o1_1280

Os filmes de Donald Siegel nunca são o que aparentam ser. Caminham juntos, sem perder de vista, tanto o lado divertido da coisa quanto a reflexão que reverbera dos temas e personagens de sua obra. O estigma de “diretor de ação” se transforma em “intelectual da ação” e alguns de seus feitos fazem juz a alcunha. E é exatamente isso que vamos conferir a partir de hoje aqui no DEMENTIA¹³, num especial que vai peregrinar a filmografia do homem, descobrindo e redescobrindo filme a filme a trajetória desse senhor que, em quase meio século de serviços prestados à arte cinematográfica, pode ser perfeitamente considerado um dos mais marcantes e audazes realizadores do cinema americano. Continuar lendo