SOLDADO UNIVERSAL 2 (Universal Soldier II: Brothers in Arms, 1998)

bscap0005

Matando a saudade de UNIVERSAL SOLDIER por esses dias, resolvi conferir logo de uma vez as continuações não oficiais que saíram nos anos 90 que eu nunca tinha visto. Não estou falando daquele UNIVERSAL SOLDIER: THE RETURN, que traz o Van Damme de volta e que, aliás, ignora completamente estes aqui. Refiro-me a uns lançados diretamente para TV, UNIVERSAL SOLDIER II: BROTHERS IN ARMS e UNIVERSAL SOLDIER III: UNFINISHED BUSINESS, que na verdade eram pilotos para um seriado que nunca foi aprovado. O que é um alívio, pois tendo como base esses dois filmes, a série seria um lixo.

Comecemos pelo segundo. UNIVERSAL SOLDIER II  parte exatamente de onde o filme do Emerich termina, reencenando a luta entre Luc Deveraux (Van Damme, aqui interpretado por Matt Battaglia) e Andrew Scott (Lundgren, aqui vivido por um zé mané qualquer que não lembra em nada o velho Dolph. Na verdade o Battaglia também não tem nada a ver com o Van Damme, mas como temos que aturá-lo no restante do filme, não vou reclamar desse detalhe). A trama mostra Deveraux tentando se readaptar ao mundo, especialmente nos prazeres carnais, dando umas beiçadas na repórter do primeiro filme, que agora é encarnada pela gatinha Chandra West. O filme teve também a “brilhante” ideia de inserir um irmão mais velho de Luc, Eric Deveraux, interpretado pelo grande Jeff Wincott, um soldado que também desapareceu em guerra muito antes de Luc.

bscap0004

Mas o negócio aqui é o seguinte: depois da merda que deu no primeiro filme com o projeto Unisol, Gary Busey assume o comando do programa com intenções desonestas, na esperança de vender os unisoldiers para quem pagar mais caro. De alguma maneira ele arranja um dispositivo que consegue controlar a mente de Luc novamente e o reintegra ao programa. Para salvar o dia, a repórter apaixonada segue o sujeito e encontra na base de operações o tal irmão, Eric, que fez parte do projeto Unisol como uma das primeiras cobaias. Então ela o desperta, os dois libertam Luc e os irmãos unem força para derrotar Busey e seu exército de Unisoldiers… que na verdade são apenas três caras… o orçamento aqui não permitiu inventar muito.

Um dos principais problemas de UNIVERSAL SOLDIER II é a quase total falta de sequências de ação. Uns tiros aqui e ali, mas nada que chegue aos pés da super produção com Van Damme e Dolph; o filme acaba empurrando momentos de Luc “tentando ser humano” de maneira constrangedora e desperdiça Jeff Wincott, ator acostumado a encarar produções de baixo orçamento demonstrando segurança com seu talento em artes marciais. Aqui o sujeito aparece pouco e quase não participa das risíveis cenas de ação. E não explorar seu personagem, um unisoldier congelado desde o início dos anos 60 e que acorda nos dias de “hoje”, é algo que vai além da minha compreensão. Resta-nos a complicada tarefa de comprar a ideia de que o Matt Battaglia é o herói. Só que o cara é péssimo e acaba tornando tudo mais ridículo ainda por causa do interesse humano do filme…

bscap0001 bscap0002

Já o Gary Busey como vilão principal é… Bem, pra quem tá se afogando, jacaré é tronco, não é? Busey é sempre expressivo em qualquer tralha que se mete e mesmo não estando tão à vontade acaba sobressaindo. E como aqui só tem merda em termos de atores, Busey passa a impressão de ser um gênio das artes dramáticas. Há uma cena no início, na qual Busey reúne os três melhores homens do exército para uma missão secreta e de repente saca uma metralhadora e fuzila os três, com lágrimas nos olhos, para que se tornem unisoldiers. Um dos pontos altos do filme, parece coisa de um Coppola ou Cimino. Brincadeira… Tá mais pra um Uwe Boll ou Albert Pyun, mesmo assim, a cena é um destaque.

Na mesma onda do Busey, gostei também da participação da repórter. Muito mais pelo fato do herói ser péssimo e não ter carisma algum do que qualquer outra coisa. E é bem melhor acompanhar a Chandra West em grande parte do filme do que o Battaglia tentando ser protagonista. Ah, e ainda tem uma pontinha cretina do Burt Reynolds que consegue ser ainda uma das melhores coisas do filme!

Mas atuações ruins eu aguento fácil. Situações constrangedoras é o charme de muito filme ruim que acaba sendo bom por motivos errados. Mas o que não suporto é um filme de ação sem ação. É o caso de UNIVERSAL SOLDIER II, que não merece nem o esforço de escrever esses parágrafos, portanto vou ficar por aqui. Mas aguardem que UNIVERSAL SOLDIER III vem aí.

Anúncios

SOLDADO UNIVERSAL (Universal Soldier, 1992)

tumblr_n7fguuDOR21s2iyiwo1_1280

É curioso voltar a SOLDADO UNIVERSAL, de Roland Emmerich, tendo em mente o que a série se tornou. Claro, eu adoro o dois últimos, especialmente o DAY OF RECKONING (2012), mas não deixa de ser estranho. Lembro-me de assistir a este aqui logo que saiu nas locadoras da pequena cidade onde morava, um  evento de proporções épicas pra um moleque como eu, viciado em filmes de ação e que já acompanhava os dois astros, Jean-Claude Van Damme e Dolph Lundgren. Revendo agora, depois de tanto tempo, percebe-se lá suas fragilidades, mas ainda é um filmaço eletrizante, com toques sci-fi, que não tem como dar errado.

Vamos fingir que ninguém viu ou esqueceu da história de SOLDADO UNIVERSAL e mandar uma sinopse, até porque o conceito do filme é legal: soldados americanos mortos no Vietnã são, de alguma maneira, reanimados nos dias de hoje, passam por uma lavagem cerebral e formam um esquadrão de elite do governo americano, num programa militar secreto chamado Unisol.

77mNwP9aD28Zyl1vTsPsuWY10Xj

Gosto da ideia do filme nunca explicar direito os detalhes por trás da experiência de reviver os corpos dos soldados. Como a coisa funciona? Acho que nem os roteiristas sabem explicar. Mas em tempos de INTERSTELLAR, onde tudo é explanado nos mínimos detalhes, tendo como base teorias da física, algo direto e objetivo como SOLDADO UNIVERSAL chega a ser um frescor.

Entre essas unidades “zumbis” está um caso especial: um soldado, Van Damme, e seu sargento, Dolph, antes de baterem as botas tiveram um pequeno desentendimento… No calor da guerra, o tal sargento surta, mata seus próprios subordinados e coloca em prática seus talentos artesanais fazendo um colar de orelhas decepadas. Van Damme e Dolph podiam ter resolvido esse problema no diálogo, mas parece que não deu… Já no programa militar, os dois começam a recordar as diferenças passadas e, como não vão muito com a cara do outro, retomam a briga de décadas atrás. SOLDADO UNIVERSAL é basicamente isso.

Universal_Sold 02-2

Na sua essência, o filme é uma grande sequência de perseguição, ou como uma montanha russa, com seus altos e baixos, mas sempre com a adrenalina injetada na veia do espectador, nos bombardeando com tiroteios alucinantes, pancadarias grosseiras, explosões, uma dose de violência que não existe mais no cinema comercial americano, perseguições de carro, caminhão, ônibus, à pé, nos mais diversos cenários… Sobra tempo até para uns toques de humor.

Em cima de tudo isso, SOLDADO UNIVERSAL consegue desenvolver um lado emocional interessante com Luc Deveraux, personagem do Van Damme, que “acorda” nessa nova época e de alguma maneira quer reconstruir seu passado, tentando retornar a casa dos pais, diferente de Andrew Scott (Lundgren), que “desperta” tão insano e com sede de sangue quanto no período da guerra. É uma situação que me toca um bocado, em meio a tantas cenas explosivas de ação gratuita.

7tnsfrit6qiz

É evidente que é preciso ignorar os sotaques, algo que nunca me incomodou, na verdade, mas ambos, Van Damme e Dolph, estão extremamente à vontade em seus personagens. O primeiro com sua simpatia característica, um lado cômico, mostrando a bunda em plano detalhe para fazer uma graça com a mulherada e outros públicos, mas carrega também uma certa vulnerabilidade que dá a impressão de que nunca vai conseguir derrotar seu oponente.

Já o Dolph está insano como o sargento psicopata artesão-de-colar-de-orelhas! O sueco encaixa muito bem no papel de vilão, já havia feito isso antes, como em ROCKY 4, mas em SOLDADO UNIVERSAL tem um dos melhores desempenhos de sua carreira. Outros brutamontes aparecem como unisoldiers, como Ralf Moeller e Tommy ‘Tiny’ Lister. Ed O’Ross e Ally Walker, que faz o par quase romântico com Van Damme na aventura, completam o elenco.

universalsoldier3

Roland Emmerich, que é um diretor com mais erros do que acertos em sua carreira, pode se orgulhar de ter criado alguns momentos que se tornaram clássicos do cinema de ação dos anos 90. A já citada cena com o Dolph e o colar de orelhas, gritando “can you hear me?“, ou Van Damme atravessando as paredes de um motel de beira de estrada sob uma saraivada de balas atiradas pelos unisoldiers. A sequência de luta no restaurante também é muito boa e há a perseguição onde o Dolph arremessa granadas no veículo ocupado pelo herói. Enfim, o que não falta é ação da boa para alegrar o dia! E nem mencionei o confronto final entre Dolph e Van Damme, que é épico, brutal e fecha a bagaça com chave de ouro.

Apesar de ser um filme que tem um lado reflexivo, com questões éticas sobre a utilização de corpos humanos para experiências governamentais e a busca de humanidade num personagem à deriva no tempo, SOLDADO UNIVERSAL não tenta fingir ser aquilo que não é. Ou seja, é honesto em tratar-se de reconhecer que é um produto de entretenimento, por vezes estúpido e inverossímil, mas que consegue divertir com todos os elementos que os admiradores de cinema de ação esperam ver num filme como esse. Menos a bunda do Van Damme… Isso eu dispenso.