EDWIGE FENECH PARA ALEGRAR A SUA SEXTA-FEIRA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Anúncios

THE BIG SWITCH (1968)

O primeiro filme dirigido pelo britânico Pete Walker começa com uma negrona biscoituda fazendo um strip tease num clube. Aliás, o que não falta em THE BIG SWITCH, nos seus quase 80 minutos, são mulheres tirando a roupa sem muita dificuldade. Walker é mais conhecido pelos exemplares de horror que realizou nos anos setenta, como FRIGHTMARE e SCHIZO, mas neste início de carreira o seu tema principal eram seios desnudos balançando na tela em thrillers policiais. No caso de THE BIG SWITCH, um playboy londrino chamado John Carter é implicado no assassinato de uma loura que ele queria comer. E por conta disso, acaba se envolvendo com o submundo do crime, sendo chantageado e etc… e a cada situação, dá-lhe mulheres com peitos de fora.

Dizem que Walker começou a escrever o roteiro de THE BIG SWITCH pela manhã e terminou na tarde do mesmo dia. Se é que podemos chamar o que temos aqui de roteiro. As filmagens demoraram menos de uma semana e tudo isso reflete no filme, que é cheio de atuações ruins (Sebastian Breaks que faz o protagonista é um tremendo canastrão), e uma direção desleixada, sem ritmo, com poucos momentos de criatividade. Então, o filme é uma porcaria? Diria que sim, mas é assistível pela quantidade de peitos, é tão curto que não dá tempo de se chatear e vale pela curiosidade de conhecer os primórdios do cinema desse diretor peculiar.

JOGO SUJO (The Stone Killer, 1973)

Charles Bronson e o diretor Michael Winner fizeram seis filmes juntos. Incluindo os três primeiros exemplares da série DESEJO DE MATAR. Não vi RENEGADO IMPIEDOSO, mas THE MECHANIC ainda é o meu favorito dessa parceria, embora tenha assistido hoje a JOGO SUJO, um belo filme policial, e notado que o páreo é duríssimo. Este aqui briga fácil lá em cima entre as primeiras posições.

Bronson é Lou Torrey, um policial eficiente, mas que possui certas manias no seu modo de cumprir o dever que não tem agradado muito seus superiores. Por exemplo, o filme começa quando ele é transferido para outra cidade, de Nova York para Los Angeles, apenas porque atirou para matar num jovem ladrão de dezessete anos. É claro que o meliante estava armado e pondo em risco a vida do herói, mesmo assim, causou mal estar na força policial.

Há um diálogo genial que esclarece bem o ponto de vista do protagonista. Quando questionado por conta da idade do defunto, Torrey responde algo mais ou menos como “a arma em punho lhe deu a maior idade…

Em Los Angeles começa a trabalhar com algo pequeno. No entanto, a apreensão de um simples traficante de drogas acaba por revelar um profundo e complexo esquema de assassinatos, que envolve a máfia italiana, cujo chefão (vivido por Martin Balsan) planeja vingança pra cima dos responsáveis pelo massacre de sua família, ocorrido há trinta anos. E para isso contrata um exército de ex-soldados da Guerra da Coreia e Vietnã…

Sim, é tão bom quanto parece. JOGO SUJO lembra um pouco os polizieschi, só que filmado nos Estados Unidos, obviamente, e com o estilo áspero de Winner, utilizando locações reais e câmera na mão em alguns momentos. As cenas de ação são bem classudas e brutais, mas isso é o habitual vindo do diretor que temos aqui. A sequência na qual um grupo de mercenários invade um escritório cheio de mafiosos é um espetáculo, uma ode à violência cinematográfica. Há também uma perseguição de carros e alguns outros tiroteios que estão entre as melhores que eu já vi da parceria Bronson-Winner.

E por falar em Bronson, o sujeito está sensacional num personagem muito rico, cínico, inteligente e dramático – como na cena em que defronta o famoso quadro de Goya, no qual Saturno devora o próprio filho – mas que sabe também tratar a bandidagem da maneira que merece. Ou seja, torturando e matando a sangue frio. Bah, me chamem de reacionário, mas no cinema isso é bom demais*! Especialmente num exemplar de classe e sem frescura como JOGO SUJO.

*Só pra deixar claro, na vida real meu pensamento é totalmente oposto.

LIGHT BLAST, aka Colpi di Luce (1985)

Depois de ser campeões da Libertadores o Galo já perdeu duas seguidas, então é melhor eu atualizar isto aqui e tirar logo o escudo do clube do topo. Vamos, então, de mais um Castellari, o divertido LIGHT BLAST, um dos exemplares que oferece o que há de mais absurdo e impagável em termos de ação no cinema italiano daquele período. Além disso, numa história básica e bastante funcional, temos umas três ou quatro perseguições de carro em alta velocidade, um punhado de tiroteios espalhados pela narrativa, algumas cenas de pancadaria e boas doses de explosões. Sem contar os cenários e rostos derretidos ao estilo CAÇADORES DA ARCA PERDIDA por causa de uma super arma que o vilão utiliza. Ou seja, pra que serve um roteiro mesmo?

Erik Estrada (acima) é o protagonista e encarna um policial casca grossa que não tem receio de mandar chumbo grosso pra cima dos bandidos. A trama gira em torno do seu trabalho, junto com a força policial, para impedir o tal vilão de utilizar a poderosa arma que derrete seus alvos com extrema facilidade, incluindo edifícios, veículos e pessoas. Seu plano é fazer chantagens aos governantes para ganhar uma grana fácil. O habitual colaborador de Castellari (e também seu irmão), Ennio Girolami, é quem dá vida ao personagem maquiavélico.  

E é isso. Depois de realizar um trabalho introspectivo, sério e poético como TUAREG, Castellari resolveu voltar a fazer algo bem mais leve com LIGHT BLAST, seguindo a linha dos seus exemplares do início da década de 80. Um filme cuja única pretensão é divertir o público com o máximo de sequências de ação que puder colocar na tela.

E comparado com outros filmes italianos do gênero produzidos naquele período, este aqui aparenta ter um bom orçamento, o que acho muito difícil, já que neste período os italianos trabalhavam cada vez mais com dinheiro reduzido. Não sei quanto foi gasto, mas a sequência final, por exemplo, uma perseguição de carros filmada em São Francisco, me parece muito bem produzida… digo, eles precisam de licença, dublês, carros para batidas, fechar algumas ruas para filmar esse tipo de sequência, etc. Não tenho ideia de como fizeram para pagar tudo isso (ou se realmente pagaram), mas o resultado é ótimo!

No entanto, para quem tem acompanhado o ciclo Castellari por aqui já sabe que falar bem de sequências de ação filmadas pelo diretor é chover no molhado. Nem preciso dizer, portanto, que os tiroteios são bem coreografados e as situações que colocam o protagonista em movimento são criativas, o que é sempre habitual na carreira do italiano. O fator novidade que aparece na por aqui é a tal super arma e as imagens de pessoas sendo derretidas, com efeitos especiais toscos pra cacete! Mas muito legais!

O mesmo pode ser dito sobre Erik Estrada. Até que Castellari conseguiu transformá-lo, pelo menos aqui em LIGHT BLAST, num homem de ação competente, capaz de convencer empunhando uma escopeta ou dirigindo velozmente pelas ruas perseguindo os meliantes. E são acontecimentos dessa espécie que definem a obra, mais uma divertida sandice italiana que merecia ser redescoberta por mais cinéfilos de “bom” gosto!