PICASSO TRIGGER (1988)

Este é o segundo filme da série criada pelo diretor Andy Sidaris que conta com as agentes secretas gostosas Donna (Dona Speir) e Taryn (Hope Mary Carlton), além de um bocado de outros personagens sobreviventes de HARD TICKET TO HAWAII. De alguma maneira, Sidaris acredita que a CIA é habitada por um bando de beldades… melhor para nós, na maioria das vezes. Mas no caso de PICASSO TRIGGER, temos uma série de desapontamentos.

Começando pela trama. Um chefão do crime, Salazar (John Aprea), também conhecido por um apelido que dá nome ao filme, é assassinado logo após doar para um museu em Paris um valioso quadro de um peixe cujo nome também é o título do filme. De alguma forma que eu até agora procuro entender, esse acontecimento possui relação com uma série de mortes de agentes secretos. Os agentes remanescentes, ou seja, os personagens do filme anterior, montam uma equipe para desvendar o caso e impedir algo terrível que os vilões planejam, er… que eu não faço idéia do que seja.

Além de faltar um pouco mais de cuidado em alguns detalhes, essa espécie de sinopse aí em cima se transforma numa narrativa extremamente bagunçada e chata. Eu ficava o tempo inteiro tentando me lembrar porque tal personagem fazia isso em determinado momento, porque fazia aquilo em outra cena, até que me lembrei que eu não havia esquecido. Eu realmente não sabia… É tanta situação, lugares diferentes e personagens borbulhando que eu acabei perdido.

No entanto, se for parar para analisar, os filmes anteriores do diretor que eu comentei aqui, não eram muito diferentes nesse sentido. O negócio eram os elementos característicos do Sidaris que compensavam o péssimo roteiro: peitos e ação. Em PICASSO TRIGGER também temos esses artifícios, só que não funcionam muito bem. Tirando a divertida ação final, com bastante tiros, explosões, armas de tecnologia anos 80, e um pouquinho de kung fu, não sobra muita coisa que beneficie o ritmo do filme. E as cenas de nudez gratuitas, que surgiam naturalmente nas fitas anteriores, aparecem aqui forçadas, quase que obrigadas, além de esporádicas durante a narrativa. A primeira teta só é mostrada numa rápida ceninha já com quase 20 minutos de filme…

PICASSO TRIGGER é mesmo fraco ou eu que estou assistindo a muito Walter Hill e ficando exigente? Vou descobrir quando assistir a SAVAGE BEACH, próxima pérola do Sidaris a ser comentada por aqui.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s