O MONSTRO DO ÁRTICO (The Thing From Another World, 1951), de Chistian Nyby e Howard Hawks (não creditado)

 E para me desintoxicar do filme do post anterior, ainda neste domingo revi O MONSTRO DO ÁRTICO, produção de um dos mestres supremos do cinema americano, Howard Hawks, vagamente inspirado num conto de John Campbell e considerado hoje como uma das pedras fundamentais do gênero da ficção científica, tornando-se paradigma seguido durante muito tempo. Ganhou uma refilmagem em 1982 nas mãos de John Carpenter, O ENIGMA DO OUTRO MUNDO. O filme começa com a suspeita de que um avião caiu na Antártida. Uma unidade do exército é chamada para reunir-se com um grupo de cientistas e ir ao local do acidente, quando se descobre que, na realidade, o que havia caído era uma nave alienígena. Acidentalmente, o objeto é destruído na tentativa de descongelar o revestimento de gelo que o cobria, mas conseguem encontrar um corpo estranhamente congelado numa grande pedra de gelo. Levado à base, a criatura se descongela acidentalmente. A idéia da “coisa” que causa o terror no local é totalmente diferente da versão de John Carpenter, que apesar de fã de carteirinha de Hawks, optou por ser mais fiel aos escritos de Campbell. O extraterrestre de O MONSTRO DO ÁRTICO é um ser com forma humana (embora se descubra que sua formação tem base vegetal), mas com uma força descomunal e que se alimenta de sangue. Seu único objetivo parece ser matar e tentar sobreviver e mesmo com todos os militares querendo sua pele, surge o velho clichê do cientista maluco querendo capturá-lo vivo em prol de suas pesquisas científicas, ainda que isso coloque em risco a vida de todos. Aqui também se configura o cenário clássico do ambiente claustrofóbico e do monstro aterrorizando a vida de um grupo de pessoas, da mesma forma que outros clássicos mais modernos estabeleceram suas atmosferas, como ALIEN – O OITAVO PASSAGEIRO, para se ter uma idéia. A direção ficou a cargo de Christian Nyby, apesar de todos os elementos do cinema de Howard Hawks estarem bem presentes no decorrer da narrativa, tanto que seu nome é muitas vezes considerado como o verdadeiro diretor da obra. Enfim, seja quem for o responsável pelo trabalho de direção, conseguiu um belíssimo resultado em termos de dramaturgia, visual, ritmo e terror da melhor qualidade.

Anúncios
Esse post foi publicado em Horror, Sci-Fi e marcado . Guardar link permanente.

26 respostas para O MONSTRO DO ÁRTICO (The Thing From Another World, 1951), de Chistian Nyby e Howard Hawks (não creditado)

  1. Quanto à polêmica sobre a autoria desse filme, ele foi mesmo realizado por Christian Nyby, que era montador dos filmes do Howard Hawks e, como um favor para que debutasse como diretor, Hawks permitiu que ele assinasse a direção, mas trabalhando sob controle de Hawks.
    A ficção científica ainda estava no período de formação no cinema, e muitas das características próprioa do gênero ainda estavam maturando. Mas este é um filme que merece ser chamado de clássico sem qualquer restrição.
    Quanto à conversa sobre muitos filmes e pouco tempo para vê-los, quem é que não sofre desse mal?!?
    Grande abraço!

  2. Osvaldo disse:

    > Tu está usando “acidentalmente” para descrever “pessoas fazem coisas absurdamente estúpidas para poder libertar a criatura e o filme ter argumento”, né?

    Eu ADORO tudo isso. 😀

  3. Davi OP disse:

    Coisas ótimas. 1 Ray, 4 Cassavetes, o segundo filme do Bergman, o documentário sobre o Bergman, 1 Bresson, 1 Polanski, 1 Chabrol, 1 Huston, etc.

    Coisas nessa linha de qualidade, em termos de realizadores. Se conseguir ver tudo no fim-de-semana, mando as cotações.

    E é muito boa a locadora. A melhor da cidade na combinação acervo + atendimento.

    http://www.eovideolevou.com.br

  4. Essa sua locadora deve ser bem boa pra conseguir tanto filme… a única locadora que prestava por aqui fechou. Com isso, aproveitei pra comprar algumas preciosidades à preço de banana…

  5. Davi OP disse:

    É que não deu pra resistir. Acabei de assistir, depois de ler teu texto. Passei na locadora e enlouqueci: aluguei mais de uma dúzia de filmes para não ver!!! :O

  6. Hahaha! É que eu entro no espírito da ingenuidade da coisa… 😉

  7. Davi OP disse:

    Perrone,

    “Acidentalmente, o objeto é destruído na tentativa de descongelar o revestimento de gelo que o cobria, mas conseguem encontrar um corpo estranhamente congelado numa grande pedra de gelo. Levado à base, a criatura se descongela acidentalmente. “

    Tu está usando “acidentalmente” para descrever “pessoas fazem coisas absurdamente estúpidas para poder libertar a criatura e o filme ter argumento”, né?

    SPOILER

    Por que não dá pra encarar como acidente explodir a nave com dinamite (dã! “não se preocupem, só o gelo vai derreter”) ou uma das personagens colocar o cobertor elétrico em cima da criatura congelada. É um filmaço, mas esses são dois dos momentos mais estúpidos da História do cinema (pelo menos em filmes bons).

  8. Davi OP disse:

    Idem sobre alugar mais do que conseguia ver, na época do VHS e agora na época do DVD.

  9. Osvaldo disse:

    “Alugava 6 filmes na promoção e no final só conseguia ver 3 ou 4.”

    Somos dois, Leandro!

  10. Osvaldo disse:

    Eu sempre tenho essa indecisão também, só que nunca fiquei sem ver filme por causa dela hauhahua. Posso demorar de 15 a 20 minutos escolhendo, mas acabo assistindo algum.

  11. Leandro Caraça disse:

    Não sei quanto a vocês, mas esse meu olho maior que a barriga vem desde a época do VHS. Alugava 6 filmes na promoção e no final só conseguia ver 3 ou 4. Gravava os filmes da TV numa fita EP mas sempre era obrigado a gravar um por cima de outro, ou porque o filme era mais raro ou então tinha duração maior.

  12. Caio disse:

    Só de ter o dedo do Hawks numa ficção já torna esse The Thing aí algo meio obrigatório e tal. Talvez se não existisse o do Carpenter este fosse mais bem visto. Ou menos bem visto ainda, hehe.

    E eu tb sofro desse mal aí, e na maioria das vezes o que acabo fazendo eu não ver nada mesmo.

  13. A gente deveria fazer um fórum ou uma trocação de email para um ajudar o outro:

    “Hoje eu estou na dúvida entre esses 26 filmes.” E aí segue a lista de filmes. “Quais vocês já viram e que me recomendam e são obigatórios pra ver hoje?” ou algo assim…

    E pronto! 😉

  14. Davi OP disse:

    Eu estou com uma lista de 500 filmes em casa e mais 500 fora de casa. Creio que até primeiro trimestre de 2011 dá para matar. Também tenho essa da indecisão e não só para filmes. Livros eu sou o rei da indecisão.

  15. Eu tô com uns 50 filmes em média pra ver e olha que quase nunca baixo filmes… É um mal que assola a todos!

    Esse filme é ótimo, a cena do susto na porta, onde o cara dispara a metralhadora é uma de minhas preferidas. Sempre me assusto mesmo sabendo o que vai acontecer;

  16. Leandro Caraça disse:

    Somos quatro loucos em meio a milhares de filmes.

  17. herax disse:

    somos três loucos

  18. Putz, isso acontece comigo também, Herax e Ronnie!!!

  19. herax disse:

    Hahaha, pensei que isso só acontecia comigo Ronald!!!

  20. Eu penso da mesma forma. Só que as vezes eu fico tão indeciso na escolha e demoro tanto pra pegar um fime, que eu acabo não assistindo nada.

  21. herax disse:

    Eu procuro encarar de forma diferente. Pra mim é como ter uma locadora dentro de casa. Quando sobra tempo de ver um filme eu vou lá e escolho um. Vejo sempre o que dá na telha, raramente me programo para ver X ou Y filme. É sempre uma surpresa.

  22. Davi OP disse:

    O problema de ter os filmes é que mata o imediatismo. É como relacionamento. Tá sempre perto, então pode usar quando quiser. Assim que filmes estragam e mulheres vão embora…

  23. herax disse:

    Demofilo, eu nunca parei pra contar, mas imagino que dos mais de 2000 filmes que tenho, metade eu não vi ainda.

  24. Será que Hawks “temeu” ter o próprio nome associado a esse tipo de filme? Muito estranha essa indefinição, já tinha lido a respeito. Agora, essa do Herax é boa, hahaha. Tem o filme há anos e ainda não viu? Que ingratidão. Vou passar meu endereço pra ele “doar” o filme pra mim…

  25. doggma disse:

    Esse negócio de estudar criaturas congeladas nunca termina em coisa boa, vide “Expresso do Horror”.

    Belo resgate. Vi esse filme há muito tempo, na finada TV Manchete. E o Carpenter's version é um clássico!

  26. herax disse:

    o Cesar gravou esse filme pra mim há anos e eu não vi ainda… que falha!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s