12 HOMENS E UMA SENTENÇA (12 Angry Men, 1997, TV), de William Friedkin

Ontem à noite assisti, pela primeira vez, a versão do William Friedkin de 12 HOMENS E UMA SENTENÇA. Sempre tive preconceito com essa refilmagem por achar desnecessária, pela consideração que eu tenho pelo original do Lumet, mesmo sendo realizada por um dos meus diretores americanos favoritos. Mas sentei no sofá, liguei a TV apenas para dar uma rápida zapeada e estava começando no TC Action. Simplesmente não consegui levantar do lugar até a subida dos créditos.

É um belíssimo trabalho! A estória permanece exatamente a mesma, mas todos os três elementos fundamentais que funcionaram na primeira versão estão em perfeita harmonia aqui. O puta texto, adaptado por Reginald Rose, que também é o autor do roteiro original de 57, desta vez muito mais ácido, com discursos mais explícitos; o elenco sensacional com Jack Lemmon vivendo o papel que pertencia a Henry Fonda, e um excepcional George C. Scott encarnando o mesmo personagem de Lee J. Cobb do original. Fora o restante da trupe, Armin Mueller-Stahl, James Gandolfini, Edward James Olmos, William Petersen, Tony Danza, e outros, todos excelentes; e, por último, a mise en scène de Friedkin, que se não é melhor que a de Sidney Lumet, pelo menos fica pau a pau.

Até as modificações sugeridas por Friedkin (bem sutis, na verdade, apenas alguns detalhes) possuem grande força dramática, como a “converção” de Scott no final, consegue ser mais emocionante que a de Cobb.

Mesmo careca de saber tudo o que acontece, é sempre um prazer rever 12 HOMENS E UMA SENTENÇA, seja no original ou agora nesta versão produzida para a TV.

Anúncios
Esse post foi publicado em Sem categoria e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

16 respostas para 12 HOMENS E UMA SENTENÇA (12 Angry Men, 1997, TV), de William Friedkin

  1. sinho disse:

    Galera, quero muito encontrar esse filme dublado, vc´s tem algum link ou o arquivo do filme? agradeço!

  2. Pois é, cara, esse filme tem uma atração poderosa! Acho que é o conjunto de tudo isso aí, os atores fodas, o puta texto, a direção do Friedkin/Lumet… não importa qual versão.

  3. Just Daniel disse:

    O E.G. Marshal! É memso, eu tinha esquecido.

    Ronald, curiosamente depois del er aqui, acabei pegando o filme no meio, tb pelo Telecine. não é q vc tem toda razão? Eu não consegui parar mais de ver! Não sei se é pq eu sou fissurado pelo original, pelo texto incrível que o filme tem, ou se foi tb pela constelação de grandes estrelas refazendo essa obra-prima, mas fiquei até o fim e o trabalho do Friedkin é sim, no mínimo primoroso por manter a qualidade da obra-prima máxima original e ainda dar um update. E bem acertado a decisão dele de não repetir a fotografia em PeB soberba do original. Pq aí sim, ficaria a impressão de uma imitação sem sentido.

    Uma pena q não tive a sorte de pegar desde o ocmeço que nem vc.

  4. J. Luca disse:

    Eu assisti recentemente o 12 homens e uma sentença original e eu achei o filme Fantástico. Fiquei também curioso com essa versão que parece ser, no mínimo, interessante.

  5. Caraca, nem sabia da existência desse daí… Agora fiquei curioso…

  6. concordo, mas o original tinha mais que esses três de famoso: E.G. Marshall, Martin Balsam e Ed Begley… =)

  7. Just Daniel disse:

    O engraçado desse remake é q ele tem um elenco impressionante, até melhor que o original (Em termos de quantidade, pelo o menos. O original “só” tinha Henry Fonda, Cobb e Warden))

  8. Just Daniel disse:

    Pois eu faço um top 100 POR décadas, tranqüilo.

    E ainda fica sobrando!

  9. Eu acho mais difícil fazer um top 100 do que fazer por década… mas talvez eu faça.

    Sobre esta década, no final do ano eu farei a minha lista, com certeza.

  10. Daniell disse:

    (sobre os tops de década)
    Porque voces 3 não fazem logo um top 100?
    E essa década tá acabando,não vai ter top pra ela não?

    Abs

  11. osvaldo neto disse:

    Uma das belezuras que me sacudiram quando moleque e dizer a mim mesmo “Meu Deus, cinema pode ser isso.”

    Pouco antes, aconteceu a mesmíssima coisa com TRÊS HOMENS EM CONFLITO e DRÁCULA – O PRÍNCIPE DAS TREVAS. Eu tava entre 10 e 11 anos quando vi esses filmes.

    Só fui ver o original ano passado!

  12. Sem contar que tem uma versão russa do filme, que foi indicada ao oscar de melhor filme estrangeiro. 12, o nome do filme hehe

  13. Eu também vi primeiro o remake para poder ver o original.
    Muito bom mesmo, mas faz muito tempo que assisti. Gostaria de rever. Eu vi na faculdade.

  14. Bah, discordando de novo aqui, hehe. Acho muito ruim o 12 Homens do Friedkin. Nem perde pela comparaçao, mas como filme isolado mesmo.

    De todo modo se for pra comparar, putz, o do Lumet tem tantos momentos geniais… Como quando o J. Cobb mostra a foto e fala do filho, pela primeira vez, pro Fonda. Ele termina de falar e a camera, que ate aquele momento so havia circulado livre pelo ambiente, deixa os outros 11 homens de lado e acompanha de perto o Cobb que vem pra um canto da sala, em silencio e olhando pra foto. E o final do Cobb, putz, aquilo é devastador. “rotten kid you work your life out!”, primeiro rasgando a foto, depois abraçando a si mesmo.

  15. Vlademir disse:

    Ó George C. Scott é foda demais, nesse e em muitos outros filmes.

  16. Alexandre disse:

    Eu vi primeiro essa versão pra depois “descobrir” a versão original.

    Gostei de ambas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s