EXÉRCITO DAS SOMBRAS (L’armée des ombres, 1969), de Jean-Pierre Melville

Belo filme. Também não deixa de ser uma das obras mais perturbadoras e melancólicas do diretor (entre os filmes que eu andei vendo ultimamente e postado aqui no blog). De todos estes que eu vi, ainda prefiro LE CERCLE ROUGE, mais pela minha identificação particular pelo cinema policial, porém os dois ficam no páreo de igual para igual em excelência. 
A trama se passa durante a Segunda Guerra Mundial e serve de pano de fundo para que o diretor trabalhe o estado de espírito de alguns membros da resistência francesa, principalmente um de seus líderes, interpretado por Lino Ventura, que vai gradualmente descobrindo que ele e seus companheiros devem trair a sua humanidade em prol de seus ideais, embora no final, os seus esforços são essencialmente inúteis como benefício próprio. O modo com que o diretor opera o psicológico dos personagens, trabalhando o medo, a dor, o conflito, a relação com a morte e o fato de se tornarem verdadeiras sombras, gera vários momentos incríveis. A cena onde os sujeitos discutem como vão apagar o traidor, sendo que o próprio se encontra no mesmo local, ouvindo tudo angustiado, é sensacional. 
Os pontos de contatos com o cinema de Bresson não ficam tão evidente aqui, provavelmente porque fosse impossível para o diretor tratar do tema sem que colocasse uma carga emotiva, já que o próprio Melville fora membro da resistência (mas o roteiro é uma adaptação de um romance de Joseph Kessel, não tão pessimista quanto o filme) e O EXÉRCITO DAS SOMBRAS talvez seja seu filme mais pessoal. Além de Ventura, todo o elenco é de primeira, com destaque para a grande participação de Simone Signoret, já bastante enrugada aqui, mas com muito carisma. Acho que para esta espécie exploração da filmografia do Melville ficar completa, vou assistir a LE SAMOURAI pra ver como se sai numa revisão…
Anúncios
Esse post foi publicado em Sem categoria e marcado , . Guardar link permanente.

11 respostas para EXÉRCITO DAS SOMBRAS (L’armée des ombres, 1969), de Jean-Pierre Melville

  1. Just Daniel disse:

    “Na próxima você pode tentar o Clouzout e depois o René Clement.”

    Siga esse conselho, Ronald! Assino embaixo.

  2. Se for a única forma de assistir a esses filmes, sem problema pra mim também!

  3. buchinsky disse:

    A Aurora Video lançou “Brinquedo Proibido” e também “O Sol por Testemunha” em DVD. E corrigindo, a gente encontra vários filmes do Clement e do Boisset no E-mule. Mas a maioria é ripada de VHS (sem problema pra mim) e sem legendas.

  4. Pena… do Clement eu tenho o filme que ele fez com o Bronson.

  5. buchinsky disse:

    Dá para achar um ou outro pela internet. A mesma coisa com o Clement. São dois diretores AINDA subestimados pela crítica em geral e bem pouco representados em DVD.

  6. Mas os filmes do Boisset são mais difíceis de encontrar, não são? Já vi alguns dele dando sopa por aí, mas ainda não catei nada…

  7. buchinsky disse:

    Aldrich é um dos meus santos protetores. Um diretor que eu ainda preciso preencher várias lacunas é o Yves Boisset.

  8. O próximo que eu vou peregrinar já está definido, será um americano: Robert Aldrich… mas com certeza estes dois aí vão entrar na fila!

  9. buchinsky disse:

    Na próxima você pode tentar o Clouzout e depois o René Clement.

  10. Recomendo. O cara é porreta!

  11. Just Daniel disse:

    Pelo visto essa peregrinação ao Melville tem colhido joías.

    Preciso fazer a minha.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s